março 18, 2008

Alcides Nogueira fala sobre sua carreira e revela detalhes da novela Ciranda de Pedra

Alcides Nogueira revelou detalhes
sobre a próxima novela das 18 horas

Por Renato Fernandes
Foto Flávio Fogueral


O escritor botucatuense, Alcides Nogueira Pinto, conquistou com muita luta, garra e determinação, o sonho de escrever novelas e minisséries para a principal emissora de televisão aberta do Brasil, a Rede Globo. Como integrante da equipe de autores, que posiciona o País como um dos maiores exportadores de telenovelas, com louvores pela qualidade das obras, constam produções como: JK (2006); Um Só Coração (2004); As Filhas da Mãe (2001); Força de um Desejo (1999); Torre de Babel (1998); O Amor Está no Ar (1997); A Próxima Vítima (1995); Deus nos Acuda (1992); Rainha da Sucata, (1990); O Salvador da Pátria (1989); Direito de Amar (1987); De Quina pra Lua (1985); Livre Para Voar, (1984); Joana (1984); Caso Verdade (1984). Parte dessa produção ele assina como co-autor ou colaborador.
Confira a entrevista com o escritor.


Quando você percebeu que havia realmente nascido para as letras?
Nasci numa família onde a leitura tinha o mesmo peso que a comida ou a vestimenta. Aprendi a ler sozinho, estimulado por meus pais, e vendo meus irmãos mais velhos, que devoravam livros... Não sei precisar o momento exato em que comecei a escrever... Mas eu era muito pequeno.


Como foi a sua trajetória e luta até chegar à Rede Globo de Televisão?
A televisão entra tarde em minha vida. Não me interessava muito, a não ser alguns programas. Eu gostava mesmo era da literatura, do teatro e do cinema. Comecei fazendo teatro amador no IEECA. Saí de Botucatu e fiquei um bom tempo só como espectador. Via tudo o que podia aqui em São Paulo. Só em 1977 é que escrevi minha primeira peça profissional - "A Farsa da Noiva Bombardeada" - que, em um mês, foi censurada. Eu tinha feito Direito na São Francisco, mas não queria seguir a carreira. Fui parar na publicidade. Passei por algumas agências até, em 1981, chegar no Comercial da Globo, depois de voltar da Europa, onde tinha ido fazer minha especialização em Direito Autoral.. A entrada na Globo coincidiu com a estréia de uma das minhas peças de maior sucesso - "Lua de Cetim" -. Foi quando recebi o primeiro convite para passar para a teledramaturgia, mas não dei muita bola. Em 1983, outra peça minha estourou: "Feliz Ano Velho". Aí, o convite foi refeito e resolvi encarar. Comecei como colaborador do Walter Negrão, com quem aprendi o beabá da telenovela, e a quem serei eternamente grato. Nunca mais parei. Depois de colaborador, fui co-autor e autor-titular. Quando penso nisso tudo, vejo que as peças foram se encaixando. Hoje, gosto muito de escrever para a televisão, apesar de ser uma estiva duríssima. Mas não abandono o teatro.

Até o momento qual foi o seu maior desafio?
No teatro, escrever o "Feliz Ano Velho". Ninguém acreditava que uma peça, baseada em um best-seller, pudesse dar certo. Ficou cinco anos em cartaz e recebeu 28 prêmios, inclusive o Molière, concedido a mim, ao Paulo Betti e ao Marcos Frota. Para a televisão, ter de reduzir drasticamente a novela "As Filhas da Mãe", com o Sílvio de Abreu. Doeu!

Qual foi o seu melhor texto?
Hi, isso é complicado, porque cada texto (tanto para o teatro quanto para a televisão) carrega em si muito do autor. Mas acho que, no palco, atingi minha maturidade com "Pólvora e Poesia", que me deu o segundo Prêmio Shell (o primeiro foi com "Ópera Joyce"). Na televisão, mergulhei de cabeça na novela "Força de um Desejo".

Adaptar uma obra da clássica como Ciranda de Pedra, da Lygia Fagundes Telles, para as 18 horas está te dando prazer?
Muito prazer e muita angústia. Eu adoro o universo da Lygia, a maneira como ela verticaliza o olhar sobre as personagens, o modo como ela monta e desmonta as tramas... Mas, também, é tudo muito difícil, exatamente por conta dessas sutilezas.

