janeiro 05, 2008

Turismo divulga datas do Carnaval 2008

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Secretaria Municipal de Turismo e Lazer definiu as datas dos desfiles de Carnaval deste ano em Botucatu. A primeira reunião com os representantes carnavalescos foi realizada em outubro, na qual as datas 02 e 04 de fevereiro foram escolhidas para as apresentações.
A Rua Major Matheus, na Vila dos Lavradores, será o local do primeiro dia de festa, e a Rua Amando de Barros, no Centro, fechará as comemorações.
Além do encontro, também foi promovida uma oficina de bonecos mamulengos [bonecos gigantes], ministrada pelo artista plástico Júlio César Gobbo aos blocos inscritos para os desfiles de 2008.
Para que todos os Blocos Carnavalescos se apresentem com bateria própria, a Secretaria de Turismo viabiliza instrumentos musicais e apóia os integrantes na aquisição de materiais para confecção de fantasias e alegorias.
Os blocos que queiram desfilar no Carnaval de Rua ainda podem ser inscrever na Secretaria Municipal de Turismo e Lazer pelos telefones 3882-1315 ou 3814-8161.

Karina Michelin: o talento que conquistou a Itália

Texto - Flávio Fogueral
Fotos - Divulgação
Entrevista originalmente publicada no Jornal Mulher


Uma botucatuense conquistou a Itália com sua beleza e carisma. Karina Michelin pode ser considerada uma das mulheres mais badaladas no mundo atualmente. Seu destaque, no e
ntanto, vai além da beleza e está focado por seu talento artística. Karina deu seus primeiros passos como modelo aos 13 anos quando viajou para o Japão onde gravou alguns comerciais para TV e aos 16 viajou para a África, onde fotografou para a marca Tilibra de cadernos. Ela já desfilou no São Paulo Fashion Week e realizou inúmeras campanhas publicitárias. Também já apresentou um programa de TV, na extinta Rede Manchete. Contratada pela agência Mega Model partiu para Miami onde morou durante anos e fez vários trabalhos. A fama se consolidou após anos apostando na carreira de modelo. Em 2006, a botucatuense participou do concurso Miss Italia nel Mondo, onde para a surpresa da própria Karina, conquistara o prêmio. A partir daí sua trajetória tomou um rumo crescente. Foi convidada para ser uma das apresentadoras do programa Markette, do canal italiano LA7, ao lado de Pierro Chiambret, um dos mais populares comunicadores daquele país. Sua atuação rendeu elogios até mesmo do proprietário da emissora, o magnata e ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi. Após a participação no programa, Karina pretende seguir carreira na Itália. Deve estudar e se aprofundar nas técnicas de produção cinematográfica. Além disso, sua próxima ambição deve ser a realização de um documentário centrado na política. Com a vida agitada no último ano, ela se revezou entre Milão e Roma. Aproveitou as férias para passar as festas de final de ano ao lado dos familiares em Botucatu, onde recebeu o Jornal Mulher para uma rápida entrevista. Admiradora de política e sem nenhum receio de falar o que pensa, Karina confidenciou que se arrependeu em votar no presidente Lula, defende seu amigo pessoal, Mike Tyson e contou um pouco de sua carreira. Seu carisma com o público e o destaque que obteve na televisão italiana a fez participar por três vezes do programa de Hebe Camargo, no SBT. Ela confidenciou que tem recebido diversas propostas de emissoras brasileiras, mas que ainda não pretende entrar em detalhes, pois não passam, segundo ela, de conversas. “Nada está certo ainda, por ser final de ano”, desconversa.
Após vencer o concurso de “A mais bela descendente de italianos no mundo”, você rapidamente se tornou uma celebridade dentro da Itália, onde passou a apresentar um programa na emissora do magnata das telecomunicações e ex-primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi. Conte-nos um pouco mais sobre o seu programa e quais os planos com relação à carreira de apresentadora?
Foi uma surpresa o convite para fazer parte do programa logo em seguida ao concurso. Primeiramente, não sabia que aquilo teria tanta abertura como vi que aconteceu. O público italiano é muito fanático com essa história de concursos. Na verdade as mulheres que participam e ganham essas disputas são as que vêm fazer a história da televisão, como Sophia Loren, entre outras. A maioria delas que saem do concurso já tem a carreira praticamente resolvida nessa área de cinema e televisão. Isso foi um fato novo para mim: ser brasileira e morando, na época, em Miami e recebi o convite para participar do concurso, e logo após ser a sua vencedora, sem saber as proporções que iria tomar, foi um susto. Havia, na porta da emissora, centenas de pessoas que queriam tirar foto, me conhecer. A partir disso, recebi a proposta de trabalhar no programa chamado ‘Markette”, onde a vencedora do concurso dividia a atração com Piero Chiambretti, um dos maiores apresentadores italianos. Essa experiência foi uma verdadeira escola, pois podia se falar desde política, cinema, entretenimento ou assuntos gerais. Pude interpretar, cantar, recitar. Enfim, me deram carta branca para poder fazer o que havia estudado a vida inteira e não tive oportunidade de fazer em meu país; na Itália fui recebida de braços abertos. Isso foi um grande presente para mim, o Miss Itália e a participação nesse programa de televisão, que durou nove meses e para 2008 muda o formato, tudo. Mas já tenho outra proposta dentro do cinema.
Antes mesmo de ter este destaque ao vencer o Miss Itália e uma das revelações de 2007 na TV italiana, sua carreira vinha sendo trilhada há anos. Inicialmente despontou nas passarelas, como modelo. Quais trabalhos já realizou e como se tornou modelo? Quais os momentos marcantes e decisivos dela?

