fevereiro 08, 2010

Banda Clawn retorna à atividade e fará show no Carnametal de Piracicaba

Por Renato Fernandes

A banda Clawn, representante botucatuense no cenário do black metal, retoma suas atividades e divulga o single, “Blessed By Fake Lught” em sua página, no site de relacionamento ‘My Space.

“Em nenhum momento tratamos como final da banda, cortamos as atividades e ficamos entre janeiro e outubro (2009)sem tocar ou realizar shows. Porém, nunca fechamos nossos perfis nas redes sociais da internet, como o Orkut, Facebbok e My Space”, comenta o guitarrista e volcalista Fábio Regina.


A pausa ocorreu semanas antes de partirem para uma turnê pela Europa. A viagem, segundo Regina, foi um dos fatores que contribuiu para a parada. “A turnê já estava acertada, seriam 40 dias, com uma média de 30 shows. Essa decisão, em paralisar as atividades da banda, acabou adiando um pouco essa viagem. Não era o melhor momento, mas acredito que teremos outras chances”, disse.

Um dos motivos que forçou  a paralisação foi um problema antigo e superado recentemente. “Na época, o baterista (Rafael Graziano) residia em Bauru, e a distância, dificultava o ritmo de ensaios exigidos e a logística para os shows.

Quando ele saiu, passamos nove meses procurando por um baterista que pudesse suprir as carências da banda. Tivemos contatos de profissionais de várias regiões, inclusive de Minas Gerais, e acabamos encontrando aqui mesmo (Botucatu), o perfil que queríamos e hoje, contamos com a participação efetiva do baterista Pedro Corrêa”, destaca Regina.

Uma curiosidade com relação ao novo integrante é o fato de ter sido aluno de Melissa Maitan, primeira baterista do grupo. Outro fato pitoresco é que Pedro Corrêa fará a sua estreia em Piracicaba, no dia 13 de fevereiro no evento “Carnametal”, Piracicaba é considerada por Regina como emblemática. “É a nossa segunda casa. O último show da Melissa foi lá. O primeiro show do baterista que a substituiu (Rafael Graziano) também e agora, também será o primeiro show do novo integrante”, diz.

Regina ressalta que o comandante das baquetas da Clawn tem estilo muito parecido com o desenvolvido por sua professora, porém é marcado pela personalidade e batida forte. “O som que disponibilizamos no My Space demonstra isso muito bem. Deixam claras as nossas influências e apresenta uma cara nova, porém, não perde as características do grupo,  que recebe grande aceitação no circuito alternativo”.
Regina acrescenta que no momento, a atual meta é a retomada das atividades. “A pausa foi importante para colocarmos em ordem a vida pessoal e profissional”, diz.

Clawn
Originada no ano de 1998, inicialmente como um quinteto, a banda Clawn lançou, em 2006, seu CD de estreia “Deathless Beauty Of The Silence”.

Atualmente integra o cast do Black Hole Productions, com contrato assinado para o lançamento de dois álbuns. O primeiro, através da parceria entre o selo e a banda, apresenta um Black Metal moderno, sem perder o espírito iniciado por mestres do estilo em décadas passadas.

As doze faixas foram masterizadas por Scott Hull, responsável por trabalho com renomadas bandas, como Nile, Regurgitate e Exhumed, dando ao CD uma sonoridade extrema. Em março de 2007, a baterista Melissa deixa a banda após oito anos, para dar continuidade a projetos pessoais. Sua saída aconteceu de forma pacífica, sem nenhum tipo de briga ou inimizade com os integrantes. Em abril do mesmo ano, seu posto foi ocupado por Rafael Graziani e em outubro de 2009 por Pedro Corrêa.




Unesp terá R$ 7 milhões para melhoria do ensino de graduação

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) terá este ano R$ 7 milhões para investir em melhorias nos cursos de graduação. O valor foi definido no Programa de Melhoria do Ensino de Graduação (PMEG), criado pela Universidade em 2006  para fornecer recursos para infraestrutura, instalações e equipamentos para a área.