A obra lida com elementos pesados, como lesbianismo e suicídio, como trazer isso para a forma leve, que geralmente é tratada as novelas das 18 horas?
Não vi a primeira versão de "Ciranda de Pedra", escrita pelo Teixeira Filho, em 1981. Estava voltando da Europa, tinha que arrumar emprego, estava estreando "Lua de Cetim" etc... Mas sei qeu foi um grande sucesso e, até hoje, as pessoas falam da novela com muito carinho. Por isso faço questão de afirmar, em todas as entrevistas, que não estou fazendo um remake, mas sim uma nova adaptação do livro. Hoje estamos vivendo uma censura tão perversa como nos tempos da ditadura. Essa classificação etária não tem fundamento algum. Por isso, não há como abordar, às 18 horas, o lesbianismo, a impotência, o adultério, a eutanásia, o suicídio... Mas a trama engendrada por Lygia Fagundes Telles estará na telinha, contada de forma mais leve... O livro é muito intimista. Uma novela dura muitos meses. Por isso, tive de criar várias personagens e núcleos, e procurei enfatizar o humor, porque é uma maneira de suavizar os outros temas.

E o nosso conterrâneo, Domingos Meira, será importante para a trama?
Admiro muito o trabalho do Domingos. Já estivemos juntos em "JK", quando ele fez, muito bem, o jornalista Sérgio Sá. Agora, ele será um jovem advogado, Alberto Torquato de Menezes. É um papel importante na trama, pois ele faz parte do escritório de Natércio Silva Prado, um dos protagonistas. E o Domingos poderá mostrar um outro lado artístico, o da comédia. Ele é ótimo! Vai fazer sucesso, sei disso.

Bom Alcides.... Fique à vontade para deixar o seu recado?
Espero que os espectadores, para quem REALMENTE escrevemos, gostem da novela. Ela está sendo armada e produzida com muito carinho e capricho. A Globo está apostando... Mas nada funciona sem a adesão do espectador.

A estréia realmente foi antecipada?
Foi, sim. "Ciranda de Pedra" deveria estrear em junho e, agora, irá ao ar no dia 5 de maio. Isso foi uma loucura! Mas tudo bem... Trabalho é trabalho... E, às vezes, esses desafios são instigantes!


Seletiva definiu representante botucatuense do tênis de mesa nos JORI

Foi realizada na manhã desta terça-feira, 18 de março, a seletiva para definir o representante botucatuense na modalidade de tênis de mesa masculino para os 12º JORI – Jogos Regionais do Idoso. A seletiva aconteceu no Ginásio Municipal de Esportes.
Cinco pessoas, com idade acima de 60 anos se inscreveram, porém apenas três compareceram para a competição. A eliminatória aconteceu através de melhor de três partidas, onde todos se enfrentaram.
O vencedor foi Darci Vieira Pinto, que está muito confiante em sua atuação nos JORI. “O JORI é muito competitivo e conta com atletas muito bons. Mas estou confiante e vou fazer o possível para conseguir uma medalha para Botucatu”, disse o atleta.

A cidade de Botucatu também marcará presença na categoria feminina do tênis de mesa. A representante botucatuense será Vera Alice Rebello.

A 12ª edição dos Jogos Regionais do Idoso acontece em Botucatu, de 9 a 13 de abril, e tem como objetivo promover a integração do idoso na sociedade, além de valorizar e estimular a prática de atividade física como fator de promoção de saúde e bem-estar.

Mais de 50 cidades devem participar da competição, com uma estimativa de cerca de 2 mil pessoas competindo em 13 modalidades esportivas: atletismo, bocha, buraco, coreografia, damas, danças de salão, dominó, tênis de mesa, malha, natação, truco, vôlei e xadrez


Confira os classificados das outras modalidades dos JORI 2008.

