setembro 30, 2009

Botucatu assina convênio com Governo do Estado

Na tarde de ontem, o Prefeito Municipal de Botucatu João Cury Neto esteve presente em São Paulo no evento que marcou a assinatura Programa Especial de Melhorias [PEM] pelo Vice-Governador Alberto Goldman e o Secretário de Estado de Habitação, Lairs Krähenbühl. O projeto vai marcar a execução das obras de infra-estrutura dos conjuntos habitacionais [CDHU], desenvolvidadas em uma parceria entre Estado e os Municípios. Durante a solenidade também houve a adesão de 123 cidades ao Programa Cidade Legal, que fornece auxílio ao municípios na regularização fundiária.

O investimento total é de R$ 30,4 milhões para 180 municípios, sendo que 138 vão assinar os protocolos no evento e 42 já firmaram anteriormente. A Secretaria da Habitação vai repassar os recursos para as prefeituras executarem melhorias em antigos núcleos habitacionais, proporcionando mais conforto, segurança e qualidade de vida aos moradores. São obras estruturais de recapeamento, muros de arrimo, galerias de águas pluviais, calçadas, construção e reforma de praças, parques, centros comunitários e de convivência, áreas de lazer e quadras poliesportivas.

'Nós estamos mudando o caráter dos planos habitacionais no Estado. No novo projeto da CDHU, os conjuntos habitacionais não são apenas casas ou apartamentos, são lares. Os projetos apresentam diferenças que dão dignidade às famílias que vão ocupar aqueles espaços e, além de tudo, tem a questão da regularização fundiária que dá ao cidadão o título da propriedade do imóvel, o título daquilo que é seu', disse o vice-governador Alberto Goldman.

'Nós recebemos uma nova diretriz do governador José Serra de tratar com muita atenção a questão da qualidade de vida dos empreendimentos existentes e não apenas fazer novos conjuntos. Desde 2007, nós já repassamos às prefeituras mais de 92 milhões para obras de infraestrutura e com os convênios que estamos assinando hoje, esse montante supera os 120 milhões', afirmou o presidente da CDHU, Lair Krähenbühl.

Com a adesão dos 123 municípios ao programa 'Cidade Legal', será possível regularizar mais 1.188 núcleos habitacionais, o que vai beneficiar 271 mil famílias. O programa tem como objetivo normatizar junto às prefeituras as regras para que as unidades habitacionais já construídas tenham sua documentação oficializada. Para participar, as prefeituras precisam assinar um termo de convênio com o Governo do Estado. Até agora, 197 municípios paulistas já aderiram ao programa o que vai permitir a regularização de 1,6 milhões de imóveis.

Durante a solenidade, o Prefeito João Cury Neto fez um discurso sobre o tema. Cury foi escolhido como representante dos 645 municípios para falar em nome dos mesmos, e assinou junto aos representantes do Estado, o convênio do PEM e do Cidade Legal. “Acho que o mais importante de toda essa situação é que podemos mais uma vez conquistar investimentos para a população de Botucatu junto ao Estado como já fizemos com o Governo Federal”, afirmou Cury, mostrando mais uma vez que a cidade esta cada vez mais na rota dos grandes projetos do Governo do Estado.

Da Subsecretaria Municipal de Comunicação e Informação

Pronto-Socorro do Hospital Sorocabano será transferido para novas instalações

Na manhã desta quinta-feira, [01/10], o atendimento do Pronto-Socorro do Hospital Sorocabano passará a ser na antiga ala do Pronto-Atendimento da UNIMED, que nos últimos meses passou por reformas feitas pela Prefeitura Municipal de Botucatu, segundo informações do Secretário da Saúde, Antonio Luiz Caldas Júnior.

De acordo com o Secretário, os atendimentos infantis estarão concentrados no Pronto-Socorro da Universidade Estadual Paulista [UNESP], tornando o atendimento do Sorocabano exclusivo à adultos e pacientes do setor de ortopedia.

Serviço

O Hospital Sorocabano fica na Praça Alexandre Fleming, 11 – Vila dos Lavradores
O horário da entrega das novas instalações é 11h.

Da Subsecretaria Municipal de Comunicação e Informação

Brasil reciclou 91,5% das latas de alumínio produzidas em 2008

Da Agência Brasil

O coordenador da Comissão de Reciclagem da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Henio De Nigola, e o diretor-executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), Renault de Freitas Castro, concedem entrevista sobre a reciclagem de latas de alumínio no Brasil
Brasília - O coordenador da Comissão de Reciclagem da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Henio De Nigola, e o diretor-executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), Renault de Freitas Castro, concedem entrevista sobre a reciclagem de latas de alumínio no Brasil
Brasília - O Brasil reciclou 91,5% das latas de alumínio produzidas para embalagens de bebidas em 2008, um total de 165 mil toneladas de sucata. O índice é menor que o de 2007, quando o país reciclou 96,5% das latas comercializadas no mercado interno.