Na verdade minha carreira começou quando tinha 8 anos. Fazia teatro, que sempre foi minha paixão. Em 1992 participei do concurso “The Look of the Year”, que era um evento realizad
o pela Elite Models, onde fui uma das finalistas, mas não o venci. Dali foi algo importante que me aconteceu, pois passei a ver como realmente era a carreira de modelo profissionalmente, o que era muito distante do que imaginava. Depois disso voltei a Botucatu e quem me ‘descobriu’, na verdade, e que me deu o incentivo para continuar com a carreira foi uma norte-americana chamada Bridget, que mora no Brasil e abriu algumas agências, mas na época ela trabalhava para a Ford Models. Foi ali que comecei minha carreira profissional, sendo que fiquei por quase 10 anos na agência. Na época peguei uma campanha publicitária para as capas dos cadernos Tilibra, feito na África onde ficamos quase um mês lá para as fotos. Em seguida fui para o Japão e trabalhei durante 3 meses. Voltei para São Paulo e passei a estudar teatro, porque trabalhava como modelo para pagar as contas. Carreira de modelo é muito cruel, é algo que você não tem identidade.
Há propostas para fazer cinema na Itália? Quais seriam elas?

A Itália é uma fábrica de se fazer cinema. O cinema europeu considero mais que o americano. Recentemente dei uma entrevista para uma revista alemã e me foi perguntado o porquê de estudar o cinema na Itália e não em Los Angeles. E realmente tenho meu motivo: não vou para os Estados Unidos pois hoje é fake o cinema de lá. É um mercado de efeitos especiais, que não gosto mais, não me atrai. No cinema europeu, com pouco dinheiro se consegue fazer e rodar uma história. Além disso pesa o fato de haver roteiros incríveis, que conseguem ter sentimento, que é o que falta para a humanidade. E o fato de ficar na Itália e estudar lá é para ficar mais próxima de tudo isso, dessas raízes de onde surgiram os filmes de Frederico Fellini, como ‘La Dolce
Vitta’, de resgatar um pouco a história, o romantismo do cinema. Também quero estar lá para tentar alguns projetos como um documentário e também produzir alguns filmes.
Em entrevista à revista IstoÉ, você declarou que ainda se assusta com o assédio dos fãs. De que maneira é essa relação sua com os fãs, tanto na Itália quanto no Brasil? Há diferenças entre estar no Brasil e na Itália?