Xadrez
- masculino: Mório Hama

- feminino: Íris Nazaretti L. Mezzena

Truco

Antônio Lopes e Renato Contes

Dominó

Ivone Marques dos Santos e Amélia Vicentini

Buraco

Sílvio Batista de Almeida e Amália Lurdes Carvalho

Damas - masculino: Jurandir Bertoli de Souza

- feminino: Ivone Rossi

Malha

Adão Herculano, Sebastião José Francisco e Idalino dos Santos

Natação
- masculino: José Augusto Cardoso (categoria “A”) e Darci Antonio Frederico (categoria “C”)


Não houve inscritos nas categorias “B” (66 a 70 anos) e “D” (acima de 76 anos)


- feminino: Terezinha da Glória Borbes (categoria “A”), Josefa da Fonseca Costa (categoria “B”), Isabel de Lourdes Orpheu (categoria “C”) e Maria Helena M. Ruiz (categoria “D”)
Atletismo
- masculino: Cirilo Ferreira dos Santos (categoria “A”), Octacílio César Nascimento (categoria “B”), José Antônio (categoria “C”) e Givaldo Caetano (categoria “D”)

- feminino: Nair Maria Souza (categoria “A”), Maria Nair Belini (categoria “C”) e Teruko Kawabe (categoria “D”). Não houve participante na categoria “B” (66 a 70 anos)


Os participantes das modalidades bocha, voleibol, coreografia e dança de salão serão definidos até o fim desta semana. Os interessados em preencher as vagas da natação masculina, categorias “B” e “D”, e atletismo feminino, categoria “B”, devem entrar em contato com a professora Mariuza até o fim do mês de março, através do telefone 3815-8295.

II Encontro Regional de Recursos Hídricos termina hoje

Desde segunda-feira, dia 17 de março, O Teatro Municipal “Camillo Fernandez Dinucci” está recebendo o II Encontro Regional de Recursos Hídricos, realizado pela Prefeitura de Botucatu, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. O evento termina nesta quarta-feira.
Aproximadamente 400 pessoas, entre elas o prefeito Antonio Mário Ielo, acompanharam o primeiro dia do evento, que contou com a mesa de abertura, lançamento dos materiais sobre o Rio Lavapés e palestra da coordenadora e responsável pela Escola do Meio Ambiente, Eliana Gabriel, que abordou as atividades e trabalhos desenvolvidos pela instituição.

Nesta terça-feira, o Encontro teve início com a palestra de José Aurélio Boranga, superintendente da Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, esclarecendo as questões que envolvem o Saneamento Ambiental.

Em seguida, Claúdio Vivan, da CATI – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, falou sobre o desenvolvimento do plano de microbacias do Rio Pardo, matas ciliares e fossa séptica. A parte da manhã foi finalizada com Rudival de Jesus dos Santos, da Prefeitura de Itatinga, que comentou sobre a recomposição da mata ciliar no manancial da cidade, através do Projeto FEHIDRO.

Leandro Biral, também da CATI, abriu as atividades na parte da tarde abordando o tema “Recuperação de áreas degradadas ao longo do Rio do Peixe. Na seqüência, o Instituto Jatobás levantou o assunto “A educação ambiental com professores da rede pública de ensino na recuperação do Rio Pardo”.

Após a atividade cultural, o segundo dia do evento foi encerrado com as palestras “Trilhas e Entre Rios”, dos estagiários da ONG Itapoty, “Botucatu – Projeto Gigante Guarani”, do Instituto Giramundo Mutuando e “Ribeirão Tanquinho Vivo”, com Juliana Greise, da SOS Cuesta.

O II Encontro Regional de Recursos Hídricos tem por objetivo abrir uma discussão sobre assuntos relacionados com a recuperação de áreas degradadas e temas que abordem a educação ambiental, e conta com o apoio da Unesp, CATI, CHB-SMT/CETESB, Fundação Florestal e Sabesp.


Confira abaixo a programação desta quarta-feira, 19 de março, último dia do evento.

9h30 – palestra: “Gestão dos Recursos Hídricos nos Comitês de Bacias Hidrográficas”, com Jussara de Lima Carvalho(CBH-MT CETESB)

10h30 – palestra: “Água no século XXI: perspectivas sobre seu uso, escassez e o desafio à sua universalização”, com o jornalista Washington Novaes, da TV Cultura

14 horas – mesa-redonda: “Água, floresta e os desafios da conservação”

Convidados: Wado Silva ( secretário do Meio Ambiente de Botucatu), Silvio Nagy (Unesp Botucatu/FCA), Dr. Mário Sérgio Rodrigues (engenheiro agrônomo/Fundação Florestal) e Washington Novaes (TV Cultura).

