janeiro 31, 2008

Coral Municipal convida interessados para participar das atividades

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A direção do Coral Municipal Cidade de Botucatu informa que as atividades deste ano terão início no dia 13 de fevereiro e convida as pessoas interessadas em integrar o elenco, participem do teste que vai selecionar novos talentos.
O teste para os interessados está programado para o dia 11 de fevereiro, às 20 horas, e será realizado no Salão Superior do Teatro Municipal Camilo Fernandez Dinucci, localizado à Praça Coronel Moura, 27.
As inscrições estão abertas e devem ser feitas gratuitamente até o dia do evento, na Secretaria Municipal de Cultura ou através do telefone (14) 3882-0133, das 8 às 11 horas e das 13 às 18 horas. Vale ressaltar que o pré-requisito para se inscrever é ter idade acima de 16 anos, no caso de mulheres, e mais de 17 anos para homens.

janeiro 30, 2008

Parceria proporcionará folheto com sambas-enredo do Bloco da Imprensa

Por Flávio Fogueral

O blog de notícias O Grito, distribuirá, em parceria com a Diagrama Comunicação e o Jornal Mulher, cerca de mil folhetos para os foliões que desfilarão neste Carnaval com os blocos Imprensa e Camisa Preta.
Nos impressos, os foliões encontrarão os sambas enredos compostos pelo jornalista Quico Cuter, um dos nomes mais conhecidos do carnaval botucatuense. Os textos "Nosso Samba é Isso Aí" e "Ainda Sou Camisa Preta", destinados a todos os participantes dos desfiles.
De acordo com Renato Fernandes, idealizador do blog O Grito, a intenção é proporcionar ao folião botucatuense, de forma geral, participação maior com os blocos que desfilarão. "Acredito que com essa iniciativa podemos fazer com que tanto os foliões e quem estiver assistindo ao desfile participem mais da folia ao cantarem esses sambas-enredo. Além de ser uma forma de valorizar o trabalho de Quico Cuter e também divulgar nossas marcas", declara Fernandes.
Neste ano, os dois blocos carnavalescos se uniram e deverão revezar os sambas enredo, que serão puxados pela cantora Gisele Leite. Os desfiles no carnaval popular acontecerão neste sábado, dia 2, na Rua Major Matheus e na próxima segunda-feira, dia 4, na Amando de Barros.

O blog está disponibilizando o modelo impresso e distribuído durante o desfile para ser salvo e impresso.

Rabo de Galo promoveu grito de carnaval no Hospital Cantídio



Por Renato Fernandes
Fotos Géro Bonini / Diário da Serra
Os pacientes do hospital Cantídio de Moura Campos já estão em ritmo de carnaval. No último sábado, o bloco carnavalesco Rabo de Galo esteve na instituição realizando o grito de carnaval social, com a participação dos pacientes.
O evento passou a ser realizado em 2007 e se depender dos responsáveis pelo bloco e pela instituição, deve se repetir anualmente.
Luciana Cristina de Léo Spadim, explica que a "Folia no Cantídio" atingiu as expectativas levando alegria e diversão à essa população carente de atenção.
"Eles se divertiram muito. A festa foi muito proveitosa para todos. Contamos com a presença de boa parte dos pacientes residentes e alguns das enfermagens", explica.
O pré-carnaval do Cantídio continua amanhã, com um show promovido à tarde pela Banda Imagem. "É um importante trabalho de sociabilização, que estamos desenvolvendo", acrescenta Luciana.
Os organizadores do Rabo de Galo explicam que realiza essa atividade com prazer e orgulho, com o objetivo de levar até a unidade hospitalar um pouco da alegria carnavalesca.
Além do Grito de Carnaval o Rabo de Galo ainda conta com uma ala formada apenas pelos pacientes e funcionários da unidade hospitalar, que desfilarão junto com a bateria e os foliões nos desfiles populares das Ruas Amando de Barros e Major Matheus.
"Nos desfiles cada paciente é acompanhado por um funcionário, para evitar transtornos e garantir a real diversão", explica Luciana.
Antes do Grito de Carnaval no Cantídio o bloco carnavalesco animou o evento "Folia no Iolanda", realizado no sábado, dia 26 de janeiro, às 13 horas, na Unidade Saúde da Família no Jardim Iolanda.
A folia tinha como objetivo orientar e prevenir sobre as doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada, através da campanha que recebeu o nome de "Sexo Seguro no Carnaval do Jard
im Iolanda".
Na ocasião foram entregues kits com preservativos para os participantes, além de orientações da Equipe DST/A
IDS da Secretaria Municipal de Saúde.


Rabo de Galo no Cantídio - 2008 - Fotos Géro Bonini - Clique na imagem acima e acesse o álbum de fotos.

Conhecendo o mundo em que vivemos

Por Marlene Bonome Pereira

Em nome da Botucatur Turismo, sinto-me honrada em poder participar dessa coluna de turismo, visto que podemos passar aos leitores, toda nossa experiência desses 35 anos de Turismo em Botucatu e Região.
Estamos vivenciando notícias muito chocantes, aonde a violência torna-se comum aos nossos olhos e a impunidade serpenteia as classes mais poderosas em detrimento à classe trabalhadora do país. Além disso, a terra se derrete diante de nós com o aquecimento global, causado pelo próprio homem. Com isso vêm as tempestades, tornados, furacões, tsunamis, e o que fazemos em meio à turbulência do mundo? Está na hora de parar e pensar, que hoje pode ser o último dia de nossas vidas . Existe uma fórmula poderosa que nos leva á realização de nossos sonhos , que nada mais é do que conhecermos o mundo em que vivemos, as diferentes culturas, para entendermos um pouco essa “Torre de Babel”.


Viajar ...

Pelo nosso Brasil, encontrando paisagens espetaculares, culturas diferenciadas, comidas saborosas e típicas de cada Estado, como se fosse o mundo inteiro dentro de um só lugar. Viajar cruzando os oceanos, os desertos, encontrando nossas raízes dos imigrantes que colonizaram o país. Tudo isso é belo! É uma bagagem que se forma em nosso interior trazendo felicidade desses momentos inesquecíveis que registramos em nossa vida. Você acha que tudo isso é sonho e que jamais será realizado? Trabalhamos com um Turismo para todos . Atualmente existem muitos planos de viagens, parcelados em 12 x sem juros, descontos especiais para a melhor idade , enfim, só não viaja quem não quer.