Há uma grande diferença. Na Itália, as pessoas são mais fanáticas ao personagem. Eles perseguem. As pessoas te vêem na televisão e se houver um carisma, elas passam a te
admirar. Tive sorte por ser brasileira, que tem uma imagem positiva no exterior. Também há o jeito de se tratar os fãs. Há o fato de eu me envolver com a televisão, de falar, tratar bem as pessoas na rua, tive uma surpresa muito grande. Acabava o programa e havia sempre grupos de telespectadores que não iam embora enquanto não tirassem uma foto comigo. Havia também carros de fotógrafos que, ao sair da emissora, me perseguiam para saber onde e com quem eu saio. Há uma pressão muito grande na Itália para se vender a fofoca. Esse aspecto dos italianos é muito pior do que os brasileiros. Aqui as pessoas já estão acostumadas a tratar com igualdade quem está na televisão. Essa é a grande diferença.
Quais seriam seus ‘espelhos’, tanto ator como atrizes?

Como ator, Jacques Renault, que é alguém que vejo e há uma perfeição em sua interpretação. Agora, com relação às atrizes é complicado, pois pegam as mulheres para os papéis de ‘gostosonas’. Mas há atrizes fantásticas, como a americana Melanie Grift, que é alguém que se transforma em qualquer personagem, perfeita.
Devido a sua profissão, você se reveza entre Milão e Roma. No entanto, sua família está no Brasil, e isso inclui seu filho, Ricardo, de 8 anos. De que maneira lida com esta distância deles?
Sempre quando posso venho a Botucatu para ver todos. Não consigo ficar muito tempo longe. Foi uma opção dele a de ficar aqui e isso o faz muito feliz. Qualquer momento de férias estamos juntos. O que importa é a qualidade do tempo que se passa junto e não a quantidade. Não adianta estar 24 horas com seu filho se está em pé de guerra com ele. É melhor estar totalmente bem com ele, passando conhecimento. Meu filho tem 8 anos de idade e viajou o mundo inteiro. Fala italiano, espanhol e inglês. E hoje, por ser alguém que nasceu nesse meio já é acostumado e a distância não é um problema. A independência dele me surpreende. Temos que criar os filhos para o mundo e mostrar a realidade do que é a eles e não prender debaixo das asas, mas sim criar boas bases.
Qual momento que possa destacar em sua carreira?
O Miss Itália Del Mundo. Houve a partir daí uma repercussão muito grande e onde passei a ter o reconhecimento no mundo todo. Foi onde tudo passou a acontecer.
É freqüente ver tanto na Internet quanto em revistas especializadas fotos suas com personalidades, fruto do seu sucesso no exterior. Você se tornou amiga pessoal de Mike Tyson, Bruce Willis e Ivana Trump. Como é o seu relacionamento com os mesmos?
Nunca imaginei que pudesse conhecer o Mike Tyson em pessoa, por exemplo. Era uma coisa tão longe daquilo que pensamos. Estamos acostumados a ver essas ‘personalidades’ pela televisão e quando você entra nesse meio, vê o quanto o mundo é tão pequeno, que nem se dá conta. Com o Mike foi uma coincidência. Estava passando o verão nos EUA e no círculo de amigos estavam Bruce Willis e a Ivana Trump. Quando se passa as férias no mesmo lugar onde estão todos, vira algo normal. É como se encontrasse seus amigos em um bar aqui em Botucatu. São pessoas que vivem normalmente. As pessoas vêem o Mike como uma figura agressiva, alguém selvagem. Pelo contrário, ele é o oposto de tudo isso, de uma educação incrível, que pede licença em qualquer coisa que vai fazer. Mas a imagem que foi feita dele é outra, infelizmente. E ele sofre muito com isso. Nos falamos até hoje por telefone inclusive quando ele vai ou sai da cadei. É uma coisa que marcou, essa amizade muito próxima.
Mesmo com residência fixa na Itália, é possível acompanhar o que acontece no Brasil?
Sim. Adoro política e inclusive quero fazer um documentário sobre este tema.
Em recente entrevista, declarou que votou em Lula, mas se arrependeu. Vendo de fora o Brasil,quais as maiores dificuldades e os desafios que o próximo governante precisa enfrentar e qual seria a prioridade do governo?
Acredito que o grande culpado é o sistema. Quando falo que me arrependi em ter votado no Lula não é algo pessoal. Até mesmo ele me perguntou uma vez e disse que a decepção era com o governo. Muitas vezes, o presidente pecou muito em suas frases e até entendemos isso enquanto era candidato. Mas a decepção veio porque este governo se dizia que era do povo e na verdade se voltou para a elite. Até sou favorável a um terceiro mandato, pois em quatro anos não se consegue consertar nada. É por isso que existem esses problemas na democracia. Em oito anos você começa a dar um rumo para algo e de repente vem outro governo e o que foi feito se perde muitas vezes. Agora, o primeiro desafio seria acabar com a corrupção e se rever as pessoas que estão no Poder.
Como é a Karina Michelin nas horas vagas? Quais são seus hobbies, suas preferências?
Sou uma pessoa que, quando estou de folga ou férias, gosto de estar comigo mesma. Defino-me como alguém muito tranqüila, que gosta de refletir, ler, de pensar na vida. Esses momentos que temos livres servem para esse conhecimento.
Karina Michelin por ela mesma...
Batalhadora