Até 2009, o programa recebeu um total de R$ 21 milhões. No primeiro ano de funcionamento, as aplicações atenderam a demandas gerais, como mobiliário para sala de aula. A partir de 2007, mais da metade do valor concedido foi destinado a itens estratégicos de desenvolvimento como laboratórios, clínicas e equipamentos de informática.
Programa está relacionado ao avanço em avaliações nacionais dos cursos
O PMEG é mais uma das medidas adotadas nos últimos anos pela Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) para aprimorar a qualidade dos cursos, que no ano passado se destacaram em nível nacional, em análises como a do Enade (Exame Nacional de Desempenho do Estudante) e o ranking do Guia do Estudante da Editora Abril.

Outras iniciativas são as avaliações de cursos e o aperfeiçoamento didático dos professores, a aproximação das grades curriculares de cursos semelhantes ou com mesma denominação, o incentivo ao empreendedorismo e o apoio ao ensino a distância.

Todo esse esforço está atualmente sintonizado com o Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI), que estabelece objetivos e ações da Unesp para os próximos dez anos.

Aulas melhores
A cada três anos, a Prograd submete os cursos a uma avaliação por especialistas de outras universidades, que levam em conta a infraestrutura e a qualificação e produção científica dos professores. "Este ano, esperamos por uma evolução em relação à última avaliação, por conta dos resultados do programa de melhorias, mas também queremos ver onde estão as fragilidades, para que possamos corrigi-las", afirma a pró-reitora de Graduação, Sheila Zambello de Pinho.

O Núcleo de Estudos e Práticas Pedagógicas da Unesp (Nepp) permite ao professor aperfeiçoar o seu desempenho em sala de aula. Coordenado pela professora Ana Maria Daibem, o núcleo foi criado formalmente em 2008, mas desde 2006 oferece oficinas, minicursos, mesas-redondas, seminários e simpósios. "Cerca de 80% dos coordenadores de curso participaram da nossa última oficina, em novembro de 2009", assinala Ana Maria.

Para o físico André Malvezzi, professor da Faculdade de Ciências, câmpus de Bauru, o núcleo teve a mesma função de um curso de especialização em Pedagogia. "O Nepp me proporcionou formação teórica em didática e uma visão mais global sobre educação", diz.

Professora de Medicina Veterinária na Faculdade de Odontologia de Araçatuba, Luciana Ciarlini também elogia a experiência no Nepp: "Após as oficinas, percebi um incremento das aulas e maior entendimento sobre o meu papel como educadora", afirma.

Currículo
As grades curriculares serão reformuladas para oferecer ao aluno mais chances de intercâmbio dentro e fora da Unesp. Os cursos com denominação igual ou semelhante foram organizados em grupos, para definir um projeto pedagógico comum. O trabalho será feito pelos coordenadores dos cursos e por um especialista com reconhecida competência em cada área. Até o fim de 2010, os 31 grupos deverão terminar seus trabalhos.

Também foi organizado o Fórum das Licenciaturas para integrar os cursos em torno de uma agenda única, com a proposta de aumentar a participação dos professores nos 14 Núcleos de Ensino e garantir melhor inserção na rede pública. Para estimular um perfil profissional competitivo, a Prograd passou a oferecer a disciplina optativa Empreendedorismo, com apostilas preparadas pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Além disso, tem sido incentivada a participação de professores e alunos em concursos de empreendedorismo, ciência e inovação.

Ensino virtual
A Unesp é a primeira instituição pública do País a oferecer um curso superior a distância, o de Pedagogia. A partir de 1º de março, ele beneficiará professores das redes públicas e particulares do Estado que não possuem formação universitária.

A iniciativa será realizada no âmbito da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo), programa criado em 2008 pelo governo do Estado. Desde 2009, vem sendo organizado o acervo digital com material de apoio às aulas. A Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC), câmpus de Marília, já planeja utilizar a ferramenta e oferecer um curso de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) com aulas semipresenciais ou virtuais. O curso seria oferecido a todas as licenciaturas e a alunos de Fonoaudiologia da Universidade.