Podemos começar conhecendo um pouco de nosso entorno, a nossa cidade e região. Esse deve ser o primeiro passo. As nossas belezas naturais ainda existem, os Mirantes, as Cachoeiras, a nossa história , a nossa cultura. Vamos resgatar o que é nosso! Vamos acreditar que o turismo existe aqui , mas infelizmente, muitos de vocês, exitam em conhecê-lo. Já fizemos o turismo acontecer em nossa região , há mais de 20 anos, através do
“Passeio Ecológico pela Cuesta de Botucatu”.
Muitas pessoas participaram conosco, desde crianças, idosos, deficientes visuais, sendo o mesmo muito conhecido em âmbito nacional e internacional. Vários jornais, revistas e TVs registraram nosso Passeio Ecológico, como os jornais “O Estado de São Paulo - Suplemento de Turismo em janeiro de 1999”; em revistas “4x4 em 2000”, “Revista Viagem e Turismo- Supertour pg 34 , abril de 2002”, “Revista Isto É – Pólos de Ecoturismo sob o título “O melhor Roteiro dos Pólos de Ecoturismo do Brasil – Pólos de Cuesta ano 2003”, Consta no “Guia Quatro Rodas Cidade de Botucatu item atrações”; Emissoras de TV,como a Globo Programa Antena Paulista, Globo News e TV Modelo (regional) Programa Giro São Paulo em outubro de 2001, TV ESPN BRASIL além de rádios, jornais e revistas locais.
Nossa região não tem mar , mas tem cachoeira e a nossa onda é estar no Topo da Cuesta , curtindo os Mirantes Naturais, conhecendo o Grande Templo da Serpente, fotografando o Gigante Adormecido, saboreando Comidas Típicas , banhando-se em Piscinas Naturais formadas pelas cachoeiras.

Informações - (14) 3882 5001

botucatur@botucatur.com.br

www.botucatur.com.br


janeiro 29, 2008

O museu particular de Jairo Pires


Por Renato Fernandes
Fotos Denise Rocha / Diário da Serra

O contador dos Correios aposentado, Jairo Pires de Campos, mantém em sua casa um museu particular de dar inveja a muitos acervos existentes na região.
Em três cômodos de sua residência ele acumula objetos que contam um pouco da história de sua família, do município e do bairro onde reside, a Vila Santa Catarina, região próxima à Vila Jardim.
“Não me considero um colecionador, apenas guardo alguns objetos por satisfação pessoal”, explica.
A coleção é organizada, catalogada e muito bem preservada, apresentando peças como um antigo telefone a manivela, máquinas de escrever de várias épocas, máquinas fotográficas, dentre outros objetos.
“Não procuro os artigos, às vezes, quando saio de casa e encontro alguma peça que go
sto à venda, eu as compro, outras eu ganho de parentes”, disse.
A coleção começou na garagem, que precisou ser transformada em sala. “Comecei a juntar as coisas aqui na garagem e quando percebi precisei levantar as paredes. Logo já estava transformando a lavanderia da residência em outro cômodo para abrigar as peças”, relata.
O acervo é grande é contempla ainda documentos, plantas residenciais, réplicas e uma infinidade de fotografias. “Apenas da Ferrovia devo ter mais de mil fotos. Sou um apaixonado pela ferrovia, e sempre a fotografei. Também tenho um carinho especial pelos objetos que contam a história da Estrada Sorocabana”, disse, enquanto mostrava peças como campainha, telefones, lampião e até mesmo um tijolo produzido nas olarias da extinta RFFSA - Rede Ferroviária Federal.

A importância histórica do Acervo se confunde com o valor sentimental que ele alimenta pelos artigos. Quase todas as peças contam um pouco da história da família e do próprio colecionador, como é o caso da fotografia que mostra o primeiro prédio de três andares construído na cidade. “Lembro-me que nesse prédio eu fui com uma tia para comprar móveis e um desses móveis, um guarda-roupa, ainda está comigo”, explica.
O cuidado com as peças pequenas é extremo. O aposentado as guarda em prateleiras de vidro iluminadas. “Esses objetos me lembram o passado e tenho um carinho nostálgico por esse acervo”, relata.
Esse carinho transparece nos detalhes, como a banheira totalmente recuperada que está instalada ao lado do portão da residência. “Tinha uma banheira parecida com essa na casa de meus avós’, disse.
Cauteloso com seu acervo o colecionador opta em não revelar o seu endereço. “Eu guardo esses objetos por uma questão pessoal apenas, não para exibir ao público”, disse.

Stradivarius do colecionador ganhou fama em Santos
O hábito em adquirir objetos antigos sempre acompanhou Jairo Pires de Campos. Na década de 70, por exemplo, ele adquiriu um violino de um amigo e descobriu que o instrumento poderia ser um Stradivarius, marca reconhecida pela qualidade do som e seu alto valor.
A história foi descoberta por jornalistas do jornal Cidade de Santos em 1972 e acabou estampando as páginas do periódico. “O instrumento foi arrematado em um leilão por esse amigo e acabei comprando dele em seguida”, explica.
A notícia se espalhou e para garantir a integridade de sua família e a segurança em seu lar Jairo decidiu alugar um cofre em um banco apenas para guardar o violino. “É uma peça muito cara e que eu não poderia guardar em casa devido ao seu valor”, explica.
Para ter certeza de que o instrumento era realmente um Stradivarius ele escreveu uma carta para o National Consevatory, de Nova Iorque, mas não obteve resposta.
“Acabei devolvendo o instrumento para o meu amigo pelo mesmo valor que eu paguei. A família dele estava sentindo falta do instrumento e não fiz conta em devolver”, disse.

O sonho de lançar livros
Na sala de Jairo Pires o computador destoa dos demais objetos, é nele que ele aproveita para escrever dois livros, um contando a história de sua família e uma segunda relatando história da região onde ele vive. “Um dia eu estava fuçando alguns documentos e encontrei algumas escrituras de meus antepassados. Analisando descobri que essa região onde moro hoje, no passado pertenceu a meus parentes”, explica, sobre o interesse.
Ambas as obras estão em fase de finalização e devem ser lançadas em breve.




Arma não letal é adotada pela Guarda Municipal de Laranjal Paulista

Do site da PRefeitura Municipal de Laranjal Paulista

No dia 11 de janeiro, na sede do Clube Recreativo Comercial, aconteceu a solenidade do 5º aniversário da Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista. Na ocasião foi entregue armas TASER, aos guardas municipais enquanto que o Prefeito Roberto Fuglini, em seu discurso, salientou que a Lei Federal 10.826 proíbe o uso de arma letal pelos GMs, em cidades com menos de 50 mil habitantes; tal Lei, deixa a corporação em situação de risco e sem ação em horas perigosas na qual bandidos se encontram armados.

