maio 21, 2009

Oscar Filho fala sobre carreira e televisão em entrevista

Renato Fernandes

No sábado (23), o humorista Oscar Filho, repórter do programa CQC (Rede Bandeirantes), apresenta a comédia “Putz Grill”, às 20h30, no Colégio La Salle.

“Putz Grill” faz o gênero estilo ‘stand-up’, ou seja: comediante e microfone, com um repertório onde há besteiro, tiradas sobre políticos, fatos do cotidiano do humorista, além de piadas com situações da própria televisão brasileira.

Assim como a proposta do programa CQC, a comédia se apóia no humor crítico. Chamado jornalismo humorístico, que se mostra funcional e adequado ao que se entende por “piada inteligente” na atualidade.

Em entrevista ao O Grito Notícias / Diário da Serra, o humorista falou sobre a carreira, relação entre palco e televisão e seu cotidiano.

Confira os principais trechos da entrevista:

O Grito - Como conciliar o trabalho na Tv com o teatro?
Oscar Filho - Tenho uma produtora que cuida da minha agenda, então tudo é passado para o CQC, que dá ou não a liberação das datas, por isso acabo fazendo menos shows do que eu gostaria, mas faz parte, né?

O Grito - Comparações entre os programas CQC e Pânico incomodam?
Oscar Filho - Não me incomodam nem um pouco, acho que cada programa tem sua linguagem, e a comparação é inevitável porque eles entrevistam artistas e celebridades também, mas não acho que sejam parecidos, são dois formatos completamente diferentes, que têm em comum o humor.

O Grito - Quando você descobriu que era engraçado?
Oscar Filho - Putz, sei lá, nem me acho tão engraçadinho assim, acho que fui descobrindo que gostava de falar pra todos o que eu pensava, e sempre achava uma forma mais "irônica" pra me comunicar, e assim trabalhando, as coisas foram acontecendo.

O Grito - A comédia Stand Up é um gênero consagrado nos Estados Unidos e que tem ganhado espaço no Brasil. Qual o segredo para conseguir manter a atenção do público, se apoiando apenas no repertório?
Oscar Filho - Segredo? Acho que não há uma fórmula, é como quando um palestrante vai falar para uma auditório lotado, alguns conseguem prender a atenção, outros não. Tem a ver com o como você fala. No caso do ‘stand-up’ o texto é fundamental, mas o como você se expressa e o quanto você também se diverte com aquilo, acredito serem até mais importante.

O Grito - No seu trabalho, qual foi o momento mais constrangedor enfrentado?
Oscar Filho - Nossa, mais constrangedor? Sempre passamos por diversas situações... Às vezes é uma entrevista que você tenta fazer e leva uma "patada" do entrevistado, ou errar alguma informação importante. No palco quando esqueço algum texto é bem constrangedor, ou quando falha microfone, acaba a luz. Tudo isso já aconteceu.

O Grito - Afinal de contas: Por que Pequeno Pônei?
Oscar Filho - Esse título eu devo ao Marcelo Taz. Tem um personagem do Caco Galhardo chamado Pequeno Ponei que usa o fato de ser fofo pra conseguir o que quer. Ele fuma, bebe, completamente politicamente incorreto. Só que como os caras do CQC são gigantes e eu tenho uma altura normal, ficou como se eu fosse o anão de lá, hehe.

O Grito - Alguma das cantadas que você aplica nas mulheres que entrevista dão efeito, já funcionou de verdade?
Oscar Filho - Eu sou um cara muito tranquilo em relação a isso. Não fico cantando as meninas por aí, sou um cara muito sério. Isso se dá ao fato de ser muito responsável, por ter 7 filhos não reconhecidos espalhados por esse Brasil.