A Unesp mantém, desde 2008, o Programa de Apoio à Produção de Material Didático. O professor prepara os textos que vai utilizar em sala de aula e os submete à Prograd. Se aprovados, a Editora Unesp faz a impressão sob o selo Cultura Acadêmica e vende aos alunos a preço de custo. Em 2009, foram recebidos 13 títulos. Outra iniciativa expressiva é a promoção do Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores, que já se tornou referência nacional nesse setor.

Saiba mais sobre a Unesp
A Unesp está presente em 23 cidades do Estado de São Paulo com 32 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 168 cursos de graduação e 112 programas de pós-graduação. Tem 46,5 mil alunos (34,5 mil na graduação e 12 mil na pós), 3,3 mil professores e 6,9 mil servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios e um Hospital de Clínicas.

A universidade oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades e diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Unesp: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.
Da Unesp

Represa de Avaré se prepara para receber turistas no Carnaval

O Camping Municipal “Dr. Paulo Araújo Novaes” e o Balneário Costa Azul vem sendo preparado para receber os turistas e foliões avareenses durante os festejos carnavalescos, que acontecerão nos dias 13, 14, 15 e 16, das 10h00 às 18h00, onde no local será montada uma tenda eletrônica, com DJ’s que agitarão o local.

Os funcionários municipais já iniciaram os trabalhos de capinagem e máquinas da Prefeitura estão realizando os serviços de terraplanagem para que os eventos esportivos que estão programados, como vôlei de praia, futebol de areia, entre outros, possam ser realizados.

As secretarias de Esportes, Turismo e Cultura estão trabalhando em parceria para realizarem o que vem sendo chamado de maior carnaval da região.

Animação na cidade

Com uma estrutura inédita, com monitores de disciplina, decoração temática, praça de alimentação e entrada franca, além do Camping e do Balneário Costa Azul, na cidade a animação será no Largo São João, no denominado Carnaval Cultural, com a Banda Fama relembrando os grandes carnavais e as marcinhas que marcaram época, com as matinês nos dias 14 e 16, das 16h00 às 18h00, e o desfile do Corso.

Ainda no Largo São, estarão disponibilizados espaços exclusivos para os turistas (Lounge Tur), bem como a realização da ExpoArte, que é a exposição de artesanatos e souvenirs, e mesas na praça para melhor acomodação de todos.

Na Concha Acústica haverá Micareta, todos os dias das 22h00 às 04h00, com a animação da Free Band, uma das melhores bandas do país, com super estrutura de som e luz.

Secretária de Turismo de Avaré




Resiliências e mitos da comunicação

Por José Paulo Moreira de Oliveira
Consultor Sênior do Instituto MVC - www.institutomvc.com.br

O Resiliência: capacidade de um material voltar a seu estado normal, depois de ter sofrido tensão.

O conceito, ora emprestado da Física, remete-nos ao seguinte questionamento: de onde vem, afinal, essa nossa extraordinária dificuldade de modificar certas posturas e modos de pensar, quando o assunto é escrever?


E olhe que não faltam exemplos e provas incontestes da necessidade de se quebrarem velhos mitos. A terceira onda, idealizada por Alvin Toffler, já chegou. A sociedade da informação e do conhecimento é uma realidade econômica; se não nos prepararmos adequadamente, seremos sufocados por essa verdadeira tsunami de informações.

Primeiro mito: escrever muito é escrever bem
Ao longo de mais de três séculos, fomos colônia de exploração e, desde então, temos vivido em uma sociedade predominantemente agrária. Por aqui, a industrialização é ainda recente e se limita a poucas regiões do País.

A natureza de nossa formação econômica conduziu-nos ao absoluto desprestígio das letras e à extrema pobreza intelectual. Nesse contexto, saber escrever se tornou privilégio de poucos e escrever muito, fator de distinção social.

Por mais que se tente mostrar as virtudes da objetividade e da concisão, o mito demonstra sua resiliência—e permanentemente se renova: das teses acadêmicas à comunicação corporativa, somos tentados a aumentar o tamanho de nossos textos, mesmo cientes de que essas ‘esticadas’ certamente comprometerão a qualidade da informação.

