novembro 01, 2008

Estrada com potencial turístico vira lixão a céu aberto

Por Renato Fernandes

A estrada rural Geraldo Biral, em Botucatu, está se tornando um depósito de lixo e entulho a céu aberto. O descaso ambiental é notado logo no início da via, com menos de 50 metros das últimas ruas da Cohab 5. As imagens que ilustram essa matéria foram feitas em um mesmo dia, domingo, 25 de outubro.

Mirante que garante visão ao Morro do Peru maculado pelo lixo

Na ocasião a reportagem constatou uma faixa de lixo inconstante ao longo dos primeiros 10 quilômetros de estrada. São materiais diversos, como frutas estragadas, pedaços de eletro-eletrônicos, lixo doméstico e animais mortos. Nesse trecho foram encontrados dois corpos: um cão e uma vaca, ambos em adiantado estado de decomposição, atraindo corvos, moscas e expondo a população ao risco de doenças.

Nem mesmo os mirantes que garantem visão privilegiada para atrativos turísticos utilizados em folders de divulgação da cidade se livram da sujeira. Este é o caso de um dos pontos de observação para o Morro do Peru, que está tomado pelo lixo doméstico.

O problema já foi relatado várias vezes, a última delas há dois meses, quando o cabeleireiro Paulo Ferrari, morador do bairro há mais de 10 anos, apontou o impacto do lixo na nascente do Rio Bocaína, mostrando que o ponto mais afetado pelo depósito clandestino a céu aberto fica a menos de 10 metros de sua nascente. Ponto onde, no domingo, se encontrava uma grande quantidade de melancias e abacaxis apodrecendo.

O mais preocupante é que esse rio também serve de área de diversão para jovens, que buscam suas águas para se refrescarem do calor.

Para aqueles que utilizam a área como depósito de lixo a descarga de material já é rotineira e nem mesmo se inibem com a presença de populares. Na quarta-feira, uma dessas pessoas, dirigindo uma Kombi, não se intimidou com a presença do carro da reportagem, abriu as suas portas e deixou o lixo nas margens da estrada.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Vado Silva, disse à reportagem que providenciará a limpeza da área e que garantirá, em horários estratégicos, a ficalização da área. “Vamos tomar providências para que essa situação se resolva. Vamos fazer o flagrante e aplicar a lei de crimes ambientais”, disse.

Leia também "Varal de lixo hospitalar na Estrada Geraldo Biral"

Imagens de desrespeito há cinco quilômetros do início da estrada


Animais mortos ao longo da via é comun



Lixo se acumula nas margens da via

Lixo se concentra em local onde existe a nascente do Rio Bocaína

Associação Hip-hop prepara espetáculo baseado em Rap

Por Renato Fernandes

Quem passou pela Praça Coronel Moura nas últimas semanas deve ter observado um grupo de jovens grafitando um painel de pano de 9 por 6 metros. Se trata do cenário do espetáculo teatral ‘Manifestação Hip-hop”, baseado no rap, “Durma com os Anjos”.

A apresentação do musical será no dia 30 de novembro, às 20h30, no Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci.

Segundo o B´Boy (dançarino de break), Jonas Santos a produção conta com a participação de aproximadamente 15 elementos da entidade. “Adaptamos a música e alteramos o seu final, que na canção é triste”, disse.

O espetáculo conta a história de um garoto de rua que descobre o hip-hop através de um grupo de dançarinos. Através deste movimento cultural o jovem consegue mudar a sua realidade.

A Associação Hip-hop Botucatu tem utilizado o rap e o break em projetos sociais e na Fundação Casa de Botucatu e Iaras através dos arte-educadores, Jonas Santos, e Everton Nilson Leme, que atualmente colecionam prêmios de dança conquistados em todo o país.

Nomes e marcas longos são problemas

Por Renato Fernandes

Boa parte das marcas de sucesso mundial possuem nomes curtos e foneticamente harmoniosos. Criar sites, blogs, ou produtos cujos nomes possuem mais do que uma palavra, poucos caracteres e garantir a sua propagação é algo difícil. Exemplos de sucesso são o que não faltam, confira algumas marcas de projeção: Omo, Tim, Oi, Claro, Bombril, Sansung, Google, Uol, dentre outros.


Entretanto, isso não quer dizer que não existam exceções, mas como coloquei anteriormente é necessário fonética harmoniosa, como fez a Coca-Cola, Philco Hitachi, Duracell, dentre outras.

As razões para isso é simples, quem trabalha com o idioma diariamente geralmente fica preso à quantidade de caracteres. Uma lauda, por exemplo, são vinte linhas já os títulos são mais difíceis, no jornal em que trabalho por padrão o título tem 30 caracteres.

Imagine o seguinte, tente fazer um título de 30 caracteres valorizando o nome da banda “Canto dos Malditos na Terra do Nunca”, não vai dar. Conclusão: o nome que poderia aparecer em evidência no título acabou indo para o meio da lauda. Agora tente fazer o mesmo com o nome da banda “Beatles”, garanto que você terá várias opções criativas e que atrairão o leitor para o post, ou matéria.

A limitação de caracteres também está na Internet, se você colocar um título muito longo num post as ferramentas para webmaster do Google vai te alaertar sobre isso e conseqüentemente será necessária uma alteração. Sites de redes sociais que agregam links também utilizam a limitação de caracteres, como é o caso do Dihitt, Linkk, e Rec 6, dentre outros.

A sugestão é sempre optar pelo título ou nome curto, caso não seja possível, garanta ao menos a fonética agradável. Quanto mais curto mais fácil de memorizar e se lembrar.