junho 07, 2008

Lançamento de selos e carimbo marcam o centenário da Diocese



Luiz Roberto Coelho Gomes (Zulo), organizando os
painéis que integram a exposição sobre o bispado botucatuense


Por Renato Fernandes

Neste sábado, dia 7 de junho, às 15 horas, na Catedral Metropolitana de Botucatu, será lançado o carimbo comemorativo ao Centenário da Diocese Sant’Ana de Botucatu e ao Cinqüentenário da Arquidiocese da cidade. Além do carimbo, o evento ainda apresentará um selo personalizado que também homenageia as datas. As peças filatélicas levam em suas imagens a Catedral Metropolitana de Botucatu. O carimbo será utilizado na Agência Central dos Correios da cidade em todos os objetos postados até 6 de julho de 2008.
Ao todo, o Correios confeccionou a pedido da Diocese cerca de quatro mil selos, que deverão circular em todas as paróquias que a integram.
Após o lançamento na Catedral, acontecerá o lançamento do segundo selo, no CCB - Centro Cultural de Botucatu, por volta das 17 horas. Esse selo apresenta a o Brasão da Diocese e de uma folha filatélica, com os retratos dos sete bispos e quatro arcebispos que atuaram no município, bem como o respectivo período de missão católica.
A solenidade será organizada pelo Departamento de Filatelia do CCB - Centro Cultural de Botucatu e contará ainda com a abertura da exposição sobre o centenário da Arquidiocese, e a projeção de um vídeo raro, mostrando a chegada do 1º arcebispo de Botucatu, Dom Henrique Golland Trindade à cidade, em 1948, e a reexibição do documentário “Memento”, que conta a história de Dom Vicente Zioni, em anos conturbados e de ideologização em Botucatu, incluindo a sua polêmica chegada à cidade.
A mostra permanecerá aberta para visitação até o dia 30 de junho e contará com registros fotográficos e audiovisuais que marcaram esses 100 anos de história.
A Diocese de Botucatu foi criada no dia 07 de junho de 1908 pela Bula “Diocesium nimiam amplitudinem”, do Papa São Pio X, desmembrada da então Diocese de São Paulo, que nesta ocasião passa a ser Arquidiocese, tendo como Dioceses sufragâneas: Botucatu, Campinas, Ribeirão Preto, São Carlos do Pinhal e Taubaté. A Diocese de Botucatu abrangia a metade longitudinal do Estado de São Paulo (Tietê-Paranapanema; Rio Paraná e Oceano Atlântico), a outra metade do estado era dividida entre as quatro Dioceses, sendo que a capital ficou como sede de uma nova Província Eclesiástica.