outubro 05, 2009

Intenção ao vazar prova do Enem era denunciar fragilidade de gráfica, diz advogada

Da Agência Brasil

A advogada Claudete Pinheiro, que defende Felipe Pradella – indiciado hoje (5) pela Polícia Federal em São Paulo por suspeita de ter participado do esquema do vazamento da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) –, negou que seu cliente tenha sido o responsável pelo furto da prova. Segundo a advogada, a intenção ao oferecer a prova do Enem à imprensa era a de denunciar a fragilidade da gráfica Plural, responsável pela impressão da prova.

“Eles [Felipe Pradella e os demais envolvidos no vazamento da prova] não são criminosos contumazes ou indíviduos de alta periculosidade. São pessoas comuns que se viram na posse de uma prova. O que eles queriam, na verdade, era denunciar a fragilidade dos serviços prestados pela gráfica Plural”, afirmou a advogada, ao deixar a sede da superintendência da Polícia Federal em São Paulo.

Pradella, funcionário de uma empresa que presta serviços à gráfica Plural, chegou à sede da PF em São Paulo por volta das 10h de hoje para prestar depoimento e acabou deixando o local por volta das 18h, já indiciado.

Durante o depoimento, Pradella negou ser o autor do furto e afirmou ter recebido a prova do Enem de uma outra pessoa da empresa que, por sua vez, indicou um terceiro nome à Polícia Federal. Os três foram ouvidos pela Polícia Federal hoje e foram indiciados por peculato, entre outros crimes. Os nomes dos outros dois indiciados (um deles que teria confessado ser o autor do furto da prova) não foram revelados pela Polícia Federal nem citados pela advogada de Pradella.

Segundo a advogada, Pradella “não tinha noção de que a denúncia e de que vender esse tipo de matéria era crime”. Seu objetivo era o de denunciar a fragilidade no esquema de segurança da gráfica Plural. “A prova do Enem era a prova cabal de que os serviços prestados pela gráfica Plural eram deficitários”, afirmou a advogada.

A Polícia Federal já indiciou, até o momento, cinco pessoas pelo vazamento da prova que foi oferecida a três órgãos de imprensa (o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Época e o site R7, que pertence à TV Record). Além dos três suspeitos ouvidos hoje, a Polícia Federal já havia indiciado, no último sábado, o empresário e publicitário Luciano Rodrigues e o DJ Gregory Camillo de Oliveira Craid.

Segundo a advogada Claudete Pinheiro, seu cliente era amigo do DJ Gregory Craid que, por sua vez, seria amigo do empresário Luciano Rodrigues. De acordo com a versão da advogada, o DJ foi quem deu a sugestão de oferecer a prova à imprensa. Já o empresário foi o responsável por fazer os contatos com a imprensa. Nenhum deles, segundo ela, teria pensado em cobrar pela divulgação da prova do Enem.



Universidades poderão mudar datas de vestibulares por causa do Enem

Da Agência Brasil

As instituições que irão utilizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de seleção de novos alunos estão dispostas a fazer mudanças em seus calendários desde que não haja atraso no início das aulas em 2010. As universidades e institutos federais só irão decidir se farão alterações em seus calendários após a definição da nova data do exame, que será anunciada na quarta-feira (7).

O Enem foi adiado após vazamento da prova, que deveria ter isso aplicada no último fim de semana. De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Alan Barbiero, após a definição, cada universidade definirá o que fará em seu calendário de seleção.

“Queremos garantir o sucesso do Enem, mas é claro que temos grande preocupação de garantir o ingresso no início do primeiro semestre”, afirmou.

Com o adiamento do Enem, o exame provavelmente vai coincidir com vestibulares de universidades federais. Segundo Barbiero, o MEC apresentou um levantamento com as datas de todas as seleções do país. O objetivo é buscar uma data que tenha impacto menor para instituições e alunos.

“A definição da data é uma responsabilidade do MEC. O que vamos fazer é buscar adequação do calendário. Vamos fazer um esforço para fazer adequação, umas [universidades] vão se adequar, outras não”, disse Barbiero.

Apesar da indefinição e da garantia de autonomia às universidades, que poderão inclusive deixar de utilizar a notas do Enem, Barbiero disse que há, entre os reitores, “um sentimento coletivo” de manter a adesão ao exame nacional.

“Cada universidade participou de forma autônoma [na adesão ao Enem], qualquer mudança será decisão de cada universidade. O que posso afirmar é que um existe sentimento coletivo de confiança e de apoio ao MEC de que vamos utilizar o Enem”, afirmou.

Até agora, nenhuma universidade ou instituto federal desistiu de utilizar o Enem na seleção de estudantes, segundo a Andifes e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (Conif), que reiteraram o apoio ao MEC. “Temos que ter disposição de fazer ajustes nos nossos calendários”, disse o presidente do Conif, Paulo Cesar Pereira.