Qual a qualidade que mais admira nas pessoas?
A honestidade
O que mais detesta nas pessoas...

A hipocrisia

Um lugar...
Minha casa
Uma frase...
Os ignorantes falam de pessoas, os inteligentes falam de idéias.
Se você pudesse ser alguém por um dia, quem gostaria de ser? Por quê?
O presidente da República. Para tentar mudar um pouco a situação no mundo.



“Espaço Online” registrou mais de 4 mil acessos em 2007

O “Espaço Online”, instalado na Biblioteca Municipal Emilio Pedutti, fechou o ano de 2007 com 4.485 acessos, um aumento de mais de 400 acessos em relação ao ano de 2006. O número de inscrições foi de 466 e de procedimentos foi de 4.911.
O espaço conta com oito computadores cedidos pela Secretaria de Comunicação, com apoio da Caixa Econômica Federal, ligados a provedores de internet rápida. As atividades tiveram início oficialmente no dia 16 de agosto de 2004, possibilitando acesso gratuito à internet para toda comunidade.
Cada usuário é devidamente cadastrado, tendo direito a 30 minutos de uso da internet, onde se é permitido realizar pesquisas escolares, consultas de e-mails e inscrições diversas. Vale ressaltar que o espaço é destinado apenas para pesquisas escolares. Acesso a sites de relacionamento, como Orkut e MSN não são permitidos.
Para utilizar o serviço, a pessoa precisa preencher uma ficha de cadastro, apresentar RG e comprovante de residência e ter mais de 16 anos. Menores precisam de autorização dos pais ou responsáveis, que devem ir até a Biblioteca Municipal para fazer o cadastro do filho. A idade mínima é de 10 anos.
O “Espaço Online” funciona das 8 às 17 horas. Para se cadastrar as pessoas devem levar CIC e RG e um comprovante de residência. A Biblioteca Municipal Emilio Pedutti fica na Rua João Passos, 808. Outras informações podem ser obtidas através do telefone 3882-9636.

Prefeitura divulga Edital de resultado das perícias médicas do Concurso Público

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

De ordem do Exmo. Senhor Prefeito do Município de Botucatu, Antonio Mario de Paula Ferreira Ielo, a Comissão Permanente de Serviço Civil [COMSER], nos termos do disposto no Edital de Concurso Público e Instruções Especiais nº 001/2007, TORNA PÚBLICO os resultados das Perícias Médicas realizadas no dia 03 de Janeiro de 2008 às 13H no Departamento Médico da Prefeitura Municipal de Botucatu à Praça Professor Pedro Torres, 100.