O Grito - A comédia que veremos em Botucatu é presa em marcações ou trabalha a espontaneidade e improviso?
Oscar Filho - Não tenho marcações. Tenho sim o meu roteiro, o que quero falar, mas sempre existe o improviso, coisas novas que acontecem, informações sobre a cidade, etc. Cada apresentação que faço é diferente. Graças a Deus!!

O Grito - Qual a repercussão do programa CQC em sua vida?
Oscar Filho - Representa muito, é uma conquista da qual tenho muito orgulho de viver. Está sendo ótimo conviver com todos os profissionais que formam o programa e trabalhar na tevê é algo ainda novo pra mim.

O Grito - Ao longo dos anos percebemos que o humor de hoje, não serve para amanhã e que a reciclagem e fundamental para a manutenção do sucesso. Como lidar com isso, você acredita que o programa CQC é uma revolução no humor? Qual o segredo do sucesso?
Oscar Filho - Acho que o CQC uniu muitas coisas em um só programa: novos humoristas, novas técnicas de arte, novas maneiras de abordagem, de temas sérios e também de temas já engraçados por si só...Enfim, acredito muito no formato do programa e estou feliz por fazer parte disso.
Quero convidar a todos para irem ao meu show. Estou muito contente por apresentar em Botucatu e quero que as pessoas saiam completamente satisfeitas do teatro.

Serviço - Ingressos para a presetnação em Botucatu na banca de jornais do Paratodos, loja Dalu e restaurante Mandacaru.
Preços: R$30 (antecipados), R$40 (meia) e R$20 (meia).
Informações: (14)3879-0350

Concurso vai eleger a melhor pizza de Botucatu

A ACE / CDL – Associação Comercial e Empresarial / Câmara de Dirigentes Lojistas de Botucatu, estão preparando o um concurso que irá eleger a melhor pizza da cidade.

Segundo o diretor social da CDL, Gustavo Aguiar, as inscrições serão abertas em junho, e o regulamento deverá ser divulgado em breve.
“O concurso se estende para todas as pizzarias regularmente inscritas na Prefeitura Municipal e órgãos competentes ( Vigilância Sanitária). Não existe a necessidade das pizzarias serem filiadas a CDL”, explica Aguiar.

A meta é eleger as quatro melhores pizzas da cidade, através da votação de uma banca examinadora, formada por personalidades convidadas pela diretoria executiva da entidade.

As inscrições serão abertas em breve na sede da CDL, na Rua Curuzu. “Só serão validadas as inscrições que estiverem de acordo com as regras do concurso que estaremos divulgando em breve”, disse Aguiar.

“Estenderemos até o final do ano, também para os barzinhos com o Concurso do Melhor Petisco. Nosso objetivo é motivar todos empresários do seguimento com criatividade e novidades, e em conseqüência aquecer o comércio local com a divulgação dos vencedores”, completa o diretor.

Circuito Cultural SESI apresenta primeiro espetáculo em Botucatu

Espetáculos com qualidade e gratuitos integram o Circuito Cultural SESI, que percorre centenas de cidades oferecendo números musicais e teatrais escolhidos por um seleto grupo de jurados.

Após inúmeras tentativas de trazer o Circuito para Botucatu, finalmente, por meio de uma parceria inédita com a Secretaria Municipal de Cultura, o diretor do SESI de Botucatu, João Valter Romero, firmou convênio com a Mostra. “ O que impedia era que não tínhamos um local adequado para as apresentações, com a parceria vamos exibir os espetáculos no Teatro Municipal”, explica o diretor.

Em 2009 serão 10 exibições pelo Circuito, sendo a primeira nesta quinta-feira, 22, quando se apresenta a Companhia de Teatro Coreográfico PULTS com a peça Índice dos Primeiros Versos. Marcelo Bucoff assina a direção e coreografia da montagem, que conta com quatro bailarinas profissionais e mais três aprendizes selecionados em oficinas realizadas durante o processo de criação do espetáculo.