A culpa, propriamente, não nos cabe. Na escola, ensinaram-nos a ‘dourar a pílula’ (Acho que fui bem na prova. Escrevi pra caramba!) e nas empresas somos permanentemente instados a esticar, esticar... (O relatório está muito sucinto. Não dá para escrever um pouco mais?).

Ocorre que a massa de informações aumentou substancialmente, e o tempo se tornou a matéria-prima mais escassa do mercado.

Posso enviar para você agora cinco arquivos—cada um com mais de 100 páginas—e, para isso, basta um simples clicar do mouse.

Só que seu cérebro não é uma máquina capaz de, em escassos segundos, processar mais de 500 páginas de texto, separar o trigo do joio, refletir sobre o que foi lido e partir para a ação.

Como é impossível acompanhar a velocidade da máquina, a frustração se torna inevitável.

Se você é capaz de gerenciar tempo, finanças e relacionamentos interpessoais, por que não tentar gerenciar sua maneira de escrever?

Segundo mito: escrever é privilégio de poucos
Outro mito resiliente e difícil de derrubar. Muitos são os que ainda pensam que o ato de escrever requer talentos especiais—que uns poucos dominam e que a maioria não tem.

Partindo dessa falácia, pouco há de se fazer para reverter o quadro de absoluta impotência e inércia redacional. A tarefa de escrever é própria dos predestinados, dos iluminados... Só esses conseguem, como num passe de mágica, passar ideias para o papel.

O mito da inspiração pôde muito bem se sustentar nas sociedades agrárias—e, posteriormente, nas sociedades industriais.

Na primeira onda (agrícola), não havia por que escrever muito, já que as necessidades de comunicação eram pequenas e relativamente homogêneas. Um proprietário rural escreveria apenas para algumas dezenas de pessoas ao longo de toda a vida, a maioria delas membros de sua própria comunidade.

Da massa assalariada, esperava-se apenas que tivesse um mínimo de conhecimento sobre quando e como plantar e colher—aliado, é claro, à força física para trabalhar.

Na segunda onda (industrial), a comunicação era via de mão única, e as decisões eram tomadas de cima para baixo. A maioria das pessoas era receptora passiva e do ser humano se esperava ser capaz de entender ordens e instruções—e que fosse disciplinado no cumprimento dessas normas.

A popularização do telefone (Por que escrever uma carta se posso dar um telefonema?), o surgimento da televisão e a institucionalização do sistema de múltipla-escolha são alguns dos tantos fatores, que só vieram a reforçar a pouca necessidade de escrever.

Claro que, não havia como pensar em desenvolver ferramentas mais sofisticadas de comunicação ou ainda investir na melhoria dos textos corporativos. Escrever bem poderia até ser tarefa admirada por muitos, mas essa seria uma atividade secundária e distante do mundo real (Deixai a escrita para os poetas, os filósofos e os homens de espírito).

Esse tipo de comportamento perdeu seu lugar na era da internet, do e-mail (Por que atender o telefone,se posso responder por e-mail?) do Google, do Twiter e de tantas outras ferramentas, em que o domínio da comunicação escrita é vital.

Hoje, todos são produtores, receptores e consumidores de comunicação. Você se comunica diariamente—e em tempo real—com dezenas, centenas de pessoas com formações, culturas e níveis de escolaridade distintos, em todo o mundo. Harry Beckwith (The Invisible Touch) foi extremamente feliz , ao dizer que “Comunicação não é apenas uma ferramenta e sim a ferramenta”.

Seu sucesso pessoal e o de sua Organização dependerão substancialmente do trabalho de coleta de informações e de transmissão do conhecimento.

Terceiro mito: linguagem como sinônimo de erudição.
Esse talvez deva ser o mito mais resiliente—e passível de causar danos mais severos. Se não é complicado, não é sério; se não é sério não merece ser lido.

O ranço colonial, que impingiu em boa parte da elite intelectual brasileira o conceito do “Quanto mais confuso, melhor”, continua provocando verdadeiros estragos em nossa sociedade.

