maio 11, 2009

As Coisas que Moram nas Coisas



Gênero Ficção
Diretor Bel Bechara, Sandro Serpa
Elenco Gabriel Fantini, Jesser de Souza, Lucas Arruda, Luciana Arruda, Raquel Scotti Hirson, Robson Emílio
Ano 2006
Duração 14 min
Cor Colorido
Bitola 35mm
País Brasil

Enquanto acompanham sua família formada por catadores de lixo, três crianças atribuem novos significados aos objetos descartados pela cidade, inventando brincadeiras e pontos de vista.

Ficha Técnica
Produção Paulo Boccato, Mayra Lucas Fotografia Bel Bechara, Sandro Serpa Roteiro Bel Bechara, Sandro Serpa Direção de Arte Manuela Ferrari Trilha original Lívio Tragtenberg Som João Godoy Edição de som Bel Bechara, Sandro Serpa Câmera Bel Bechara, Sandro Serpa Produção Executiva Bel Bechara, Sandro Serpa Montagem Sandro Serpa

Prêmios
Prêmio Porta Curtas no Festival Internacional de Curtas de São Paulo 2006

Novo vestibular já recebeu a adesão de 25 universidades federais

Da Agência Brasil

Pelo menos 25 das 55 universidades federais vão aderir ao novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em substituição total ou parcial aos seus vestibulares tradicionais, segundo levantamento realizado pela Agência Brasil.

O prazo inicial definido pela Secretaria de Ensino Superior para que as instituições definissem suas adesões terminou ontem (8). Mas o ministro da Educação, Fernando Haddad, disse que as discussões devem se estender até o fim de maio.

Durante o mês de abril, o ministro da Educação participou de diversas reuniões com os reitores das instituições e com o comitê de governança responsável pela criação do novo modelo.

A proposta apresentada pelo MEC no fim de março era de que o Enem substituísse os vestibulares em todas as universidades federais. Como as instituições têm autonomia para organizar seus processo seletivos, o projeto foi levado à comunidade acadêmica e aos conselhos. Muitas universidades continuam debatendo a proposta e ainda não têm um posicionamento.

Numa reunião com os governadores do Nordeste, Haddad disse que o número de universidades que já aderiram ao novo vestibular superou a previsão inicial do MEC. O ministério apresentou quatro opções de adesão às instituições. Elas poderão utilizar o Enem como prova única; como uma primeira fase, ficando a segunda à cargo da instituição; combinando a nota do Enem à do vestibular tradicional ou para seleção de estudantes para vagas remanescentes.

As provas do novo Enem estão marcadas para 3 e 4 de outubro. Os estudantes que quiserem se candidatar às vagas de uma das instituições participantes devem necessariamente participar do exame. Os prazos de inscrição ainda não foram divulgados pelo MEC.

Confira a lista das universidades que já confirmaram a adsão:

1. Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (FCSPA)

2. Universidade Federal do Pampa (Unipampa)

3. Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

4. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

5. Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

6. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

7. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

8. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

9. Universidade Federal Fluminense (UFF)

10.Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

11. Universidade Federal do ABC (UFABC)

12. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

13. Universidade Federal de Alfenas (Unifal)

14. Universidade Federal de Itajubá(Unifei)

15. Universidade Federal de Uberlância (UFU)

16. Universidade Federal de Lavras (UFLA)

17. Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ)

18. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)

19. Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

20. Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)

21. Universidade Federal do Piauí (UFPI)

22. Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

23. Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

24. Universidade Federal da Bahia (UFBA)

25. Universidade Federal do Amazonas(UFAM)

Japão volta atrás e trabalhadores brasileiros poderão voltar ao país

Após crítica pública do ministro Carlos Lupi, prazo para permissão de retorno ao país, antes indeterminado, agora será de no máximo três anos

O governo japonês voltou atrás e anunciou nesta segunda-feira medida que permitirá que os imigrantes brasileiros demitidos naquele país possam retornar ao Japão após no máximo três anos. Até então, a iniciativa do governo japonês em oferecer ajuda financeira aos trabalhadores brasileiros demitidos no Japão estava condicionada ao impedimento de voltarem ao país por tempo indeterminado.

"Esta ação do Governo Japonês demonstra a sensibilidade daquela nação com os brasileiros, que vivem, trabalham e constituíram família lá. Esta medida é fundamental para a manutenção dos laços irmãos entre Brasil e Japão", disse nesta segunda-feira o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, que já havia feito uma crítica formal sobre a indefinição do prazo.

No dia 27 de abril, Lupi entregou carta de protesto ao embaixador japonês no Brasil, Ken Shimanouchi, relatando a surpresa do governo brasileiro pela iniciativa do Japão, tendo em vista o histórico migratório entre os dois países. Também foi solicitada apoio da comunidade Nipo-Brasileira para que a decisão fosse revista pelo governo japonês.

"Não é justo que brasileiros que ajudaram durante todos esses anos na construção de um Japão forte e soberano sejam tratados dessa maneira. Os trabalhadores não são materiais descartáveis que, quando não servem mais, são devolvidos ao Brasil apenas com a passagem de retorno, não levando em consideração as pessoas que constituíram famílias por lá. Entendemos a medida do governo japonês de não permitir o retorno por tempo indeterminado como uma decisão discriminatória, que não faz parte das excelentes relações históricas entre os dois países", argumentou Lupi, na ocasião.