Além de Laranjal Paulista mais três cidades do Estado de São Paulo adotaram a TASER em suas Guardas Civis, que é uma arma não letal, mas com capacidade de imobilizar o indivíduo através de uma descarga elétrica que provoca a interrupção da comunicação do cérebro com os músculos, sem causar danos à saúde, cuja utilização é de uso exclusivo das forças policiais.
Após pesquisas, a Guarda Civil Municipal optou pela TASER como arma não letal pela sua praticidade e eficiência. Cada vez que a arma é utilizada a data e tempo dos disparos são armazenados e transferidos para um computador; além do registro na própria arma, a cada disparo são lançadas etiquetas de identificação com o número do cartucho disparado, permitindo, de maneira precisa, identificar qual guarda que disparou. Toda a corporação recebeu cursos preparatórios para a utilização correta dessa arma, estando assim devidamente aptos para o uso.

Atuação da GCM em Laranjal Paulista
Legalmente é dever da Guarda Municipal à proteção dos bens, serviços e instalações do Município. Contudo, para Guarda Municipal de Laranjal Paulista, o maior bem do Município é sua população, sendo seu principal foco o bem estar dos munícipes.
A Guarda Civil Municipal conta com 35 guardas sendo que 4 desempenham funções no Corpo de Bombeiros com sede no Município de Tietê através de um consórcio intermunicipal. Dentre outras funções a Guarda Municipal atua nas escolas, realizando a travessia de ruas dos estudantes, proporcionando proteção a professores e alunos. Os GMs também atuam no auxílio às polícias civil e militar desempenhando funções próprias dessas polícias em detrimento das carências das mesmas. Atua na proteção de praças, prédios públicos, além do patrulhamento realizado nos distritos e zonas rurais. É um trabalho voltado ao combate preventivo a criminalidade, através da presença de GMs em pontos estratégicos da cidade. Conta com o monitoramento através de câmeras na estação rodoviária, o que evita consideravelmente a ocorrência de delitos que ali possivelmente venham a ser praticados.

Secretaria de Educação divulga relação de vagas remanescentes para o Ensino Infantil

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Prefeitura de Botucatu, através da Secretaria Municipal de Educação, comunica a população a relação de vagas remanescentes em escolas de educação infantil para o ano letivo de 2008.
Os interessados devem comparecer diretamente na escola, no período de 29 a 31 de janeiro de 2008, no horário das 8 às 11 horas e das 13 às 16 horas, munidos dos seguintes documentos: xerox de certidão de nascimento da criança, comprovante de residência [água, luz ou telefone], documento de identificação do pai ou responsável e comprovante salarial.
Click no link abaixo para conferir a relação de vagas, escolas e etapas de ensino com vagas disponíveis:
Links Relacionados:
relação de vagas

Prefeitura inicia terraplenagem no terreno que vai abrigar Pronto Socorro

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Secretaria de Obras iniciou na última sexta-feira, dia 25 de janeiro, a limpeza e terraplenagem no terreno que vai abrigar o Pronto Socorro Municipal.

O terreno está localizado à Rua Joaquim Lyra Brandão, esquina com a Rua Costa Leite, na Vila Assunção. No local estão sendo utilizados dois caminhões, uma máquina pá carregadeira e uma moto niveladora.
Inicialmente foi feito um corte no terreno, onde será o andar inferior do prédio. A terra retirada está sendo colocada na parte superior.

A empresa
vencedora do processo licitatório, Direct Engenharia e Construções Ltda, deverá iniciar a locação da obra e mobilização do canteiro, na próxima quarta-feira, dia 30. O valor total da obra é de R$ 1.380.082,97 [Um milhão trezentos e oitenta mil oitenta e dois reais e noventa e sete centavos].

Participantes do “Férias na Biblioteca” visitam Teatro Municipal

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

As crianças que participam do programa “Férias na Biblioteca” farão nesta terça-feira, 29 de janeiro, uma visita pelas dependências do Teatro Municipal Camilo Fernandez Dinucci. O passeio faz parte da programação organizada pela Biblioteca Municipal Emílio Pedutti, e conta com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura.
Dentre as atividades já promovidas, os participantes puderam se divertir com contação de história, oficinas de bonecos, jogos, brincadeiras, exibição de filmes e visitas a outros locais da cidade, como a Prefeitura Municipal, Câmara Municipal, Museu de Arte Contemporânea Itajahy Martins e Rádio PRF-8.
As “Férias na Biblioteca tiveram início no dia 08 de janeiro com o objetivo de oferecer mais uma opção de lazer nas férias para crianças entre 08 e 10 anos de idade. A programação foi dividida durante as terças e quintas-feiras deste mês de janeiro, sempre das 13h30 às 16h30.
Vale lembrar que as inscrições para os interessados podem ser feitas gratuitamente até o início das atividades de cada dia, na própria Biblioteca Municipal, localizada à Rua João Passos, 808, Centro. Mais informações podem ser obtidas através do telefone 3882-9636.

Jogos de Verão 2008 tiveram início no fim de semana

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

Teve início no último sábado, 26 de janeiro, a terceira edição dos Jogos de Verão, que está sendo promovida pela Secretaria Municipal de Esportes.
A primeira modalidade em disputa é futebol de areia, que reúne oito equipes com atletas de até 16 anos de idade. A rodada de abertura, realizada no campo de areia ao lado do Ginásio Municipal de Esportes, apresentou os seguintes resultados:
Catequese Vila Aparecida O x W CA União
Bandeirantes FC 5 x 3 União da Vila Serralheria São Luis
Maranata FC 5 x 0 União da Vila 'B'
ABC Bandeirantes 4 x 2 Pinheirão
A segunda rodada, realizada no domingo, 27 de janeiro, começou com empate em 0 a 0 entre Pinheirão e Maranata FC. No segundo duelo, o ABC Bandeirantes goleou o União da Vila 'B' por 6 a 0 e, em seguida, o Bandeirantes FC venceu o CA União por 3 a 1. O jogo entre União da Vila Serralheria São Luis e Catequese Vila Aparecida não foi disputado pois a Catequese não compareceu.
A competição prossegue nesta terça-feira, 29 de janeiro, com duas partidas no campo ao lado do Ginásio Municipal de Esportes. No primeiro jogo, às 18 horas, se enfrentam Catequese e Bandeirantes FC, e na seqüência, entram em campo CA União e União da Vila Serralheria São Luis.
Na quinta-feira, 31 de janeiro, será realizada a última rodada da fase de classificação. Às 18 horas, se enfrentam Maranata FC e ABC Bandeirantes e, logo após, jogam União da Vila 'B' e Pinheirão.

Inscrições para concurso de Rei Momo e Rainha do Carnaval terminam na quarta-feira

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Secretaria Municipal de Turismo e Lazer informa que foram prorrogadas para o dia 30 de janeiro, quarta-feira, até as 12 horas, as inscrições para o concurso de Rei Momo e Rainha do Carnaval 2008.
As inscrições são gratuitas, e o concurso é aberto a todos os interessados. Poderão participar pessoas com idade a partir de 16 anos, nesse caso, com autorização dos pais.
Interessados deverão se dirigir à Secretaria Municipal de Turismo, localizada à Rua General Telles, 653, Centro, munidos dos documentos pessoais para o preenchimento da ficha de inscrição.
Mais informações sobre a programação do Carnaval 2008 podem ser obtidas através dos telefones 3882-1315 ou 3814-8161.