O profissional que faz do seu texto uma arma e vincula o ato de escrever ao uso recorrente de palavras complexas, pedantes e artificiais, perde pontos preciosos com o leitor.

O que dizer das construções que você vai ler a seguir? Apenas que seus criadores (respectivamente um advogado, um linguista, um economista e um administrador) estão preocupados apenas em enfatizar o domínio da Língua e impressionar (ou esmagar) o leitor, com suas incursões eruditas.

Por pertinente, as características peculiares que se coadunam com o direito de exclusividade de divulgar a obra ao público e fruir dos rendimentos econômicos dela decorrentes, e também com o direito de fiscalização do aproveitamento pecuniário das obras referem-se à materialização e distribuição voltada em prol da consentânea retribuição em virtude da projeção econômica da criação.

O conceito de classe argumentativa deve circunscrever-se ao conceito de orientação argumentativa, ou seja, uma classe argumentativa é constituída pelos enunciados cujos conteúdos apresentam-se regularmente como argumentando para uma conclusão que define a classe argumentativa, não só em uma situação particular específica, mas como uma regularidade como se desse em todas as situações de enunciação possíveis.

As normas são claras e precisas e remetem a participação nos lucros e resultados àqueles que têm interesse em negociar e estabelecer suas diretrizes: trabalhadores e empresas. É, portanto, mecanismo hodierno de negociação do conteúdo de direito de caráter estritamente pecuniário. Além de democrático, é cíclico, não havendo acordo, tenta-se nova negociação ou acorda-se a eleição de outra forma de resolução da discussão (mediador ou árbitro).

Insuflado de regozijo malgrado fugaz o ensejo, colho-o para apetecer alvíssaras e enviar um amplexo.

Saber explicar situações, definir conceitos, instruir processos, recomendar ações e apresentar soluções criativas e inovadoras são alguns dos diferenciais do Profissional da sociedade da informação. Você é o que você escreve. Sua redação é a evidência persuasiva de sua competência, personalidade e capacidade profissional.

Moral da História

A terceira revolução está acontecendo agora, e a sociedade da informação e do conhecimento exige do trabalhador a capacidade de desenvolver novas competências.

A revolução digital vem modificando por completo a sociedade: informação interativa, intensificação das relações pessoais, negociações on-line, notícias em tempo real, compras pela internet, entre outras tantas atividades cotidianas, abrem novos e interessantes espaços para a comunicação escrita,historicamente relegada a um plano menor.

Nesse contexto, clareza, funcionalidade, pertinência e objetividade no trato das informações são virtudes a serem sistematicamente treinadas e trabalhadas pelos Profissionais das Organizações.

Investir em comunicação não é despesa; é lucro. Quem não tiver a necessária sensibilidade para perceber que o conhecimento se tornou o substituto último de todos os outros meios de produção deixará de gerar riquezas—e estará inevitavelmente fadado ao rápido esquecimento.

Esse artigo é fruto da experiência de José Paulo Moreira de Oliveira, Consultor Sênior do Instituto MVC na condução de treinamentos e consultorias.

Geisy Arruda grava clipe do Inimigos da HP

A estudante da Universidade Bandeirantes (UNIBAN) Geisy Arruda é a convidada do Inimigos da HP para participar do videoclipe que integrará o novo DVD do grupo a ser lançado em Maio. Ela aparecerá com um vestido rosa - igual ao que a tornou famosa - e estará curtindo a balada do Inimigos da HP.

A “personagem” de Geisy leva o nome da música, “Regininha”, que fala de uma moça “safada”, pelo menos na visão do namorado chifrado por ela, que fica se lamentando.

A música e o clipe têm previsão de lançamento em abril.





Carnaval 2010 gera expectativa em Itatinga

O carnaval popular de Itatinga promete animar os foliões da Cidade e também da região. A programação já foi definida e a expectativa pelo sucesso do evento é grande. Serão quatro noites de folia, entre os dias 13 e 16 de fevereiro, e duas matinês, nos dias 14 e 16.