Medidas - No último dia 6, o Ministério do Trabalho e Emprego aprovou as medidas recomendadas pelo Conselho Nacional de Imigração (CNIg) para proteção brasileiros no exterior que estejam ou não retornando ao Brasil. Entre as medidas está a criação de mecanismos para que brasileiros moradores no exterior tenham fácil acesso ao saldo e ao saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no Brasil.

Foi criada uma comissão de consultas bilaterais entre Brasil e Japão para o tema trabalho e migrações laborais, que será efetuada pelos canais diplomáticos competentes entre as chancelarias de ambos os países. O objetivo é o acompanhamento permanente do movimento migratório entre Brasil e Japão, de forma que aqueles que decidam migrar ou retornar, o façam de forma ordenada e protegida.

Há também a expectativa de implantação da Casa do Trabalhador no Japão ainda no segundo semestre de 2009; o controle do trabalho das agências de recrutamento de mão-de-obra brasileira para o exterior; e a implementação de cursos de qualificação específicos para os retornados do exterior. Tais medidas devem alcançar brasileiros emigrantes, especialmente os residentes no Japão e os que estiverem em processo de retorno ao Brasil.

O projeto "Casa do Trabalhador Brasileiro", terá a sua primeira unidade no exterior na cidade de Hamamatsu, no Japão. Desenvolvida em parceria entre o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério das Relações Exteriores, a casa será uma referência de apoio e orientação aos trabalhadores brasileiros no Japão.

As medidas anunciadas atendem brasileiros em todos os países e não estão restritas à comunidade Nipo-Brasileira. Algumas ações específicas no Japão são necessárias por ser o país que mais concentra brasileiros emigrantes e por ser um dos países mais atingidos pela crise econômica internacional.

Dekassegues - A situação dos brasileiros no Japão tem sido debatida pelo Conselho Nacional de Imigração (CNIg). Todo o cenário que envolve brasileiros no exterior tem sido observado de perto pelo Grupo de Acompanhamento do Contexto Internacional e os reflexos nas Políticas Migratórias, desde fevereiro, quando foi criado pelo CNIg, e durante a segunda reunião para discutir a situação dos brasileiros/as emigrantes ao Japão, realizada em março.

Desemprego no Japão - De acordo com a embaixada do Japão no Brasil, estima-se que em 2008 o Produto Interno Bruto Japonês registrou queda de 12,1% em relação a 2007, pior resultado dos últimos 34 anos. Em dezembro de 2008 o país tinha cerca de 2,7 milhões de desempregados, alta de 8,2% em relação a dezembro de 2007.

Para amenizar os efeitos da crise mundial e o agravamento da situação dos estrangeiros residentes no Japão, o governo japonês divulgou em 30 de janeiro uma série de medidas de auxílio aos trabalhadores estrangeiros que vivem no Japão. A iniciativa abrange áreas como educação, emprego, habitação, auxílio no processo de retorno ao país de origem e divulgação mais ampla e facilitada de informações trabalhistas para estrangeiros.

Até dezembro de 2008, havia 317 mil brasileiros no Japão, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores. Desde o agravamento da crise, houve protestos de brasileiros em cidades japonesas.

Assessoria de Imprensa do Ministério do Trabalho e Emprego

FMB realiza mais de 2.800 atendimentos no Ação Global

Voltado para o atendimento à população na saúde, direito, educação e prevenção, a edição 2009 do Ação Global, realizada dia 9 de maio em Botucatu, reuniu mais de 20 mil pessoas, conforme previsão da organização. A Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), integrou a rede de entidades participantes e ofereceu, durante o evento, serviços como exames de pressão arterial (PA), colesterol, glicemia, creatina e IMC (Índice de Massa Corporal) e orientação sobre qualidade de vida.

A participação da entidade envolveu estudantes do curso de Enfermagem e o Serviço de Nefrologia do HC (Hospital das Clínicas), além da OPO (Organização de Procura de Órgãos) e Hemocentro, ambos com divulgação de serviços prestados.

Durante o evento, a OPO (Organização de Procura por Órgãos), representada por Paulo Alencar Pompiani, divulgou aos presentes sobre a existência da unidade, vinculada ao Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), além de pesquisa para que as pessoas assinalassem se conheciam ou não o órgão. A entidade teve o apoio do superintendente de integração do Sesi, José Felício Castelhano. A estimativa é que 620 pessoas tenham passado pelo estande da OPO.

O Serviço de Nefrologia do HC, que teve como representantes docentes e alunos do Departamento de Clínica Médica, atendeu mais de 500 pessoas com informações sobre as Doenças Renais Crônicas. As Ligas Acadêmicas Estudantis também prestaram orientações de saúde à população.

No entanto, um dos estandes mais procurados do evento foi o coordenado pelo Departamento de Enfermagem da FMB. Mais de 1.700 pessoas receberam, no local, diversos serviços como exames de Pressão Arterial, colesterol e glicemia. Os casos onde eram constatadas alterações foram encaminhados para orientação médica e nutricional.

Segundo a responsável pela Enfermagem no Ação Global, professora Sílvia Maria Caldeira, as atividades desenvolvidas pela FMB proporcionaram aos alunos experiência em prática de atendimento à população, além de aproximar os serviços oferecidos pelo HC à população. “Essa experiência foi rica para os alunos em aprendizado para o atendimento ao público e prestação de serviços. A população ainda carece de informação para melhoria da qualidade de vida”, frisou a docente.

Flávio Fogueral
Jornal da FMB