dezembro 14, 2009

Faculdade em Osasco é descredenciada pelo MEC

Da Agência Brasil
   
A Secretaria de Ensino Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC) determinou o descredenciamento da Faculdade João Paulo Primeiro, mantida pelo Colégio Técnico João Paulo Segundo, com sede em Osasco. O despacho publicado no Diário Oficial da União de hoje (14) dá um prazo de 30 dias para que a instituição recorra ao Conselho Nacional da Educação.

A decisão do MEC foi baseada em uma série de denúncias relacionadas à precariedade nos cursos ofertados pela faculdade João Paulo Primeiro. Além disso, a instituição paralisou as atividades sem comunicar ao ministério.

O MEC tentou por diversas vezes contato com o dirigente da instituição para conferir documentação e emitir diplomas dos alunos, mas não obteve resposta. A reportagem da Agência Brasil também não foi atendida por nenhum dos telefones anunciados na internet.




Empregos Manager Online

Fuvest divulga lista dos aprovados para 2ª fase do vestibular

A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) divulgou nesta segunda-feira, 12, a lista dos convocados para a segunda fase do vestibular 2010.

Clique aqui para acessar a lista dos aprovados.

Clique aqui para ver os locais de exame da segunda fase.
Provas da segunda fase vão de 3 a 5 de janeiro
As provas de segunda fase terão início em 3 de janeiro, estendendo-se até o dia 5 do mesmo mês. Já as de Habilidades Específicas acontecerão entre 6 e 8 de janeiro.



Empregos Manager Online

Daryl Hannah participa do debate CNN/YouTube sobre mudanças climáticas

A atriz Daryl Hannah acaba de ser confirmada como uma das participantes do debate em parceria da CNN.com o site de vídeos YouTube. Frequentemente engajada em causas ambientais, a estrela de "Kill Bill" mantém inclusive um videoblog dedicado aos assuntos sobre a preservação do meio ambiente, o site http://www.dhlovelife.com/v2/opening/.

Na terça-feira, dia 15 de dezembro, CNN.com e YouTube transmitem ao vivo, a partir das 11h, o painel mediado por Becky Anderson, âncora do programa “Connect The World”, quando exibirá os vídeos selecionados e que serão discutidos pelos membros da mesa, composta por Yves de Boer (Secretário executivo da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), Kofi Annan (Ex-secretário geral da ONU e fundador da organização Tck Tck Tck Time for Climate Justice), Thomas Friedman (Jornalista americano, colunista do The New York Times e três vezes vencedor do Prêmio Pulitzer) e Bjørn Lomborg (Acadêmico dinamarquês e autor do livro “O Ambientalista Cético”).

Até o dia 14 de dezembro, internautas de todo o mundo podem enviar suas questões e comentários em vídeo para o canal específico do YouTube, o “Raise Your Voice and Change The World” (Erga sua Voz e Transforme o Mundo), acessado pelo endereço www.youtube.com/cop15. Entre os mais de 2.200 vídeos já enviados para o site, alguns serão selecionados para serem respondidos e debatidos por especialistas. O critério de seleção será baseado em criatividade, assunto e localização geográfica, abrindo um fórum democrático para uma das mais importantes discussões entre os governantes globais.

Na quarta-feira dia 16, a CNN International transmite na TV a íntegra do debate a partir das 19h. As reapresentações acontecem na quinta-feira, dia 17, às 8h, e no domingo, dia 20, também às 8h.


CNN International é a única rede global a transmitir notícias 24 horas por dia, fazendo ampla cobertura jornalística por meio das 33 operações editoriais mundiais da CNN Worldwide. Programada especificamente para uma audiência global, a CNN International possui cinco sinais separados de satélite para a América Latina, Europa/Oriente Médio/África, Ásia/Pacífico, Sudeste Asiático e Estados Unidos. A CNN International pode ser vista em mais de 200 milhões de residências em mais de 200 países e territórios ao redor do mundo, por meio de uma rede de 38 satélites.





Empregos Manager Online

Kindle chega num Brasil de 77 milhões de não leitores

Com a chegada do Kindle, sucesso nos Estados Unidos, através da Amazon, o Brasil e mais de 100 países podem baixar obras literárias por meio de um simples download. Foi o suficiente para preocupar alguns setores da cadeia produtiva do livro.

Mas basta olhar para a realidade brasileira em que cerca de 73% das obras estão nas mãos de apenas 16% da população e considerar que 77 milhões de brasileiros ainda são não leitores para mudar o foco das preocupações.

Diante desta realidade, é urgente que governo, editoras, distribuidoras e livreiros se mobilizem, antes de mais nada, pela inclusão de mais leitores dos livros convencionais em vez de se preocupar com a suposta ameaça embutida no Kindle. Uma engenhoca da Amazon que chega ao mercado brasileiro custando cerca de mil reais e com pouquíssimos títulos disponíveis em português.

Para ampliar a inclusão dos não leitores basta dar andamento às iniciativas da cadeia produtiva do livro e do governo em torno do Fundo Pró-Leitura, cujo projeto de lei será encaminhado pelo governo federal ao Congresso Nacional em breve. O fundo tem, por exemplo, entre seus objetivos abrir uma biblioteca em cada uma das mil cidades brasileiras sem bibliotecas.

“Com a inclusão de milhões de novos leitores, vamos reforçar nosso mercado livreiro, ampliar a experiência dos não leitores com o universo do conhecimento e da cultura”, afirma Fabiano dos Santos, diretor de Livro, Leitura e Literatura do Ministério da Cultura.

E nos preparar para transformar conhecimento em renda e, a médio prazo, encontrar pelas ruas, junto com os aparelhos celulares, os novos leitores usufruindo de seus livros através de novas engenhocas eletrônicas.




Empregos Manager Online