Nome Inscrição Cargo Resultado
ANA TEREZA DA SILVA MARQUES 01.00797 1 Atendente de Creche Portador de Necessidades Especiais
ANA TEREZA DA SILVA MARQUES 01.00796 3 Inspetor de Alunos Portador de Necessidades Especiais
CESAR ALENCAR DOS SANTOS 02.04576 1 Inspetor de Alunos Portador de Necessidades Especiais
DENIVANE ALVES DA SILVA 01.00822 6 Agente de Atividades Escolares Portador de Necessidades Especiais
ELEN PATRICIA GOMES ZAPONI 02.05319 5 Agente de Atividades Escolares NÃO CONSIDERADO APTA
FERNANDA PAGANINI ROSSETTO 02.03597 9 Auxiliar de Escritório NÃO CONSIDERADO APTA
KEULER DA SILVA SANTOS 02.01260 0 Atendente de Creche Portador de Necessidades Especiais
MARIA HELENA APARECIDA TOLEDO 02.04827 2 Inspetor de Alunos NÃO CONSIDERADO APTA
RENATO ANTONIO ORSI GOES 02.05908 8 Agente de Atividades Escolares Portador de Necessidades Especiais
ROGERIO ORFEU MARIANO 02.04259 2 Auxiliar de Escritório Portador de Necessidades Especiais
SILVANA CRISTINA MACHADO 02.02139 0 Atendente de Creche Portador de Necessidades Especiais
VERONICA CRISTINA OLIVEIRA 02.02465 9 Atendente de Creche Portador de Necessidades Especiais

O[a]s candidato[a]s que não foram considerados apto[a]s poderão solicitar na Secretaria Municipal de Administração, no prazo de 5 [cinco] dias a contar da publicação deste, junta médica para nova inspeção, da qual poderá participar profissional indicado pelo interessado.
E, para que chegue ao conhecimento dos interessados e não se alegue desconhecimento, é expedido o presente edital.

Barduco recebe homenagem pelo resultado conquistado na Corrida de São Silvestre

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Secretaria Municipal de Esportes organizou na tarde desta sexta-feira, 04 de janeiro, um desfile em carro aberto como forma de prestar uma homenagem ao corredor botucatuense Marildo José Barduco, 5º colocado na 83ª Corrida de São Silvestre, disputad
a em São Paulo no último dia 31 de dezembro. Barduco fez um balanço dos 15 quilômetros percorridos durante a competição. “Eu fiz a minha corrida, não me preocupei com os outros corredores. Sabia que seria difícil correr no ritmo do queniano [Roberto Cheruiyot, vencedor da prova] porque ele é líder no ranking dos maratonistas. Fiquei muito feliz com a posição”, explicou. Depois de passar pelas principais ruas da cidade e ser aplaudido pela população, o atleta recebeu uma placa das mãos do prefeito Antonio Mario Ielo, no Auditório Cyro Pires, como prova de reconhecimento pelo grande feito conquistado. “Parabenizo o Barduco pelo resultado. Foi um índice muito alto atingido e acho difícil essa marca ser alcançada por outro botucatuense”, comentou Ielo. O prefeito de Botucatu também destacou a importância da conquista e planos para este ano. “Estamos conversando para realizarmos este ano um projeto destinado às crianças, incentivando o atletismo que tem uma grande importância social. O Barduco tem experiência e é uma referência para a cidade”, finalizou. Além de Marildo José Barduco, mais 25 atletas botucatuenses participaram da edição de 2007 da São Silvestre e contaram com o apoio da Prefeitura Municipal, que forneceu o transporte até a capital paulista.

Nota Fiscal Paulista entra na quarta etapa

O mês de janeiro marca o começo da quarta etapa do Nota Fiscal Paulista, programa de estímulo à cidadania fiscal do governo do estado que prevê a devolução de 30% do ICMS pago pelos consumidores nas compras. Depois de restaurantes, lanchonetes, livrarias, bancas e lojas de CDs, chegou a vez dos postos de combustíveis, concessionárias de veículos e lojas de auto-peças.
Quem se alimentou fora de casa já deve ter notado a mudança. Na hora de pagar, o garçom pergunta se o consumidor deseja incluir seu CPF ou CNPJ na Nota Fiscal. Em caso positivo, dentro de um mês, o cliente terá de volta 30% do valor do ICMS (Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) arrecadado com a compra. Para receber o dinheiro basta se cadastrar no site criado pela Secretaria Estadual da Fazenda (http://www.nfp.fazenda.sp.gov.br/). Para mais informações basta ligar para 0800-170110.
Agora a mesma prática passa a valer em 13 tipos de estabelecimentos comerciais, de lojas de pneumáticos e câmaras-de-ar a embarcações e lubrificantes, passando, claro, por postos de gasolina e lojas de carros novos e usados. O cronograma de implantação do programa continua pelos primeiros meses do ano: fevereiro é o mês do material de construção; março de eletro-eletrônicos e informática; abril, supermercados e farmácias; maio, tecidos e calçados.
O consumidor tem até cinco anos para gastar o crédito obtido com o programa. Ele pode optar por recebê-lo em conta corrente, poupança, tê-lo creditado em cartão de crédito, transferido para outra pessoa, devolvido em prêmios ou ainda usá-lo para reduzir o valor do débito do IPVA.
Veja também:
Manoel Schlindwein
(I.P.)