Ballet Dom Quixote fará apresentação em Botucatu

Por Renato Fernandes

O Grupo Dans La Danse, apresentará o espetáculo “Don Quixote”, no Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, no dia 22 de outubro, às 20h30.
O Ballet tem como coreógrafo e roterista original Marius Petipá (1818 – 1910). Nasceu em Merselha e após muitos anos de estudo de dança com seu pai, Jean Antoine Petipá, foi para a Rússia, onde na Cia de Ballet do Teatro de São Petersburgo, atuou como assistente de Jules Joseph Perrot, um dos maiores coreógrafos do período romântico.
“Dom Quixote”, originalmente em 4 atos e um prólogo, tem música de Aloisius Ludwing Minkus (1826 – 1917).
O Grupo Dans la Danse foi fundado em Julho de 1989, tendo a fundadora Gisele Bellot na direção.
O Dans la Danse conta com repertório considerado pioneiro na difusão da arte da dança clássica.
Os bailarinos seguem uma rotina de trabalho intensa onde o aprimoramento da técnica é uma conseqüência positiva que também os permite interpretar trabalhos com linguagem contemporânea.
O elenco atual do grupo é o mesmo há mais de cinco anos, tendo conquistado entrosamento e maturidade para a interpretação.



"Bossa Convida" leva amigos e músicos ao palco

Por Renato Fernandes

O Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci recebe no dia 16 de outubro, o show musical “Bossa Convida 3”, às 20h30. A comissão organizadora do evento, formada por Douglas Rogério, Adriana Ribeiro, Ana Paula Nascimento e Marco Aurélio D´Luque, explica que o objetivo é mostrar ao público botucatuense o encanto que o estilo musical provoca até hoje.

O diferencial da atração é a participação de convidados, interpretando diferentes sucessos. “A ideia é reunir um grupo de amigos para cantar. O pessoal ensaia com a banda e vai para o teatro normalmente sem saber a hora exata que vai subir em cena”, diz Adriana Ribeiro.

Rogério, idealizador do evento, assiste ao crescimento do show e comenta que a banda que acompanha os músicos foi formada excepcionalmente para as apresentações. “O bacana no show, é que acabamos descobrindo novos talentos e trazendo à tona pessoas que cantam super bem, cantores afastados dos palcos e, também, aqueles que não têm o hábito de se apresentar em público. Para essa edição serão 10 convidados”, ressalta.

As duas primeiras edições aconteceram no Teatro Gino Carbonari, reunindo público de aproximadamente de 70 pessoas. Para esta edição, já foram vendidos adiantadamente 200 ingressos, para a Associação dos Docentes da Unesp, em homenagem ao Dia do Professor. “O sócio da entidade receberá um vale que poderá ser trocado pelo ingresso na bilheteria”, explica Adriana Ribeiro.

O estilo - A bossa nova é um movimento da música popular brasileira surgido no final da década de 1950 e início da de 1960 na capital fluminense. De início, o termo era apenas relativo a um novo modo de cantar e tocar samba naquela época. Anos depois, a Bossa Nova se tornaria um dos gêneros musicais brasileiros mais conhecidos em todo o mundo, especialmente associado a João Gilberto, Vinicius de Moraes, Antonio Carlos Jobim e Luiz Bonfá.

Os ingressos são limitados. Informações na bilheteria do Teatro Municipal, na Praça Coronel Moura, nº 27, ou pelo telefone: (14) 3882-9004.


Constituição completa 21 anos e senadores se dividem sobre mudanças frequentes

Da Agência Brasil

Ao completar hoje (5) 21 anos de promulgação, a Constituição brasileira tem consenso dos senadores apenas no capítulo dos Direitos Sociais, ao considerar o texto original, aprovado pela Assembleia Nacional Constituinte de 1988. As frequentes alterações no corpo da Carta Magna é um assunto que ainda divide os parlamentares e frequentemente é cobrada no Senado, onde tramitam 384 propostas de emendas à Constituição (PEC).

Pelo menos dois exemplos disso são o excesso de medidas provisórias editadas pelo governo e a ausência e uma reforma política ampla que possa readequar os dispositivos aprovados pelos constituintes. O próprio presidente José Sarney (PMDB-AP) já tratou dos dois assuntos por diversas vezes, seja em discursos da tribuna do plenário ou em entrevistas. O mesmo fizeram os líderes anteriores, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) e Renan Calheiros (PMDB-AL).

Recentemente, o Congresso Nacional aprovou mudanças na legislação eleitoral, por meio de um projeto de lei, que passam a vigorar já a partir de 2010. Um dos pontos foi a adoção de critérios para o uso da internet nas campanhas, que acabou liberado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sanção da matéria.

Para o senador Tião Viana (PT-AC), as cerca de 60 propostas de emendas à Constituição analisadas todo mês por parlamentares fazem com que o texto constitucional deixe de cumprir o seu papel de “manto de proteção” da sociedade. Segundo ele, é preciso que os senadores parem e reflitam sobre o papel do legislativo para “vulgarizar” os trabalhos.