Concurso – O concurso para a escolha da corte do Carnaval 2008 acontece no dia 30, às 20h30, no salão social da Botucatuense, com entrada franca.
O Rei Momo e a Rainha receberão o valor de R$ 500,00 como prêmio, além de realizarem a abertura dos desfiles populares e marcarem presença nos bailes dos clubes da cidade.

Ruas que abrigarão desfiles do Carnaval 2008 recebem enfeites

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

Os locais que irão abrigar os desfiles populares do Carnaval de Rua 2008 receberam enfeites carnavalesc
os. Os adornos foram colocados na Rua Amando de Barros, entre a Praça Emilo Pedutti [Bosque] e a Rua Coronel Fonseca, e na Rua Major Matheus, entre as ruas Milton Méris Jaqueta e Galvão Severino.
Os enfeites trazem representações de motivos e personagem carnavalescos, como o pierrô, palhaços e p
iratas. “Queremos deixar a cidade mais alegre, com o clima do carnaval”, comentou Lúcia Pedutti, secretaria municipal de Turismo.
Os enfeites foram colocados nos arcos onde foram fixados os enfeites natalinos. “Como o carnaval acontecerá mais cedo esse ano, aproveitamos as mesmas estruturas de suporte dos enfeites natalinos para a decoração de carnaval”, completa Lúcia.
A decoração carnavalesca foi possibilitada por intermédio de uma parceria entre a Prefeitura de Botucatu, através das secretarias de Turismo e Lazer, Comércio e Indústria, com a ACE e CDL.

Desfiles - Os desfiles dos blocos serão realizados sempre a partir das 20h30 horas. No dia 2, sábado, os blocos descem a Rua Major Matheus, na Vila dos Lavradores. Já na segunda-feira, dia 4, o desfile será na Rua Amando de Barros.
O dia 3, domingo, e o dia 5, terça-feira, foram reservados para que os blocos desfilem em seus próprios bairros.

Bailes -
Os bailes serão realizados na Praça Coronel Moura [Paratodos], nas quatro noites de folia tendo início às 21horas. Em dias de desfiles, a festa terá início após as apresentações dos blocos.
O show principal de cada noite ficará a cargo da banda “Studio A”, sendo que nos dias, 2, 3 e 5 está prevista a participação de grupos de abertura.
No sábado, dia 2, a abertura do baile será feita pelo grupo “Axé Requebradeira”. Já no dia 3, o primeiro show da noite será do grupo “Estilo Leve e Movimento”. No dia 5 será a vez do grupo “Tranzáxe”, abrir a festa popular.
O baile do dia 4 não contará com banda de abertura em virtude do desfile dos blocos carnavalescos que acontecerão na Rua Amando de Barros.

Carnaval vai contar com o Bloco do Turista

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Secretaria de Turismo e Lazer, em parceria com uma rede de hotéis da cidade, trará para o Carnaval em Botucatu um bloco que promete contagiar todos os foliões presentes nas ruas. Trata-se do Bloco do Turista.
O Bloco do Turista, nada mais é do que um grande bloco carnavalesco, formado por turistas de diferentes lugares do estado, que estarão hospedados no hotel Primar durante as festividades do Carnaval.
Cerca de 350 integrantes farão parte desse, que será um dos grandes blocos a desfilar no carnaval botucatuense. O bloco será formado, em sua maioria, por pessoas da terceira idade, que virão de Santos, em busca dos bons ares, tranqüilidade e segurança que só uma cidade como Botucatu pode oferecer.
Através do projeto “Viaja Mais - Melhor Idade”, do Ministério do Turismo, é que a Secretaria de Turismo e Lazer de Botucatu, recebe de forma especial o Bloco dos Turistas.
No desfile, o Bloco do Turista fará sua apresentação juntamente com o Bloco da Unifac, o popular “Joselito Sem Noção”, coordenado pelo professor Danilo Cesar Ângelo. Além da participação no Carnaval, o grupo fará passeios por diversos roteiros turísticos da cidade, incluindo centro histórico, mirantes, cachoeiras, entre outros.

Iniciativa pioneira - Para a secretária de Turismo e Lazer de Botucatu, Lúcia Peduti, o fato do bloco ser formado apenas por turistas, dará mais prestigio à folia botucatuense. “Por serem pessoas de outras cidades, que toparam montar esse bloco para abrilhantar as noites de folia botucatuense, a iniciativa nos enche de orgulho, pois sabemos que a repercussão do nosso carnaval tem sido a melhor possível”, afirma a secretária.
Os desfiles dos blocos serão realizados em dois locais diferentes, sempre a partir das 20h30. No dia 2, sábado, os blocos descem a Rua Major Matheus, na Vila dos Lavradores. Já na segunda-feira, dia 4, o desfile será na Rua Amando de Barros. O dia 3, domingo, e o dia 5, terça-feira, foram reservados para que os blocos desfilem em seus próprios bairros.

janeiro 28, 2008

230 mil professores podem consultar classificação para atribuição de aulas

Do Governo do Estado

Os cerca de 230 mil professores da rede estadual de Educação podemconferir a partir desta segunda-feira, 28, a classificação para atribuição de aulas. Basta acessar o site www.educacao.sp.gov.br. De acordo com a posição em sua escola, o professor pode escolher quais aulas dará durante todo o ano.

Para acessar a lista, dividida por escola, é importante acessar, no site da Secretaria, o banner "Classificação docentes 2008". Com o número do RG é possível entrar no sistema.

No fim deste mês de janeiro e no início de fevereiro os professores passarão pela atribuição de aulas. A classificação é importante para definir a ordem de prioridade na escolha de classes e aulas. Na primeira fase de inscrição os professores apresentaram seus títulos e documentos comprovando tempo de serviço e habilitação/qualificação. Esses foram os requisitos levados em conta na classificação dos inscritos.

"É uma ação importante, especialmente para a organização da rede. São Paulo tem a maior rede de ensino do Brasil. É o início do ano para nossos educadores", afirma a secretária de Estado da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro.