Histórias sobre vítimas anônimas de Lampião narradas em livro

Por Renato Fernandes
Foto - RF / Diário da Serra






Contar a história de algumas vítimas de Lampião e seus cangaceiros. É isso que faz o empresário Sebastião Alves Bittencourt (Foto) em seu livro: “Anônimos do Sertão - Fama de Lampião”, publicado pela Editora Anthemus.
A obra tem como personagem principal o sertanejo Porfírio, personagem que ele conheceu em 1995, durante uma viagem à região Nordeste.
Porfírio era avô de sua esposa e durante um bate papo de duas horas lhe contou a história principal do livro.
“Porfírio fez um resumo do episódio que viveu com o bando de Lampião. Fez também um resumo da sua vida pessoal e das transformações a que os sertanejos submetiam o meio ambiente”, explica no livro.
“Lampião queria repor alguns animais em seu rebanho e ouviu que o Porfírio tinha algumas cabeças, foi para lá e viu poucos animais. Com raiva Lampião decidiu amarrar Porfírio ao cavalo e o arrastou. Porfírio sobreviveu, mas carregou seqüelas até a sua morte em 1997”, conta Bittencourt.
Ao retornar a Botucatu, Bittencourt voltou ao trabalho, na Lanchonete Pirâmides, mas a história narrada no sertão não foi esquecida. “Comecei a escrever o que lembrava em papéis de cigarro e guardanapos de papel. Acumulei o que escrevi, mas chegou uma hora que decidi jogar fora. Queria escrever um livro, mas achava que não era capaz”, explica.
Em 2005, ele retornou ao Nordeste para visitar a família e tomou conhecimento de que um sobrinho havia lançado um livro contando a história da região em que morava. “Chegando lá, vi um livro que contava a história do lugar em que nasci, o querido povoado de Tamburil. Fiquei surpreso, pois o autor do livreto era meu sobrinho José Vanderley Chaves Bitencourt. Ver alguém tão próximo escrever um livro me motivou”.
Durante a viagem ele conversou com os moradores da região e buscou por vítimas do cangaço. “Procurava senhores com mais de 65 anos, com sotaque caboclo, e que tivessem tido algum contato com o cangaceiro”, explica.
Nesse contato ele levantou histórias curiosas de crueldade praticadas por Virgulino Ferreira da Silva (Lampião). “No início, queria contar somente a vida de Porfírio, um anônimo que fora vítima de Lampião. Não sabia muita coisa sobre ele. Com o transcorrer do tempo, vi que, se me ativesse apenas à vida de seu Porfírio, teria pouca coisa a contar. Precisava incrementar mais a história, então resolvi procurar saber mais”. conta. “Passaram-se os dias até que, finalmente, tomei coragem e falei com minha esposa. Na verdade, esperava dela uma boa gargalhada. Mas, ao contrário do que eu pensava, ela se entusiasmou com a idéia e me deu forças para realizar o meu sonho. Nesse dia, venci o meu primeiro obstáculo, mas sabia que o mais difícil estava ainda por vir. Então planejei uma nova viagem para a Bahia, isso em 2006. Fui com o objetivo de conversar com pessoas que soubessem mais causos sobre seu Porfírio”.
Esse interesse pela tradição oral dos entrevistados rendeu histórias de casos como: Tamburil, Banzaé - E a Cruz do Cangaceiro, Mirandela, O encontro de Porfírio com Lampião, A Morte do Cão, dentre outros.
O livro foi impresso pela gráfica Copygráfica, que imprimiu uma edição com 530 exemplares. A obra pode ser comprada a R$ 10 nos seguintes pontos de venda: Banca do Juraci, Bar Pirâmides e Panicenter.