“Sequer temos informações das leis que estão sendo aprovadas que, por vezes, não são substantivas”, completou o petista. Ele sugere que os presidentes da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), e o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), se reúnam com as autoridades do Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ), Ministério Público, Advocacia-Geral da União (AGU) e Defensoria Pública da União para definir uma prioridade na agenda legislativa que priorize a análise do que foi posto no capítulo das Disposições Transitórias da Constituição e que ainda não foram regulamentados.

“Nas leis pendentes é necessário excluir o que não é essencial e avaliar o restante, mesmo porque muita coisa não deve ser tratada por alterações constitucionais mas por legislação ordinária”, afirma Viana em suas críticas. Para ele, o Congresso deve deixar de ser “uma fábrica de leis”.

Já o senador Francisco Dornelles (PP-RJ) não compartilha com as avaliações do colega petista. Segundo ele, o texto constitucional, no decorrer desses 21 anos, foi aperfeiçoado frequentemente pelos congressistas. Ele destacou, por exemplo, as mudanças na economia com as quebras dos monopólios do petróleo e das telecomunicações.

De acordo com ele, a reforma política é uma das prioridades que deve se estabelecer na agenda do Parlamento como parte desse processo de aperfeiçoamento constitucional, avalia.

Ele não compartilha, entretanto, da análise de que o governo edita muita medida provisória, em grande parte sem necessidade. “O número elevado de medidas provisórias só existe porque o Congresso aceita tais textos. Existem matérias que nunca deveriam ser tratadas como medida provisória, mas o Congresso ratifica”, afirma numa crítica a não instalação das comissões especiais que, em tese, deveriam analisar a admissibilidade e urgência das MPs, um preceito previsto na Constituição.

O líder do Democratas (DEM), José Agripino Maia (RN), ressaltou que a tarefa dos deputados e senadores neste momento, quando o assunto é reforma da Constituição, é ao longo do tempo realizar as adequações necessárias.

Avi ReComp Coloque legendas e marcas em arquivos de vídeo e filmes

Com problemas para embutir legendas em filmes, talvez o programa Avi ReComp seja a solução. Ele possibilita ao usuário fixar legendas, modificar o tamanho da imagem, marcar os filmes com um símbolo pessoal, alterar o tamanho do vídeoentre outras funcionalidades.

A interface é inuitiva, com funções fáceis de localizar. Uma desvantagem é que funciona apenas com o formato AVI, o que é compensado pela praticidade já que, poucos toques é possível incorporar sua marca no canto do vídeo, e até legendas nos filmes.

Quando o assunto é legenda, o suporte do programa garante compatibilidade com os seguintes formatos: TXT, SUB, SRT, ASS e SSA. Recortar e redimensionar também Sá tarefas que se tornam fáceis com a utilização deste software gratuito.

Não sabe ao certo quais as propriedades do arquivo? Na lateral direita da interface o ususário encontra todas as informações que necessita. O programa também tem uma variedade de idiomas indluindo o Portugês.

Para fazer o download clique no botão abaixo , ou se preferir acesse a página do programa www.avirecomp.com/download.php




PF já identificou responsáveis por vazamento de prova do Enem

Da Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) não confirma nomes, mas a investigação em curso sobre a fraude ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está em estágio avançado, devendo ser concluída nos próximos dias, e já identificou responsáveis pela violação das provas. Segundo a assessoria de imprensa da PF, a Superintendência de São Paulo vai se pronunciar oficialmente apenas ao término do procedimento.

Segundo publicou hoje (4) o jornal O Estado de S. Paulo, que na última quarta-feira (30) avisou o Ministério da Educação (MEC) que havia tido acesso ao caderno de questões, já foram indiciados pela PF o empresário e publicitário Luciano Rodrigues e o DJ Gregory Camillo de Oliveira Craid. A PF está à procura de Felipe Pradella, apontado por Gregory como responsável pela obtenção das provas e por ter repassado as mesmas a ele.

O plano do grupo seria vender as provas para a imprensa em troca de dinheiro. Caso Pradella não se apresente até amanhã (5), a PF deverá requerer formalmente à Justiça Federal sua prisão e mandados de busca.

Gregory e Rodrigues foram interrogados ontem (3) em São Paulo e liberados em seguida. Ambos teriam sido enquadrados no Artigo 325 do Código de Processo Penal, que define o crime de violação de sigilo funcional.

Em nota, a Plural Editora e Gráfica Ltda., responsável pela impressão da prova do Enem, afirmou ter recebido pedido de informações da PF sobre um dos investigados no caso do vazamento e dito à PF que tal pessoa nunca integrou o quadro de funcionários e colaboradores da empresa. A Plural ainda garantiu ter cumprido “rigorosamente” todas as medidas de segurança previstas em contrato, inclusive com adoção de precauções adicionais.

O Ministério da Educação deve anunciar na próxima terça-feira (6) a nova data para a realização do Enem.