A animação fica por conta da Banda Assédio, que apresentará repertório amplo e variado, adiantando que as famosas marchinhas de Carnaval receberão atenção especial.

Para a Diretoria de Turismo, organizadora do evento, a competição e as brincadeiras entre os blocos, no Carnaval de rua será uma atração à parte: todas as noites os foliões receberão temas onde poderão exercer sua criatividade e assim concorrer ao título de melhor bloco carnavalesco.

Os temas escolhidos para as brincadeiras são: 13/02 – “Noite da Fantasia”, 14/02 – “Noite do Hexa”, 15/02 – “Noite do Trocado” e no dia 16/02 – “Noite do Samba no Pé”.

O carnaval de Itatinga também será solidário: cada integrante dos blocos doará 1kg de alimento não perecível, que será destinado ao Fundo de Solidariedade do município.

Interessados em participar do Itafolia devem se Informar na Secretaria do CIEEL (Centro de Educação, Esporte e Lazer), pelo telefone: (14) 3848-2559.

O “Itafolia Carnaval 2010” acontecerá no Calçadão da Matriz, no centro da cidade, a partir das 21 horas. As matinês serão das 15 às 18 horas.

Vila dos Lavradores deverá ter carnaval independente

Se depender dos responsáveis pelo bloco carnavalesco da Associação Atlética Ferroviária (AAF), a Vila dos Lavradores (Bairro), não ficará sem desfile carnavalesco. “Já é uma tradição. Quando foi divulgado que o desfile aconteceria apenas na Avenida Dom Lúcio, os moradores da Vila dos Lavradores começou a comentar e sugerir que o clube , que mantém forte vínculo com o ‘Bairro’, fizesse um desfile”, explica Joaquim Pereira da Silva, diretor social da AAF.

A ideia foi levada a outras autoridades do clube e comentada com o folião e também um dos responsáveis pela organização do bloco do clube, Fábio Henrique Gonçalves. “A proposta começou a ganhar corpo e força e após sentir esse respaldo positivo decidimos iniciar uma organização pela realização do desfile na Vila dos Lavradores”, coloca Silva.

O primeiro passo dos organizadores foi procurar a Subsecretaria Municipal e Turismo. “Não queremos fazer nada alheio ao Turismo”, antecipa. Em seguida, teve início a fase dos convites. “Estamos ligando para os responsáveis pelos demais blocos e formalizando os convites. Já temos a confirmação de algun grupos e outros pediram um período para pensar e dicutir a possibilidade com os demais integrantes”, relata.

Confirmando a lista de participantes, a organização do desfile já projeta o pedido de apoio. “Voltaremos a conversar com a subsecretaria de Turismo para saber se podemos contar com apoio. Deveremos nos reunir com os demais representantes de grupos carnavalçescos na próxima semana, a fim de dicutirmos detalhes da folia, como a ordem do desfile”, revela.

A subsecretaria Municipal de Turismo, Priscila Ribas, explica que ajudará os foliões na medida do possível, mas antecipa que não terá como disponibilizar nenhum benefício que demande recursos. “Em reuniões para defirnirmos a realização de desfiles nos bairros nenhum representante do clube compareceu. Agora, não temos como ajudar com investimentos. Tudo o que previa gastos, como a utilização de carros de som, por exemplo, foi previsto no final do ano passado. Ajudarei na medida do possível”, explica.

Carnaval de S. Manuel terá 2 escolas de Samba

Os desfiles carnavalescos de São Manuel, na Avenida José Horácio Mellão, (Sãobódromo), serão realizados nos dias 13 e 15. A “passarela do samba” contará com 200 metros de arquibancadas para abrigar a população.

Já confirmaram participação as escolas de samba da AABB e Samba no Sangue, além dos blocos: Nega Maluca, @Oba, Alambique, Balakubako, Romemos e Nóis balança mais não cai, além do Rei Momo e Rainha.

A escolha da “Corte Carnavalesca” será no dia 5, sexta-feira, no Ginásio Poliesportivo. As inscrições podem ser feitas individualmente.