Autor do homicidio de Itatinga está preso, anuncia DIG

Do site Entrelinhas

A Delegacia de Investigações Gerais de Botucatu – DIG, anunciou a prisão de Cristiano Rodrigues da Silva, apontado como autor do homicidio, na última segunda-feira, dia 21, contra Leandro Daniel dos Santos, em Itatinga. Leandro teve o pescoço e o pênis cortados, além de diversas perfurações no peito.
De acordo com o delegado Celso Olindo, a motivação do crime teria sido pelo envolvimento dos dois com entorpecentes e traficantes. Cristiano está com a prisão temporária autorizada pela justiça.
“Cristiano queria, ao que consta nas investigações até agora, receber sua parte em algum crime, que pode ser entorpecentes, dado o envolvimento de ambos com esse tipo crime”, disse.
De acordo com Olindo, o suspeito Cristiano Rodrigues recusou-se em seu depoimento, na Delegacia de Itatinga, onde foi ouvido pelo primeira vez, a apontar o nome dos traficantes que dividas.
A motivação do bárbaro crime também foi explicada segundo o delegado: “O Cristiano alegou que cortou o pescoço e o pênis de Leandro, o Chupeta, como é conhecido em Itatinga, para transmitir a mensagem aos seus inimigos, de que não tem homem para matá-lo”.
Cristiano Rodrigues da Silva é suspeito de ter feito ligação para a Policia, informando a existência de um corpo nas proximidades do cemitério. O telefone de onde partiu a ligação fica a cem metros do local do crime, em frente ao conjunto de residencias, onde o indiciado residia com a esposa.
“Os moradores das demais residencias tinham muito medo do Cristiano e não deram nenhuma informação, certamente temendo por represálias. Temos contra o Cristiano, roupas e um tenis que estava escondido em uma oficina de um parente, em um saco de lixo”, disse Celso Olindo.

Investigações
O delegado da DIG afirmou que as investigações continuarão, pois há grande chance de se esclarecer outro crime, praticado em Botucatu, em 2006 e até hoje sem esclarecimento.
"Acreditamos que pelo histórico de violencia de Cristiano, ele pode estar ligado a outro crime, praticado em Botucatu contra um itatinguense, o Thiago, que foi assassinado com golpes de faca. No caso da última segunda-feira e o de Thiago, encontramos um cinto ao lado dos corpos, o que pode sinalizar uma caracteristica do criminoso. Vamos investigar”, afirmou Celso Olindo.

Bloco Rabo de Galo desfilará com dois sambas enredos

Por Renato Fernandes

O bloco carnavalesco Rabo de Galo já está se preparando para os desfiles carnavalescos desse ano e promete agitar as passarelas do samba improvisadas nas ruas Amando de Barros e Major Matheus, com dois sambas enredos, o já tradicional “Aquarela do Brasil”, e “Portela na Avenida”.
Os organizadores dos foliões explicam que deverão revezar os dois enredos enquanto desfilam.
O Bloco Rabo de Galo já é tradicional no carnaval popular de Botucatu, por reunir integrantes que fazem parte do segmento artístico da cidade.
Em 2007, os foliões inovaram ao abrir uma ala para garantir a diversão dos pacientes residentes do Hospital Psiquiátrico Cantídio de Moura Campos.
Esse ano os pacientes voltam a desfilar com o bloco, tomando emprestado o tema da exposição ‘Sem Maquiagem Somos Iguais a Você”, assinada pela fotógrafa Malu Ornelas e Thomas Degen, com maquiagem de Maria Pia.

Artistas S/A monta Orquestra de Violões

Por Renato Fernandes

A escola de artes Artistas S/A está convocando violonistas interessados em fazer parte da Orquestra de violões da escola. “Abrimos as inscrições para todos os interessados em fazer parte desse grupo, sejam iniciantes ou não”, explica a responsável pela escola, Fabiana Godoy.
A regência ficará a cargo do professor Fábio Saliba (foto), que dará continuidade a um trabalho já desenvolvido na escola em 2006. “A intenção é propiciar ao aluno a experiência de tocar em grupo e desenvolver um repertório e suas qualidades musicais tais como a técnica, interpretação e leitura rítmic
a e melódica”, acrescenta Fabiana.
Todos os candidatos passarão por um curso que terá a duração de nove meses.
“Se começarmos os trabalhos entre março e abril acredito que até julho esse pessoal já possa desenvolver sua primeira apresentação”, disse.
Para atingir essa meta serão ministradas duas aulas semanais sendo, uma aula prática individual com duração de 60 minutos e uma aula teórica em grupo com duração de 60 minutos.
Além das aulas teóricas e práticas, o candidato participará de vários concertos.

Fabiana explica que a intenção não é desenvolver uma orquestra especializada em música sertaneja ou moda de viola.
“Vamos desenvolver um repertório variado, que vai do clássico ao popular. Um orquestra para concertos”, antecipa.
Para fazer parte do grupo é necessário agendar uma entrevista pelo telefone: (14) 3815.8293. Fábio Saliba é formado pelo “Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos” de Tatuí, onde participou de diversos projetos com orquestra de violões entre eles, “Bi-Tons”, “Pop- Tons”, “Cine – Tons”, “Chico – Tons”, “Bi – Tons Trio” e “Orquestra de Violões” (Música Renascentista e Barroca).

Glorinha Dinucci: "Pra Começo de Conversa"

Por Flávio Fogueral
Fotos: Devanil Camargo/ A Gazeta de Botucatu
Entrevista publicada originalmente na edição 77 do Jornal Mulher