Cidades iniciam campanhas contra a corrupção nas eleições municipais

Diferentes iniciativas da sociedade civil buscam combater a corrupção nas eleições deste ano e a conscientização dos eleitores sobre a importância do voto. Boa parte das atividades fazem parte do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), formado por entidades sociais e religiosas e de âmbito nacional.
Em Bertioga, no litoral de São Paulo, entidades e empresas estão promovendo um abaixo-assinado para obter ampla divulgação na imprensa local da Lei 9840, de iniciativa popular, aprovada em 1999. As entidades querem conscientizar a população de que, conforme a lei, fraudes, compra de votos, aliciamento de eleitores e outros casos de corrupção eleitoral podem ser denunciados aos comitês regionais do Movimento.
O Programa de Cidadania Eleitoral Amigos do Guarujá, proposta pela Amigos Associados de Ribeirão Bonito (Amarribo), Instituto Brasil Verdade e Movimento Voto Consciente, conseguiu a adesão de 34 entidades da cidade. O objetivo é tornar o eleitor mais consciente com relação ao voto e, com isso, melhorar a gestão dos recursos públicos e a vida da comunidade.
O programa no Guarujá tem várias etapas e inclui a realização de debates, palestras e oficinas, a distribuição de livros e cartilhas educativos, a veiculação de campanha na mídia sobre a importância do voto consciente, a criação de um site na internet sobre a situação da gestão pública na cidade e a criação de um Núcleo do Voto Consciente. A campanha inclui ainda a proposta para proprietários de imóveis de lazer para transferirem seus títulos eleitorais para o Guarujá, a fim de poderem participar das decisões sobre o uso dos recursos.
A cidades de Marília, Brotas e Cosmópolis, no interior do Estado, iniciaram as atividades das Caravanas "Todos Contra a Corrupção", de 2008.
A Caravana é realizada desde 2005 e já visitou 36 cidades em 7 estados do Brasil. As Caravanas visam conscientizar cidadãos e autoridades sobre a importância da transparência na administração pública para prevenir a corrupção e fortalecer as ONGs locais de controle social. Nas atividades há a participação de voluntários de vários órgãos associados ao IFC, integrantes da Amarribo, auditores voluntários do CGU e do SUS.

PT de Botucatu realiza Encontro de Mulheres

Da assessoria do PT Botucatu

O Partido dos Trabalhadores, através da Secretaria das Mulheres, realizou no último sábado, 15 de março, o “I Encontro de Mulheres do PT de Botucatu”. Maria do Socorro Figueiredo, Secretária das Mulheres do PT, abriu o evento e abordou temas relacionados à construção do Partido, do papel da Secretaria de Mulheres e de sua estrutura, que atualmente é formada pela secretária e um coletivo de 20 mulheres, titulares e suplentes. “O papel desse Coletivo é estabelecer ponte dentro do próprio Partido, junto às organizações da Sociedade, com o Governo e com a Câmara de Vereadores, dando sua contribuição no fortalecimento e organização das mulheres para defender os direitos já conquistados; ampliar as conquistas e participar efetivamente dos espaços de poder. Deverá também, trazer demandas para o partido, principalmente deste segmento, para debates e apresentação de propostas junto às instâncias deliberativas, de resolução, de execução e de organização, como Núcleos, Setoriais, Conselhos, Movimentos, Partidos, Sindicatos, Associações e Cooperativas. Caberá ainda ao coletivo apresentar propostas para elaboração do Programa de Governo e participar ativamente das eleições. Com isso, a Secretaria de Mulheres estará participando na definição e aprimoramento de políticas que o PT defende e defenderá junto à sociedade. Socorro ainda defendeu que devemos levar em consideração as prioridades eleitas nas Conferências Nacional, Estadual e Municipal de Políticas para as Mulheres. Foi deliberado pelo Encontro, que as reuniões do Coletivo de Mulheres do PT, ocorrerá quinzenalmente, aos sábados, a partir das 16 horas. Durante o encontro foi eleito o I Coletivo de mulheres do PT de Botucatu: Ana Maria S. D'Arcadia, Selma Regina Gonçalves, Adriana Cristina Pires; Maria Aparecida Tobias Lyra, Regina Littério de Bastos Ferrari, Roseli Antunes Ielo, Márcia Penteado, Dora Martins dos Santos, Josiane Franco Vieira, Sheila Adriana de Jesus. Suplentes: Zeni Leme de M. Góes, Nadir Antunes, Elaine Aparecida S. Bastazini e Maria Ivanilde F. Neves dos Anjos. A próxima reunião ocorrerá dia 05 de abril, das 16h00 às 18h00, nasede do Partido dos Trabalhadores, na Rua Amando de Barros, 1070, em Botucatu. O principal ponto de pauta será: "A Participação das Mulheres na Chapa de Vereadores do PT em 2008". O I Encontro de Mulheres do PT ocorreu em clima de respeito, cordialidade e intensos debates entre as participantes e contou com a presença de mais de 20(vinte) mulheres , dentre elas, Selma Regina da Silva Gonçalves, secretária de Movimentos Populares do PT de Botucatu , secretária de Formação da Macro de Bauru e integrante do Diretório Estadual do PT; Rose Antunes Ielo, Presidente do Fundo de Solidariedade de Botucatu e do Conselho Municipal da Assistência social; Tali Pires -Secretária da Juventude do PT de Botucatu ; Carlos Ramos Presidente do Diretório do PT de Botucatu.