De acordo com a Associação Brasileira do Alumínio (Abal) e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), a queda se deve à crise econômica, que forçou o aumento dos estoques e reduziu o montante de sucata enviado à indústria para reaproveitamento.

“A lata foi coletada mas não chegou na totalidade à indústria. Os vendedores mantiveram os estoques e só voltaram a vender quando a indústria [que utiliza a sucata, como a siderúrgica] retomou a produção, em março”, afirmou hoje (30) o coordenador da comissão de reciclagem da Abal, Henio De Nicola.

Apesar da queda, o Brasil manteve a liderança mundial de reciclagem de latas de alumínio. A Argentina, segunda colocada, reciclou 90,4% da produção, e o Japão, 87,3%. Nos Estados Unidos, o índice de 2008 foi de 54,2%, mas o volume da produção é muito maior, de 98 bilhões de latas por ano, sete vezes maior que a brasileira, por exemplo.

A reciclagem de latas no país movimentou cerca de R$ 1,6 bilhão em 2008, volume de recursos 11% menor que em 2007. Desse total, R$ 492 milhões foram injetados diretamente na coleta. De acordo com o empresariado, o volume de latas de alumínio coletado em 2008 equivale à geração de pelo menos 184 mil empregos.

Mesmo com os bons resultados para o setor, que apesar da crise mundial cresceu 8,8% em 2008 e espera alcançar 10% este ano, o preço para os catadores, que estão na base da cadeia produtiva, não se recuperou. Na avaliação de De Nicola, da Abal, o problema está nos intermediários, que não repassam os ganhos para quem coleta.

“O valor pago aos catadores hoje ainda está baixo por causa da queda de braço da cadeia produtiva. O preço pago pela indústria não chega ao catador, os vendedores intermediários estão se capitalizando”, avaliou.

Tanto a indústria de produção quanto a de reciclagem de latas apontam a falta de regulamentação como um dos entraves para garantia de sustentabilidade do setor. O diretor executivo da Abralatas, Renault Castro, acredita que a Política Nacional de Resíduos Sólidos, em tramitação no Congresso Nacional, poderá ser um dos instrumentos para definir responsabilidades dos setores público e privado e criar instrumentos sociais de apoio aos catadores.

“O texto que está hoje no Congresso não interfere em nenhum mecanismo de preço, o que é saudável. No caso do alumínio, inclusive, nem é necessária interferência, mas o governo pode contribuir com políticas para apoiar com equipamentos, crédito, formação”, apontou.

Blog Espaço do Bem muda layout

O blog Espaço do Bem, de Botucatu, teve mudanças em seu layout. A intenção é trazer um modelo mais atrativo aos seus leitores. A página começou como um projeto de ação social, depois ganhou cara de noticiário e, agora, volta ao seu modelo original, tratando principalmente de assuntos “do bem”.

O Blog também é o espaço onde o jornalista Cristiano Alves também fala de ações no “Assessoria Um Comunicação” e Jornal Diário da Serra. Daniela Venegas, é a responsável pelo novo layout do Espaço do Bem.

Cineclube Ybitukatu fará mês especial com filmes nacionais

O cineclube Ybitukatu comemora um ano de atividades e para festejar, a entidade desenvolverá, durante o mês de outubro, uma programação especial, voltada ao cinema nacional, com algumas sessões acompanhadas de palestras e debates sobre a história e movimentos cinematográficos.

Confira a agenda: dia 3: O Pagador de Promessas (Anselmo Duarte, 1962); dia 10: Assalto ao Trem Pagador (Roberto Farias, 1962), dia 17: Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967), dia 24: O Bandido da Luz Vermelha (Rogério Sganzerla, 1968) e no dia 31: Vidas Secas (Nelson Pereira dos Santos, 1963.

As sessões acontecem no Centro Cultural de Botucatu, na Praça XV de Novembro, nº 30. A entrada é franca, mas os participantes podem colaborar com o Asilo Padre Euclides doando um quilo de alimento não perecível, antes das sessões.

Horário de verão começa dia 18 de outubro e vai até 20 de fevereiro de 2010

Da Agência Brasil

O horário de verão este ano começará à zero hora do próximo dia 18 de outubro, quando os relógios deverão ser adiantados em uma hora. Serão 126 dias até a meia-noite de 20 fevereiro de 2010, segundo informou hoje (30) o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O governo federal estima que a economia de energia chegará a 5% nos horários de pico de consumo.

A medida foi criada para amenizar as frequentes faltas de energia em diversas regiões do país durante o verão e, assim, aumentar a segurança do sistema elétrico. Os críticos do horário de verão salientam que a medida é desnecessária, porque os reservatórios das principais usinas hidrelétricas estão cheios e garantem o fornecimento sem problemas.

Segundo o governo, a economia de energia nas regiões Centro-Oeste e Sudeste está estimada em 1.800 megawatts, enquanto a Região Sul deverá ter uma redução no consumo de 500 megawatts. O horário de verão vai vigorar em estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, além do Distrito Federal.