Maria da Glória Dinucci Venditto. Um nome in
timamente ligado à imprensa e a arte em Botucatu. Glorinha Dinucci, como ficou conhecida ao longo de 35 anos de colunismo social, é uma das mulheres com uma carreira profissional e de vida que se misturam à história e aos fatos marcantes do município. Filha de Eugênia Vitti Guimarães e Álvaro Guimarães, ela tem a inspiração no pai, a quem considera como um artista nato, sem nunca ter cursado alguma escola especializada. Foi seu pai, quem inclusive também teve momentos marcantes na história botucatuense. Foi mestre de Alvenaria na Escola Industrial e também um dos responsáveis por inúmeras obras no município. Algumas, no entanto, de enorme prestígio como sendo um dos colaboradores da construção da Catedral Metropolitana, sendo responsável pela parte artística da obra e também foi o escultor do brasão do Centenário do Município, criado então por Gastão Dal Farra. Para Glorinha, talvez tenha sido do pai a inspiração e os primeiros contatos com a arte, fator crucial pela escolha de sua carreira como educadora. Educar. Este é um de seus verbos favoritos. Estudou desde o primário no antigo Colégio dos Anjos (atual Santa Marcelina). Formou-se inicialmente como professora, mas a vontade de ensinar arte, a fez, anos mais tarde, graduar-se em Educação Artística. Em sua sala de aula passaram pessoas de destaque na sociedade botucatuense, além de dois prefeitos (Antônio Mário Ielo e Pedro Losi Neto, que ocupou a cadeira do Executivo de 1996 a 2000), além do piloto da escuderia Ferrari de Fórmula 1, Felipe Massa. Atuou no Colégio La Salle durante 33 anos, onde parou de exercer a profissão de educadora somente em 2003, devido a problemas de saúde. Uma das passagens que marcam a sua trajetória e a dedicação para o ensino era quando levava os instrumentos musicais para poder ensinar no colégio, que na época ainda não possuía a estrutura necessária, como lembra. Declara que por causa dessa convivência com diferentes gerações, pode ver a mudança pela qual o mundo passou de maneira mais ativa. Nas artes é uma das responsáveis pelo início da carreira do dramaturgo botucatuense Alcides Nogueira, que a chama de 'madrinha'. Financiou a montagem da primeira peça teatral do autor, "O Caldeirão", e encenada no Cine Teatro Nelli. Na época, o espetáculo teve grande repercussão pelo texto e pela atuação de seus protagonistas. A partir deste momento, a trajetória artística de Nogueira teve início. Conversar com Glorinha Dinucci é como ter uma aula sobre a vida. Como ela mesma gosta de enfatizar, tudo aconteceu de forma natural e muitas vezes, inesperada. Inclusive seu contato com a notícia. Seu contato com a imprensa teve início em 1962 quando assinava uma coluna para o jornal "A Gazeta de Botucatu" chamada "Cine Gazeta", onde ia ao extinto Cine Casino e assistia, de forma antecipada, aos filmes que entrariam em cartaz e fazia críticas dos filmes, sob a assinatura de M. Glória. Segundo ela, foi uma experiência que permitiu conhecer um mundo o qual jamais deixaria de atuar. Dez anos depois estreava como colunista social, a convite de seu primo Milton Mariano (então diretor de 'A Gazeta de Botucatu'), ao fazer a cobertura dos antigos bailes de debutantes realizados no Botucatu Tênis Clube. Era o início de "A Gazeta na Sociedade", que de forma ininterrupta, nos últimos 35 anos, figura nas páginas de "A Gazeta", onde seu marido Adolpho Dinucci é o atual diretor. Uma das seções mais marcantes foi "Pra Começo de Conversa", onde ela, através de suas crônicas, faz uma reflexão sobre fatos e pessoas que mexem com a sociedade botucatuense, além de acontecimentos no mundo. Além de sua presença em "A Gazeta", Glorinha Dinucci também colaborou em algumas revistas locais e recebeu convites para publicar sua coluna social em alguns jornais. Segundo ela, todas as propostas estão em aberto e 'são carinhosamente estudadas'. Em 2006, foi eleita a personalidade do ano pela Revista QG e também foi vencedora como colunista social de prêmios promovidos pela ACE/CDL. Chegou a cogitar em deixar a imprensa, mas como ela mesma declarou em sua biografia no livro "Pra Começo de Conversa", lançado em 2001, 'a imprensa tem um imã poderoso. Fácil é começar a atividade. Difícil é deixá-la'. A publicação, que tem um total de 60 crônicas publicadas em sua coluna, inclusive, foi um presente de sua família, na ocasião das comemorações dos 44 anos de 'A Gazeta de Botucatu'. Por este trabalho na imprensa, na educação, e como incentivadora da cultura, Glorinha Dinucci passou a integrar a Academia Botucatuense de Letras. Empossada em junho de 2004, ocupa a cadeira de número 21, tendo o poeta santista Vicente de Carvalho como seu patrono. A eleição para a ABL, inclusive, é um dos momentos marcantes de sua vida. Religiosa e católica, ela se diz uma mulher realizada em todos os aspectos e este é o teor de suas orações diárias, o de agradecimento. Valoriza a família e tem nela a base da força e de inspiração para seu trabalho. Casada com Adolpho Dinucci Venditto é mãe de Carmem Teresa e avó de Camilla. A atuação social também é uma das marcas do trabalho da colunista. Por mais de duas décadas foi presidente da Associação de Assistência à Maternidade e Infância-AAMI. Credita ao trabalho realizado pela entidade como um dos pontos fortes no assistencialismo e na formação de pessoas carentes. Durante quase uma hora de conversa informal e agradável ao Jornal Mulher, Glorinha diz considerar-se uma pessoa de personalidade forte e perfeccionista. Assume que esta é sua primeira entrevista a um jornal impresso. Enfatiza categoricamente que não existe concorrência entre os profissionais da imprensa que se dedicam à cobertura de eventos sociais. Além disso, conta que um dos segredos de manter uma coluna social por tantos anos seja o respeito com os leitores e transformar cada linha de sua coluna, um meio de oferecer à comunidade mais um canal de interatividade. Abaixo, segue alguns trechos da entrevista de Glorinha Dinucci:

Com 35 anos de carreira, você é considerada a pioneira no colunismo social em Botucatu. No entanto, seu primeiro contato com a imprensa foi de uma forma totalmente diferente.
No jornalismo, lancei minha primeira coluna no jornal "A Gazeta de Botucatu", em uma edição de 1962 e ela tratava basicamente sobre comentários de filmes. O espaço se chamava "Cine Gazeta" e eu assinava como M. Glória. Hoje sei que foi uma ousadia fazer crítica de
cinema sem ter um preparo necessário, o que não tinha na época. Mas, meu trabalho foi reconhecido. Era uma coluna muito lida e muitas pessoas se guiavam através dela para irem ao cinema. Através da Lourdinha Pedutti, assistia aos principais filmes que seriam exibidos durante o mês. Era desta forma que fazia minha coluna.

O que a levou a se tornar colunista social?
Nunca pen
sei em ser colunista social. A Gazeta de Botucatu, em 1958, organizou um curso de jornalismo, reconhecido pela Universidade do Sagrado Coração, de Bauru, e que nos proporcionava o diploma e foi orientado pelo padre José Marins, que é irmão do grande escritor Francisco Marins. Um grupo de Botucatu fez este curso e eu me incluía nele. Guardei o diploma e continuei a minha vida. Na década de 1970, o Botucatu Tênis Clube organizava na época um grande baile de debutantes. O então presidente do clube, João Passos, pediu para que "A Gazeta" fizesse uma cobertura sobre este baile. Foi neste momento que fui indicada pelo diretor do jornal na época que me pediu para fazer a coluna social. Aceitei esse novo desafio e foi ele o passo inicial para toda a minha escalada no colunismo social. Isso era na época em que jornal era composto a manualmente tipo por tipo. Publicar fotos era um trabalho intenso. Essas imagens eram feitas através de clichês, confeccionados pelo gráfico Antônio Gamito, considerado o maior gráfico que esta cidade já teve e que trabalhou conosco por 43 anos, até sua morte. Era uma verdadeira epopéia. Em 1986 fizemos nossa primeira edição em off-set. Lembro-me que na abertura desta publicação escrevi que 'a imprensa tem um imã poderoso. Fácil é começar a atividade jornalística, difícil é deixá-la'.

