novembro 07, 2008

Medicina é o curso mais procurado da Fuvest

A Fuvest publicou na sexta-feira (07/11) o balanço dos inscritos no vestibular de 2009, e de acordo com análise no banco de dados chegou-se à conclusão de que o curso de medicina continua sendo o mais procurado.

Segundo informações da própria Fuvest, divulgadas através do site oficial da instituição, a procura teve uma queda de 2%, passando de 140.999 candidatos do último vestibular para 138.242. Já a demanda absoluta para o curso de medicina repetiu a tendência de anos anteriores sendo a maior, com 13.379 candidatos.

Em 2007, o mesmo curso foi indicado por 12.973 interessados. A relação candidato/vaga revela ainda que a concorrência para a profissão de Oficial da Polícia Militar sofreu um aumento de 26,93 em 2008 para 74,37 em 2009. O número de vagas caiu de 150 para 35.

A divulgação dos locais de exame da primeira fase acontecerá no dia 17 e a prova vai ocorrer no dia 23.

Deputados querem incluir a informática no currículo escolar

A Câmara dos Deputados analisa o projeto de lei que inclui a disciplina de informática no currículos dos cursos fundamental e básico das esolas públicas do país.
O projeto, assinado pela deputada Sueli Vidigal (PDT), propõe a implementação respeitando a carga horária e os níveis de cada curso e série.

A proposta está de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que estabelece que os currículos dessas redes necessitam de uma base nacional comum e complementada, seguindo preceitos de cada estado e escola, considerando uma grade diversificada, compatível com características regionais e locais.
Antecedentes
A Câmara já analisou outros 13 projetos com o mesmo objetivo desde 1993. Nenhum deles foi aprovado. De acordo com súmula da Comissão de Educação e Cultura, o relator de projeto de lei sobre mudança curricular deverá recomendar a rejeição da proposta e sugerir a sua transformação em indicação ao Poder Executivo, a quem compete alterar currículos.
Com informações da Agência Câmara

Centro Paula Souza promove qualificação na Fundação Casa

O Centro Paula Souza firmou parceria com a Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT) e a Fundação Casa para oferecer diversos cursos de qualificação profissional para adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. Cerca de 4.200 menores e 420 funcionários de 29 unidades de internação vão ter a oportunidade de aprender uma profissão.

Nove Escolas Técnicas (Etecs) estaduais estão envolvidas no projeto, que vai contribuir para a ressocialização dos adolescentes. "Mais do que atender ao Estatudo da Criança e do Adolescente, nossa missão é aprimorar o cidadão na sua volta ao convívio social e no resgate de sua cidadania", afirma Clara Maria Magalhães, gestora da qualificação pelo Centro Paula Souza.

O projeto abrange 13 cidades: Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Iaras, Lins, Marília, Mogi Mirim, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Sertãozinho, e Sorocaba.

Confira os cursos:

Alimentação: lancheteria, chapeiro, panificação artesanal, salgados
Casa e Construção: colocação de pisos e azulejos, elétrica, pequenos reparos
Gestão e Serviços: arquivista, auxiliar de almoxarifado, contabilidade básica, corte e costura, customização de roupas, jardinagem, operador de Telemarketing, pintura de faixas e cartazes, recepção e atendimento
Hotelaria: garçom, recepção de hotel
Informática: informática básica, manutenção e montagem de microcomputadores

Sobre o Centro Paula Souza

Autarquia do Governo do Estado de São Paulo ligada à Secretaria de Desenvolvimento, o Centro Paula Souza administra Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais em mais de 160 cidades paulistas. As Etecs atendem mais de 120 mil estudantes, no Ensino Médio e no Ensino Técnico, para os setores Industrial, Agropecuário e de Serviços. Nas Fatecs, que oferecem cursos superiores de Tecnologia, aproximadamente 28 mil alunos estão matriculados no segundo semestre de 2008.

Unesp incorpora Centro Saúde Escola de Botucatu

Por Renato Fernandes

O Centro de Saúde Escola (CSE) de Botucatu – Interior de São Paulo, foi incorporado pela Faculdade de Medicina, oficializando a Unidade Auxiliar Complexa vinculada à Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho (Unesp)".

A decisão foi tomado pelo Conselho Universitário, durante reunião realizada no último dia 30 e anunciada pela Assessoria de Comunicação da universidade na tarde de sexta-feira, 7 de novembro. O assunto estava em pauta na reitoria da universidade há pelo menos 5 anos.

