setembro 24, 2008

Municípios terão esforço concentrado para completar imunização contra rubéola

Da Agência Brasil

Os municípios onde a vacinação contra a rubéola ficou aquém do esperado receberão um esforço concentrado durante o mês de outubro para completar a cobertura da população que deve receber a imunização.

A informação foi dada pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, hoje (24), em Brasília, depois do lançamento da campanha nacional para combater o uso inadequado de medicamentos.

“Agora, as secretarias municipais [de saúde] estão partindo para a busca ativa indo para locais de grande circulação de pessoas e captando aquelas que por algum motivo, esquecimento, falta de tempo ou porque não foram bem informadas, não se vacinaram”, afirmou Temporão.




A expectativa do ministro é que com essa ação seja possível atingir 100% da população alvo e, a partir daí, solicitar à Organização Mundial de Saúde (OMS) o certificado de erradicação da rubéola congênita no país.

“Acho que está caminhando. É um esforço gigantesco. São 70 milhões de pessoas [que deveriam receber a vacina] e já vacinamos 60 milhões. Então estou satisfeito. Nós vamos chegar lá. Vamos conseguir alcançar a cobertura adequada e erradicar a rubéola do Brasil”, disse Temporão.

Segundo o ministro, desde o início da campanha nacional de vacinação contra a doença (no dia 9 de agosto) já foi possível imunizar 88% das mulheres e 82% dos homens do público-alvo.

Inicialmente, a campanha tinha término previsto para o dia 12 de setembro em todo o país, mas foi prorrogada por uma semana em vários estados por causa da baixa procura pela imunização.

Projeto reduz o rigor da Lei Seca

O Projeto de Lei 3715/08, do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), modifica novamente o Código de Trânsito Brasileiro (CTB - Lei 9.503/97) em relação aos níveis de tolerância no consumo de álcool pelos motoristas. Segundo o projeto, haverá tolerância de seis decigramas por litro de sangue para a imposição de multa e pontuação na carteira de motorista. Atualmente, o código prevê punição a qualquer consumo de álcool no trânsito (esse dispositivo foi introduzido pela Lei 11.705/08, a chamada Lei Seca).

O projeto considera infração gravíssima os casos em que o motorista ingerir o equivalente a mais de 12 decigramas por litro (além de multa, o motorista terá a carteira suspensa por 12 meses e o veículo será retido até que outra pessoa habilitada possa buscá-lo).

Já a detenção do motorista por 6 meses a 3 anos será aplicada para um nível igual ou superior a 16 decigramas por litro de sangue. Pela lei atual, essa penalidade é aplicada a partir de 6 decigramas.



Experiência internacional
Para o deputado, quem bebe e causa acidentes de trânsito deve ser punido com o máximo rigor. Ele afirma, no entanto, que os estudos não mostram uma correlação entre acidentes e níveis inferiores a 6 decigramas. "Não é aceitável que, com a dureza da lei, se queira inverter os costumes nacionais e transformar todos os cidadãos em abstêmios, consumidores de suco de fruta e refrigerantes", afirma.

O deputado lembra que, na França, a aplicação da tolerância zero ao álcool no trânsito foi debatida no ano passado pelos 42 integrantes do Conselho Nacional de Segurança nas Estradas. Segundo ele, a medida foi rejeitada com base em estudos que demonstram que os acidentes mortais são originados por condutores com taxas de álcool muito elevadas, entre 16 e 30 decigramas.

Fiscalização
Pompeo de Mattos também citou um estudo da toxicologista Vilma Leyton, professora da Faculdade de Medicina da USP, mostrando que, em 2005, 44% dos 3.042 mortos em acidentes de trânsito no estado de São Paulo tinham bebido antes de dirigir e acusavam entre 17 e 24 decigramas de álcool por litro de sangue.

Para Pompeo de Mattos, a recente redução dos índices de acidentes de trânsito não estaria ligada à rigidez da nova lei, mas à intensa fiscalização realizada pelas autoridades logo após a sua vigência.

Da Agência Câmara

Sistema facilita uso de computadores pelos alunos cegos da rede estadual

A Secretaria de Estado da Educação resolveu levar o mundo digital para os cerca de 6,6 mil alunos com problemas visuais que estudam nas escolas estaduais. Aproximadamente cem escolas-referência para atendimento de alunos cegos ou com visão subnormal receberão programa de computador que facilita esse contato.

O novo sistema, chamado Dosvox, utiliza um recurso de voz para possibilitar o acesso aos computadores. O recurso “fala” para o aluno todos os passos do processo de utilização dos equipamentos.

Assessoria Jurídica


Para garantir a qualidade do serviço, a secretaria capacitou professores de 12 Diretorias de Ensino que atuam com alunos portadores de problemas visuais. Os educadores conheceram os recursos oferecidos pelo programa e a melhor forma de utilizar o Dosvox nas escolas.

O projeto é piloto e está sendo instalado em salas de recursos (direcionadas a atividades complementares dos alunos portadores de necessidades especiais) em escolas estaduais de ensino fundamental e médio. O próximo passo é capacitar os profissionais da educação especial de todas as 91 Diretorias de Ensino.

Da Secretaria da Educação

PF discute crimes cibernéticos em conferência internacional

Da Agência Brasil

O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, abre hoje (24), às 9h, no Rio, a Conferência Internacional de Perícias em Crimes Cibernéticos (ICCyber 2008), principal evento da América Latina na área de segurança da informação e tecnologia, voltado para o combate dos crimes cibernéticos e a computação forense.

Durante três dias, especialistas de vários países vão conhecer e discutir novas técnicas para combate ao crime eletrônico. Entre os temas em debate estão a exploração sexual infantil pela internet, projetos de legislação de crimes cibernéticos, além da apresentação de casos que foram alvo de investigação da Polícia Federal.



Policiais da Espanha, Canadá e Estados Unidos vão relatar experiências de seus países. A conferência será realizada no Hotel Windsor Barra, na Barra da Tijuca, no Rio.