Em determ
inado momento, você cogitou em deixar a imprensa e continuar com outras atividades, como a de educadora. Quais os motivos que a fizeram pensar em interromper seu trabalho no colunismo social e por que resolveu continuar?
Pensei realmente em deixar a imprensa. Isso foi quando acumulei aulas no Santa Marcelina e no Colégio La Salle, e o tempo me ficou escasso. Como virginiana que sou, em tudo que faço exijo muito de mim, pois sou uma pessoa perfeccionista. Mas continue com minha coluna e houve essa modernização na imprensa, o que facilitou o trabalho e isso foi um ponto positivo a continuar. No momento não penso em parar. Uma palavra que não existe em minha vida é 'nunca mais', que é um tempo longo demais para mim. Talvez pare algum dia, mas no momento estou feliz com o que faço e continuo dando minhas mancadas, mas que fazem parte de qualquer trabalho.

E quais seriam as 'mancadas' que poderiam ser lembradas até mesmo como boas recordações?
De vez e
m quando dou umas 'sumidas' do jornal. Talvez pelo fato do diretor do jornal ser meu marido, não há o perigo de perder meu emprego (risos). Mas esse não é realmente o motivo para deixar de publicar algumas vezes minha coluna. Isso acontece por motivo de viagens, para dar maior atenção a minha família ou coisas assim. Não que o jornal seja colocado em segundo plano, mas prefiro não publicar a coluna do que fazer algo mal feito. Também há casos em que algumas legendas saíram erradas, fotos trocadas. Mas tudo pode ser contornado com uma boa explicação e sem prejuízos maiores.

Em 2001, nas comemorações dos 44 anos de "A Gazeta de Botucatu", foi lançado o livro "Pra Começo de Conversa", que trouxe 60 crônicas suas publicadas ao longo dos anos. Há algum projeto em vista, nos mesmos moldes do livro?

Com relação a projetos em relação ao jornal, não cabe a mim ter esta iniciativa, sou
uma mera colaboradora. Mas como foi um jornal que vi nascer através do meu primo Milton Marianno, mesmo que ainda não fizesse parte dele, acompanho toda a sua história e me envolvi com ela. Meu sonho seja que 'A Gazeta' mudasse um pouco o formato e que ela passasse a ter algumas de suas páginas a cores. Sempre tenho muitos planos na cabeça e um sonho em relação a tudo. Também penso fazer uma nova edição do "Pra Começo de Conversa", com alguns textos inéditos. A primeira edição foi um fato muito importante na minha vida, pois foi um presente dado por minha família e com o apoio de toda a equipe do jornal.

Seu estilo de abordagem em sua coluna social é considerado único e serviu de inspiração para muitos jornais e colunistas. No entanto, há quem diga que exista uma concorrência entre os jornalistas responsáveis pela cobertura social. Há mesmo essa 'rivalidade'?

Não sinto que exista este clima de rivalidade. Tenho amizade com quase todos os colu
nistas sociais da cidade: a Enza (da coluna Apparenza), a Adelina Guimarães (Impressões), que por sinal é minha prima em segundo grau, o (Rodrigo) Amat Scalla, com todos da Revista QG e dos jornais de Botucatu. Não é um privilégio somente meu ter esta boa relação, mas sim da "Gazeta", que tem essa característica de ter uma boa relação com a imprensa local. Com os colunistas chego a dizer que trocamos 'figurinhas', quando falta uma foto, um cede e vice-versa. Não há essa rivalidade. Pelo menos não a tenho com ninguém e acredito que aconteça isso. Cada um tem seu estilo. Muitas vezes nos encontramos em um determinado evento, mas são diferentes olhares para o mesmo fato. Toda esta diferenciação é o que dá graça ao colunismo social em Botucatu.

Atualmente, grandes meios de comunicação buscam criar novas celebridades, e há um certo exagero nas coberturas de eventos sociais. Como a senhora avalia o trabalho do colunista social nos dias atuais?

Nesta área há que se ter muito cuidado e procuro ter muita atenção quando faço minha coluna social. Procuro abordar também a parte cultural e o merecimento que cada pesso
a tenha. Hoje sinto que grandes revistas em nível nacional, são um conjunto de futilidades que valoriza o aspecto físico, monetário, o jeito de se vestir e não vê bem o valor intrínseco de cada pessoa. Procuro citar os fatos sociais, os eventos, mas quando coloco, em minha coluna, a palavra 'destaque', é porque aquela pessoa merece estar ali. Procuro ver nas pessoas a participação que têm na na vida social, sua atuação comunitária e o que representa para a cidade.

Além do trabalho com a imprensa, você também é educadora. Conte-nos um pouco desta sua atuação na formação educacional na sociedade botucatuense.

O que sou realmente na vida é educadora. Trabalhei 33 anos no Colégio La Salle, onde pude educar várias gerações. Pude ver através dos alunos com os quais convivi as mudanças que o mundo passou. Com isso, tive que me educar junto, pois tinha duas opções: ou falava a mesma linguagem deles e me fazia entender ou não conseguiria atingir-lhes a atenção e transmitir-lhes minha mensagem. Pude ver as diversas faces que o ensino também passou. Não enc
aro o fato de ser professora como uma profissão, mas sim como uma missão, pois é na educação que reside a grande força de mudança do mundo. Tudo parte através dela e a tarefa do educador é vital na construção de uma sociedade participativa. Para mim, ser professora não é somente transmitir uma mensagem, mas sim ensinar o jovem, o adolescente a ser um cidadão do mundo. Há tarefa mais linda do que esta? Mas ao mesmo tempo sinto um pesar muito grande, pois o professor hoje em dia é desvalorizado, mal pago e lamento os rumos que a educação tomou no Brasil.

Você disse que também viu o La Salle crescer nestes 33 anos em que lecionou. Mas no começo de sua carreira como educadora, houve momentos de dificuldades em que precisou até mesmo levar instrumentos musicais de sua casa para poder dar aula...

Antes de entrar no La Salle, dava aulas de piano no Santa Marcelina. Certa vez o diretor do colégio, irmão Felipe, me convidou para ensaiar uma festa de final de ano pois a pro
fessora titular de Educação Musical estava de licença maternidade. Fiz esta festa, na ocasião em um salão do Círculo Operário Cristão, pois o La Salle não possuía salão de festa na época. Isso foi em 1969. Já em fevereiro de 1970, o mesmo irmão me convidou para assumir definitivamente a cadeira de Educação Musical no Colégio. Fiquei durante 33 anos e pude trabalhar junto com os melhores professores de Botucatu, com muitos dos quais sou ligada até hoje por fortes laços de amizade. Durante os meus longos anos no Colégio La Salle a escola cresceu, adquiriu uma estrutura espetacular e eu sinto que cresci com ela e longe ficou o tempo em que levei o meu piano para poder dar aula.