O CSE foi fundado há 35 anos, e é considerado uma unidade de referência regional na formação de profissionais em nível primário de atenção à saúde. Atualmente a undiade emprega 88 funcionários, e reponde pelo atendimento de 29 mil pessoas, o equivalente a aproximadamente 20% dos habitantes de Botucatu.

Em 2007, a unidade realizou mais de 200 mil atendimentos, correspondentes a 30% dos atendimentos na atenção básica em do município. Anualmente passa pela undiade, 1.200 alunos de graduação da Faculdade de Medicina.

O Centro de Saúde foi constituído através de convênio entre a antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB) e a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Hoje, seis departamentos da Faculdade de Medicina desenvolvem atividades no CSE: Saúde Pública, Enfermagem, Pediatria, Clínica Médica, Ginecologia e Obstetrícia, Neurologia, Psicologia e Psiquiatria, Educação. Além desses, o Instituto de Biociências de Botucatu realiza, entre outras atividades, o equivalente ao internato em Saúde Pública para alunos do 5º ano no CSE.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Unesp/Botucatu

Fundador do diHITT concede entrevista ao blog O Grito

Pablo Melo se dedica ao diHITT pelo menos oito horas por dia

Por Renato Fernandes

A reportagem do Blog O Grito Notícias, entrevistou via e-mail, o fundador do site Dihitt - uma rede social que já atinge a marca de aproximadamente 50 mil usuários - Pablo Roberto de Melo, 27 anos. Na entrevista ele falou sobre o crescimento do projeto e a respeito da definição do ranking e posicionamento de seus usuários dentro da rede.
Para quem não conhece o diHITT é definido em sua pagina de inscrição da seguinte maneira: “ponto de encontro das pessoas que gostam de saber das últimas notícias; uma espécie de "Orkut" somente para notícias; as notícias são enviadas pelos próprios visitantes; os próprios leitores decidem quais são as notícias mais importantes;
você adiciona seus amigos e sabe o que eles estão lendo/votando em algo conhecido como inteligência coletiva”.
Aos 27 anos, e natural de São Paulo, mas dividindo o tempo entre Massachusetts e New Jersey, Melo explica que mantém uma relação intensa com a internet. “Desde a hora que levanto, até a hora que durmo. Uso para consultar a previsão do tempo antes de sair, para me dar o melhor caminho, evitando o trânsito, no GPS, trabalho em cima dela, para comprar o almoço, para assistir algum seriado, jornal ou filme, para me manter informado. Enfim, tudo que posso otimizar através da Internet, eu tento fazer”.

Confira abaixo a entrevista

O Grito - Como nasceu o DiHITT? De onde surgiu a idéia?
Pablo Melo -
Sou do tipo hiper-ativo. Era viciado no Digg e procurava algo que me desse a mesma experiência, mas em língua portuguesa. Não encontrei nada que atendesse a demanda. Então o fiz.

O Grito - Atualmente onde fica o escritório do DiHITT e quantos membros tem a equipe?
Pablo Melo -
Ainda não tem um escritório físico. Na parte de programação, apenas eu. Design, às vezes peço alguma ajuda para terceiros. Mas todo o resto é a própria comunidade que ajuda a divulgar e a crescer o site.

O Grito - Quantos usuários estão cadastrados no diHITT atualmente? Quando você iniciou o projeto imaginava tamanho sucesso?
Pablo Melo –
Hoje (06 de novembro) completou 44 mil cadastros. Quando iniciei tinha a meta de ter um site com mais conteúdo de qualidade, do que eu poderia ler e trabalhei duro até chegar nesse estágio. Essa foi minha única meta e esperança. Depois disso, a cada dia fiquei mais surpreso com a qualidade da comunidade e contribuição.

O Grito - Como você definiria o diHITT hoje?
Pablo Melo -
O diHITT é um novo conceito de mídia. Onde a rede social é feita com o propósito de facilitar o compartilhamento de notícias e outros textos interessantes. O diHITT é um exemplo de como a Internet pode revolucionar a comunicação, dando uma experiência mais rica e redefinindo os limites entre "palco" e "platéia" quando o assunto é notícia. É como se o jornal ouvisse e crescesse com a participação dos leitores.