As indagações sobre a relação entre arte e o mundo real, o universo e a natureza humana são alguns dos temas centrais da montagem, que traz imagens impactantes e movimentos sutis. O universo feminino também é um dos nortes de criação. 'Como o elenco é composto por mulheres, trazer a feminilidade para a construção dos movimentos foi inevitável. Mas além da delicadeza, a força da mulher também está presente, seja na luta pela sobrevivência ou no jogo diário da vida', afirma o coreógrafo.

Indice dos Primeiros Versos
22 de maio 20h30
Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci
Pça Cel Moura, 27
[14] 3882-9004


Subsecretaria Municipal de Comunicação e Informação

ABR.3 toca em Itatinga nesta sexta

Grupo vai apresentar musicas do novo CD que será lançado em breve


Quem curte um pop-rock de ótima qualidade não pode deixar de conferir nesta sexta-feira, dia 22, em Itatinga, o show da banda ABR.3. A apresentação, marcada para às 22 horas, promete agitar o público que comparecer ao Centro Integrado de Educação, Esporte e Lazer, o Cieel.

Pedro Langona (vocal e guitarra), André Nascimento (batera) e Rafale Basso (baixo) vão participar do "Conecitions Fest”, que vai contar ainda com os DJs Lucas e Japs Sakaniwa. O Cieel fica à Avenida São Bernardo, 315. Ingressos a venda pelos telefones 9725-1883 e 9682-6083.

Pré-venda – Apesar de ainda não ser lançado oficialmente o novo CD da ABR.3 já está disponível para pré-venda nos sites da livraria Saraiva (http://www.livrariasaraiva.com.br), som Livre (http://www.somlivre.com), Submarino (http://www.submarino.com.br), Videolar (www.videolar.com) e Fnac (http://www.fnac.com.br).

Para conferir a agenda de shows, as notícias ou fazer parte do fã clube do ABR.3 acesse www.abr3.com.br.

Powered by ScribeFire.

Combate aéreo a vetores de doenças em debate no Aeroagro

O III Congresso Brasileiro da Ciência Aeroagrícola que acontece nesta semana em Botucatu promove, na tarde do dia 22, um debate sobre o uso da aviação como instrumento de combate aos vetores de doenças, como a dengue e a febre amarela.

O uso da aplicação aérea com esta finalidade já foi feito no Brasil nas décadas de 70 e 80 e ainda é utilizada em países como os Estados Unidos, o Canadá e a África do Sul. No entanto, atualmente, a aplicação aérea não está entre as práticas de combate a vetores previstas pelo Ministério da Saúde.

Recentemente, o pesquisador Marcos Vilela Monteiro, do Centro Brasileiro de Bioaeronáutica, validou a retomada da técnica numa pesquisa junto à Superintendência de Controle de Endemias (Sucen). Entretanto, ainda não há uma liberação do Ministério da Saúde para que a aplicação aérea possa estar entre as práticas realizadas no país.

O evento vai contar com a participação do próprio Vilela, além de dirigentes e profissionais da área da saúde para discutir a possível retomada da técnica de aplicação aérea. “O processo, o tipo de produto aplicado e os riscos são os mesmos apresentados pelas outras técnicas. A vantagem é a rapidez, pois o avião cobre áreas muito maiores de uma só vez”, explica o professor Ulisses Antuniassi, coordenador dos eventos. “Como vivenciamos intensamente a questão da dengue e da febre amarela, queremos utilizar o evento para ampliar essa discussão em termos técnicos, políticos e científicos”.

O III Congresso Brasileiro da Ciência Aeroagrícola é uma promoção do Núcleo de Tecnologia Aeroagrícola da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp (FCA), Prefeitura Municipal de Botucatu e Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais e acontece no Aeroporto de Botucatu até no sábado dia 23.

Mais informações sobre a programação no sites www.aerofogo.com.br e www.aeroagro.com.br .

Assessoria de Imprensa - Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp de Botucatu - FCA / Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais - FEPAF