Juventude do PT- Neste último sábado, dia 15, esteve reunida no Diretório Municipal do PT, a juventude petista. O principal assunto discutido foi a organização do encontro municipal da juventude do PT que será um espaço de discussão para reestruturação da secretaria de juventude e escolha de seus novos representantes.
A idéia de ampliar a atuação da juventude do PT foi uma proposta levantada durante o III Congresso do PT em 2007, deixando de ser um setorial que discute apenas questões internas ao partido, para tornar-se mais ampla, capaz de dialogar tanto a respeito de questões nacionais, como estar presente nos núcleos dos bairros e estar à frente das lutas sociais, organizar campanhas, e ainda da elaboração de programas de governo.
Está agendada para o dia 5 de abril, a Conferência Municipal da Juventude Petista, que elegerá delegados a faze nacional.

Alunos da Escola João Maria tem aula ao ar livre na Praça Rubião Júnior

Os alunos conheceram a vegetação e as espécies
de árvores da Praça Rubião Júnior


Por Renato Fernandes
Foto David Devidé


Um grupo de alunos da escola João Maria de Araújo, tiveram uma aula ao ar livre na Praça Rubião Júnior, ao lado da Prefeitura Municipal de Botucatu, durante o dia de ontem.
Na ocasião, orientados por professores da EMA - Escola Municipal de Meio Ambiente, os estudantes conheceram um pouco sobre a vegetação e as espécies de árvores localizadas naquele ponto da cidade.

Vereador pede a construção de um observatório astronômico em Botucatu

O vereador Lelo Pagani (PT) solicitou ao Poder Executivo, através de requerimento, na sessão da legislativa realizada no dia 17 de março, em Botucatu, estudos sobre a possibilidade de construir um observatório astronômico em Botucatu.
Segundo o parlamentar o observatório ajudaria na formação e desenvolvimento dos alunos das escolas de Botucatu e região. “O fascínio pelos fenômenos celestes levaram os seres humanos a especular e desenvolver idéias astronômicas desde a mais distante Antigüidade. O Universo, sua forma, seu tamanho, seus componentes, sua origem e sua evolução são temas que atraem os alunos de todos os níveis de ensino e através do olhar foram criados observatórios no mundo todo, com lentes poderosas, o que ajudou a ensinar e desvendar muitos mistérios do Universo. Botucatu, pela sua formação geológica, apresenta um dos céus mais claros do planeta, facilitando a observação do céu e com essa “vantagem” poderia ser construído um observatório astronômico com a finalidade de ajudar na formação e desenvolvimento dos alunos das escolas de nossa cidade e região, por isso, meu pedido”, justifica.
O Poder Executivo deverá encaminhar sua resposta à solicitação em até 15 dias.