O Grito - Manter em ordem um banco de dados com tantas informações não deve ser nada fácil? Qual o segredo?
Pablo Melo –
É Muito difícil. O segredo é ter paciência e dedicação para aprender e lidar com um volume de dados enorme.

O Grito - Um dos diferenciais do Dihitt é que os usuários prezam realmente pela qualidade da informação e na maioria das vezes as notícias não circulam apenas em torno de tecnologia e da blogosfera. Como você conseguiu essa façanha?
Pablo Melo -
Vi que os projetos similares no Brasil, na época, se concentravam nisso. Creio que é uma decisão sábia, se você imaginar que a aceitação e uso de sites do gênero é maior por quem é da área de tecnologia. Mas eu quis fazer diferente. Tentei sempre fazer algo inclusivo. Um pouco de ideologia também fez com que as categorias fossem mais abertas. Quanto mais o diHITT cresce, melhor é para nossa democracia.

O Grito - Recentemente eu acompanhei comentários sobre o ranking e as estatísticas do site. Como é definido esse índice e porque gera tantas polêmicas?
Pablo Melo -
É muito difícil agradar a todos. Algumas pessoas acham que o que elas gostam é o certo e pronto. Ficam descontentes pelos usuários que estão no topo do ranking e ao invés de participarem do processo e subirem, criticam o método. O ranking é feito em cima das atividades dos usuários. Uma notícia popular, por exemplo, ajuda a subir. Um comentário que inicie uma discussão também ajuda. Quanto mais participação de qualidade, mais sobe no ranking, que é 100% automático.

O Grito - Quais as vantagens que o diHITT oferecem aos usuários? O que você aponta como principal diferencial?
Pablo Melo -
Se o diHITT fosse um jornal, seria um jornal onde os jornalistas sentam com os leitores para ouvir a opinião. O diferencial é o nível dos participantes, que contribuem com conteúdo de qualidade e têm um debate saudável. É o clima de um café, onde estão todos trazendo as novidades e conversando a respeito delas. É a notícia interativa. No diHITT você está sempre bem informado. Jamais falta o que ler.


O Grito - Estruturar comunidades de blogs no site não acaba tirando a audiência e acessos dos próprios blogs?
Pablo Melo -
Não. Pelo contrário. A comunidade é uma forma de facilitar que o leitor chegue até o blog. As comunidades ainda terão vários recursos para entrar no ar que vão aumentar ainda mais esse resultado.

O Grito - Acredita que a internet possa substituir o jornal, livro e revistas impressos?
Pablo Melo -
Jornal e revista sim. Livros, creio que não, a Internet facilita o uso de por exemplo, o Kindle, que você tem milhares de livros para comprar, esteja onde estiver. As revistas serão as primeiras a acabar, porque custam muito caro para fazer e tem um espaço limitado. Além de estarem sempre atrasadas. Jornal vai ter que ser mais opinativo e cair para a linha editorial das revistas, afinal, informação que sai impressa sai atrasada.

O Grito - Democratizar a informação através de votos e não por link. Será que esse conceito pode vir a substituir o Pagerank? Já que assistimos o Google lançando uma versão beta com esse tipo de análise.
Pablo Melo -
Cada um tem seu nicho. O ideal é um sistema híbrido. Um link é um voto, mas um voto não pode pesar como um link. Mas...votem nas notícias do diHITT que ajuda no Pagerank.

O Grito - O Dihitt já está ganhando o mercado internacional? Essa é uma pretensão?
Pablo Melo -
Ainda há muito para ser finalizado antes de internacionalizar. O mercado de língua portuguesa mal se familiarizou. Acontece que cada país tem uma cultura e não é a parte técnica que faz as coisas acontecerem, são as pessoas certas.

O Grito - Em qual região do país se concentra a maior parte dos "Dihittianos"?
Pablo Melo -
É bem espalhado e de acordo com as populações de cada área, com o nordeste tendo um maior número de usuários ativos em comparação com outras áreas. 10% não está no Brasil, mas em Portugal e nossos amigos portugueses são bem participantes também.

O Grito - Através do site consegui colocar uma matéria em primeiro lugar do Google. Isso é comum?
Pablo Melo -
Muita gente tem me relatado isso, então deve estar sendo comum sim.

O Grito - Quais são os próximos passos dessa rede? O que vocês preparam para o futuro em termos de avanço para os usuários?
Pablo Melo -
Aperfeiçoar as comunidades, otimizar a velocidade, criar uma forma de ajudar os blogs a se rentabilizarem.