Os bailes noturnos gratuitos serão realizados na “Tenda”, que será armada no Recinto de Eventos Mário Covas, durante os dias 13, 14 e 15. Haverá matinês nos dias 14 e 16.

O encerramento do carnaval, que era realizado no Santuário, com a participação de banda e trio elétrico, será transferido para a Tenda, no dia 16, após a matinê, devendo se estender até às 22 horas.

A Diretora Municipal de Turismo da Cidade programou a realização de carnaval no Distrito de Aparecida de São Manuel, com matinês prolongadas das 17 às 22 horas, no domingo e terça-feira (dias 14 e 16) e bailes ao ar livre no sábado e na segunda-feira (dias 13 e 15), no coreto da praça do santuário, das 22 às 2 horas.


Notívagos Burlescos está com inscrições abertas para oficinas de teatro

A Associação Teatral Notívagos Burlescos compôs nova diretoria na semana passada, e conta agora com Diane Dierckx, na presidência do grupo, tendo ao lado Bruno Carboni, secretário e Carol Galvani, tesoureira.

Os primeiros passos da nova diretoria é abrir as inscrições para a “Oficina de Iniciação”. As atividades estão previstas para começar em março e encerramento em junho. “Neste semestre serão duas turmas. Finalmente vamos poder atender dois pedidos. Primeiro, a oportunidade de atividades aos finais de semana. Já fazia muito tempo que existia essa sugestão. Segundo, a divisão das turmas por idade”, explica o diretor da Quadrilha Teatral Notívagos Burlescos, o dramaturgo Robert Coelho.

A associação ainda tem programado, para os próximos meses, o processo de montagem das peças: “O Grito da Borboleta” e “A lista”, ambas escritas por Coelho. Outro projeto que terá continuidade é a trilogia da fé, com “Ana Rosa e Mirabelli”, contando a história dos dois primeiros personagens. “Por falar em Trilogia da Fé, em março deve começar a montagem de ‘Frei Fidélis’, terceira e última peça do projeto”, revela.

Ainda este mês, está previsto o retorno do espetáculo de improviso “Dorotéia e os Farsantes”. “Retomamos os ensaios na última semana e estamos preparando novidades. Nosso objetivo é fazer apresentações no Espaço dos Notívagos. Não só do improviso, mas também das peças”, antecipa o dramaturgo.

Para conseguir esse objetivo, os associados retomam essa semana a campanha de reforma e adequação do espaço. A prioridade está na pintura (externa e interna), solucionar o problema das goteiras e conseguir mais cadeiras para a acomodação do público.

Detalhes - As inscrições para turmas de Oficina de Iniciação estão abertas durante todo o mês de fevereiro. A oficina pretende, além de estimular e fomentar a atividade cultural e artística na cidade, desenvolver noções sobre o fenômeno teatral, seus aspectos estéticos e papel social.

A duração é de quatro meses, com encontro semanal de três horas de duração. Ao todo são 50 vagas disponíveis para interessados com pouca ou nenhuma experiência teatral, distribuídas em duas turmas:

TURMA A: 25 vagas para pessoas entre 14 e 18 anos; Encontros toda terça-feira, das 19 às 22 horas.

TURMA B: 25 vagas para pessoas maiores de 18 anos; Encontros todo sábado, das 14 às 17 horas.

No início de julho as turmas apresentarão cenas no espetáculo de conclusão: “Notívagos Burlescos: Ativar!”.

Para participar é necessário se inscrever ou fazer parte da Associação Teatral Notívagos Burlescos e colaborar com a contribuição mensal de R$ 15,00. O pedido de admissão como sócio e a inscrição para a oficina podem ser feitos pessoalmente no espaço dos Notívagos, entre segunda e quinta-feira das 19 às 22 horas, ou pelo e-mail notivagosburlescos@yahoo.com.br.

A oficina terá início nos dias 2 e 5 de março. O Espaço notívagos fica na Rua Pedro Amando de Barros, 181. (Em frente a Academia Iron). Informações no site: www.notivagosburlescos.blogspot.com.