Casa onde residiu o vilão Dioguinho está sendo demolida

Dioguinho foi um dos bandidos mais temidos do século XIX

Por Renato Fernandes
Fotos David Devidê


A residência onde residiu Diogo da Rocha Figueira, o Dioguinho, na Rua amando de Barros, nº 992, está sendo demolida, a construção do século 19 dará lugar a um conjunto de lojas.
Segundo informações do historiador João Carlos Figueiroa a construção é uma das casas mais antigas de Botucatu. “É um estilo arquitetônico que não se encontra mais no município e data de 1880. Ela é da época do início do desenvolvimento dos cafezais no município. Com características do século XIX”, explica.
Dioguinho foi o bandido caipira mais famoso de todos os tempos. Foi um anti-herói. Matador, capanga de coronéis, terror do nordeste paulista.
Diogo da Rocha Figueira, o Dioguinho, coleciona histórias de crimes horríveis. Os cantadores e repentistas garantem que foram 25.
Suas histórias e lendas já viraram livros e especiais de TV.
Nascido em Botucatu, filho de um comerciante e de uma dona de casa, no século XIX. Dioguinho faleceu em 1897, na época de ouro do café. Diz a lenda que Dioguinho não morreu. O bandido Caiu no Rio Mogi, enquanto estava sendo caçado pela polícia.
Anos depois de dado como morto, ele foi visto em São Paulo, na antiga Casa Alemã. E apareceu em muitos lugares, como se relata em boletins de ocorrência da polícia de São Paulo.

CLIQUE AQUI e assista um documentário especial sobre o Dioguinho.



Ouvir ativo promove o curso Somos Todos Músicos, na Demétria

Por Renato Fernandes

O instituto OuvirAtivo, do Bairro Demétria, está com inscrições abertas para o curso “Somos Todos Músicos, que acontecerá entre os meses de abril e novembro.
Segundo o idealizado, Marcelo Petraglia, serão sete encontros aos finais de semana. “É um curso para quem sempre sentiu uma forte ligação com a música, mas nunca teve a oportunidade de se desenvolver”, explica.
As aulas abordarão temas como: canto coral, exercícios para o desenvolvimento da audição, introdução ao aprendizado de um instrumento musical, noções básicas de teoria musical, música e movimento, os elementos da música e o ser humano, a criação musical através da improvisação e composição e fazer música em conjunto.
Os docentes serão Marcelo Petraglia e Anna Metzler
Informações e Inscrições no site: www.ouvirativo.com.br

Câmara pode votar legalização do aborto depois da Páscoa

O novo presidente da Comissão de Seguridade da Câmara, Jofran Frejat, (PR-DF) prometeu pôr em votação o projeto de legalização do aborto, que tramita há 16 anos. "Não vou protelar, apesar de ter gente que queira ficar empurrando este assunto para frente. O projeto será votado na comissão. Mas só depois da Semana Santa, em respeito à data", afirmou Frejat, médico e ex-secretário de Saúde do Distrito Federal.
O relator do projeto, Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP), deu parecer contrário à legalização e pela permanência da lei como está, com autorização para interrupção da gravidez nos casos de estupro ou de risco para a mãe. O deputado disse que, por ter assumido a presidência da comissão, prefere não tornar pública sua opinião. No entanto, suas declarações deixam claro que não defende a legalização do aborto. "A argumentação do ministro da Saúde não me convenceu completamente. Me pergunto se, com o aborto liberado em qualquer tempo, os hospitais públicos terão condição de fazer esse tipo de procedimento. E também se a legalização não estaria em confronto com a política do governo de controle da natalidade e de paternidade responsável. Porque a pessoa pode pensar que, se engravidar, poderá ir ao hospital e fazer um aborto", disse Frejat.
Outro projeto que o presidente da comissão promete pôr em pauta é o que prevê pagamento de um salário mínimo, durante 18 anos, à mulher vítima de estupro que decidir ter o filho. O benefício foi apelidado de "bolsa estupro" por militantes favoráveis à legalização do aborto.
O relator do projeto, deputado José Linhares (PP-CE), é contra o aborto e já se mostrou favorável à compensação financeira paga pelo Estado à mãe vítima de violência sexual que optar por não interromper a gravidez. "Este projeto também terá que ser discutido. Não quero segurar nada aqui na comissão. É uma questão de consciência da mulher. Ela pode pensar que vai receber um dinheirinho e assim decidir cuidar do filho. Por outro lado, me pergunto se é justo que uma mulher gerar um feto de um desafeto, de um homem que a violentou", afirmou.