O Grito - O sistema ainda apresenta alguns bugs e, em alguns casos lentidão. Por que isso ocorre e como resolver?
Pablo Melo -
Porque algumas áreas crescem mais que outras e consomem mais recursos dos servidores, fazendo com que o apareçam os tais "gargalos". Tenho trabalho para resolver todos os problemas, é uma questão de tempo e paciência (dos usuários) até tudo se resolver.

O Grito - Você se dedica ao Dihitt quantas horas por dia? Levando em conta que a resposta sobre a entrevista foi dada por volta da meia noite e meia, menos de 10 minutos após lhe encaminhar o pedido.
Pablo Melo -
Cerca de 8 horas.

O Grito - Qual o maior obstáculo que o Dihitt enfrenta na atualidade?
Pablo Melo -
Fazer os novos usuários, que não conhecem o conceito, entenderem o funcionamento do site. Afinal, nós nascemos e crescemos com uma idéia de mídia na cabeça. Aquela onde a gente só consome, não interage com ela. Quando a internet começou os jornais foram para ela matendo esse conceito de comunicação. Os blogs estão redefinindo isso e ainda muita gente não entende. O diHITT está além do blog em explicar de forma rápida e clara é a parte mais difícil.

O Grito - O que pode gerar a expulsão de um usuário do Dihitt?
Pablo Melo -
Spam, pornografia fora do "adulto". Antes eu tentava conversar e ensinar. Mas hoje não tenho mais tempo e nem paciência para isso, uma vez que nunca dá certo. Tenho uma tela de administração com um botão que resolve isso bem rápido.

O Grito - Como enfrentar a pedofilia, pornografia e os crimes virtuais em uma rede tão ampla?
Pablo Melo -
Recebo direto denúncias e trato de forma séria, agindo rapidamente. 88 mil olhos enxergam mais do que os meu semi-dois. Se alguém se sentir ofendido, for lesado ou ver algo inapropriado, é convidado a denunciar para que eu possa tomar a devida ação.

48 mil alunos participam de prova que pontua para a Fuvest

A Secretaria de Estado da Educação e a USP realizam neste domingo, 9 de novembro, a partir das 13h (abertura dos portões às 12h30), a prova que pode resultar em pontuação extra aos alunos que participarão do vestibular da Fuvest. Cerca de 48 mil estudantes da rede estadual se inscreveram.

A avaliação dos estudantes será em escolas estaduais de cinco regiões da capital e 44 cidades do Estado. O resultado pode ser revertido em bônus adicional de até 3% na nota da primeira e da segunda fase do vestibular da Fuvest.

Direcionada a estudantes do 3º ano do Ensino Médio que tenham cursado o 1º e o 2º ano em escolas estaduais, a prova será baseada nas propostas curriculares da Secretaria. Terá 50 questões objetivas de múltipla escolha. Os estudantes terão quatro horas para responder e deverão levar RG original e número do CPF. O candidato poderá retirar-se do local de exame somente a partir das 15h.
Estudantes podem ter bônus de 3% na nota do vestibular; total de benefícios pode chegar a 12%
Dependendo do desempenho do estudante, sua nota no vestibular poderá ser multiplicada por um fator que varia de 1,00 a 1,03. Para chegar ao total de acréscimo o aluno deve acertar as 50 questões.

Além da possibilidade de 3% de bônus adicional pelo programa de avaliação, o estudante poderá conseguir até 12% de acréscimo em sua pontuação da 1ª e 2ª fases do vestibular por meio de outras alternativas, determinadas pela USP. Uma delas é o Bônus Universal, pelo qual o aluno que realizou integralmente o Ensino Médio em escolas publicas tem direito a bônus de 3% sobre a nota do vestibular. Há ainda o Bônus Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que garante até 9% a mais na nota ao estudante de escola pública com bom desempenho no Enem.

No início da prova os alunos receberão o caderno de questões e uma folha óptica na qual devem ser anotadas as alternativas julgadas corretas, usando, para isto, caneta esferográfica (azul ou preta). A prova e a folha de respostas serão recolhidas pelo fiscal da sala ao final do exame.


Saiba mais
DATA DA PROVA
9de novembro - domingo
TEMPO DE DURAÇÃO
4 horas
HORÁRIO
12h30 - abertura dos portões e ingresso nas salas de aula
13h - fechamento dos portões e início da prova