Seu envolvimento com a cultura não se limitou somente ao ensino da arte em Botucatu. Seu nome está associado de forma direta com o início da carreira do dramaturgo Alcides Nogueira, que a chama de 'madrinha'. Como teve início esta relação e de que forma contribuiu para que isso acontecesse?

Conheci o Alcides no Santa Marcelina, quando dava aulas de piano. Certo dia ele, então com 17 anos, veio em minha casa e me pediu para que eu patrocinasse sua primeira peça de teatro, pois os pais não acreditavam naquele momento em sua vocação de dramaturgo. Mas
ele acreditava. Compreendi seu sonho e apostei nele. O (Adolpho) Dinucci e eu patrocinamos sua peça, chamada 'O Caldeirão'. A primeira apresentação aconteceu em uma noite de gala no Cine Nelli, com traje a rigor,um momento marcante. Logo em seguida o Alcides se mudou para São Paulo, para o exterior, andou por caminhos diversos e se tornou um grande dramaturgo. Até hoje ele me chama de "madrinha" e temos um relacionamento muito carinhoso.

Você disse que a família é a base de tudo e que é o alicerce para todos os seus trabalhos...
Sim, a família é a coisa mais importante da vida. Descendo por parte de pai de portugueses e de mãe, de italianos. Meus pais foram Álvaro Guimarães e Eugênia Vitti Guimarães, era uma pessoa simples e bondosa, dedicada ao lar e à família. Meu pai foi uma das pessoas mais inteligentes que conheci. Ele foi Mestre de Alvenaria na Escola Industrial. Levado pelo pai e pelo irmão mais velho dedicou-se ao ramo da construção e muitas casas existentes
na cidade foram construídas por meu pai. Mas, uma das coisas que mais me causaram admiração nele foi o fato de, não sendo engenheiro, ter desenhado dezenas de plantas que orientaram os primeiros passos de jovens construtores. Ele foi um auto - didata também como pintor e suas telas surpreendem pela habilidade própria dos artistas que meu pai tinha. Também foi um dos responsáveis pela obra de conclusão da Catedral Metropolitana e autor do brasão, em cimento, do centenário do município que está afixado na igreja, criado por Gastão Dal Farra e imortalizado em cimento pelas mãos de meu pai. Ele também se orgulhava de ser um dos construtores que colocaram o Cristo, de braços abertos nos altos da Catedral. Sou filha única, nascida em Botucatu. Tenho uma filha única, a Carmem Teresa e uma neta, a Camilla, que são pessoas bonitas por fora e por dentro. E elas são os meus tesouros. Temos uma vida familiar muito unida e enfrentamos juntos os bons e maus momentos.

Com 35 anos no jornalismo e também em sua atuação na área educacional, cultural e no assistencialismo, quais foram os momentos mais marcantes em todos estes anos?
Um deles foi o lançamento do livro 'Pra Começo de Conversa'. O outro foi quando ingressei na Academia Botucatuense de Letras, em junho de 2004. Tive neste momento a honra e a oportunidade de conviver com figuras marcantes da cultura botucatuense e isso acrescenta muito à vida cultural de qualquer pessoa ao conviver com Francisco Marins, Hernâni Donato, só para citar dois Patronos vivos da ABL.


Por que Botucatu é tão diferenciada e é considerada como um celeiro de talentos?
Talvez pelas pessoas que por aqui passaram. Temos figuras ilustres espalhadas pelo Brasil e pelo mundo, que são nascidas e viveram em Botucatu. Também devemos boa parte deste destaque, na área cultural, por exemplo, ao incentivo que muitos prefeitos deram, à qualidade das escolas aqui estabelecidas, como a antiga Escola Normal, o La Salle, o Santa
Marcelina e tantas outras. Outro fator que contribuiu para este destaque são os grupos como a própria Academia Botucatuense de Letras, a Associação dos Poetas e Escritores de Botucatu, a Artistas SA, núcleos de teatro, entre muitos.

Por mais de 20 anos esteve como presidente da AAMI. O que representou este trabalho na formação de jovens carentes em Botucatu?

Ainda me lembro com carinho das crianças que cresceram em minha volta e hoje ocupam cargos no comércio, na indústria, se transformaram em profissionais e cidadãos. Sinto-me recompensada por esta obra social, pois sei que esta instituição fez com que crianças escapassem da marginalidade, da exclusão e até mesmo de misérias maiores. Tenho que citar neste trabalho de assistência social um grupo de voluntárias que sempre me apoiou nesta missão.


Para encerrar, a senhora também é integrante do Lions Clube de Botucatu. Como surgiu este convite para integrar o clube?

Entramos em um clube de serviço somente a convite dele próprio. O casal que nos convidou foi Lincoln Vaz e a esposa Neyse. Até hoje fazemos parte do Lions Clube que nos proporciona a oportunidade de "servir" à comunidade e fazer novas amizades.

janeiro 27, 2008

SP vai construir mais 45 presídios

Do site do Governo do Estado

O Governo de São Paulo irá construir mais 45 presídios em todo Estado com a abertura de 34,9 mil novas vagas até 2010. A meta é construir uma média de 11 unidades prisionais por ano, com um total de 8,7 mil novas vagas. Com isso, o governo paulista espera reduzir o déficit de vagas e desativar as cadeias públicas.
“Queremos acabar em São Paulo com as cadeias de delegacias que geralmente estão localizadas no centro das cidades. Além disso, os policiais civis não foram preparados para tomar conta de presos. Por esse motivo, estamos pisando no acelerador nessa área”, observa o governador José Serra.
O cronograma da Secretaria de Administração Penitenciária prevê chegar a 2010 com um total de 187 unidades prisionais no Estado, ante as 142 existentes na atualidade. “A superlotação de presídios em São Pauloé resultado da ação efetiva da nossa policia que atua com rigor”, destaca Serra. “O meu programa prevê eliminar o máximo de cadeias do interior construindo Centros de Detenção Provisória que são unidades mais apropriadas”, explica o governador paulista.
O projeto de construção de presídios terá atenção especial à criação de vagas femininas. Só em 2008, há previsão de construir oito presídios destinados às mulheres. Ao todo, serão cerca de quatro mil novas vagas femininas. Com capacidade para 550 detentas, cada uma tem custo estimado de R$ 24,7 milhões. O investimento total somente no caso dos presídios femininos deve chegar a cerca de R$ 170 milhões.
Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, já está certa a construção das penitenciárias em quatro cidades: Tupi Paulista, Votorantim, Tremembé e Pirajuí. Esses municípios foram escolhidos após levantamento dos técnicos da SAP, que levou em conta a localização da cidade e a demanda regional por vagas. Os estudos prosseguem para definir as regiões onde serão construídas as outras quatro penitenciárias femininas.
Conforme os números da pasta, no período de 2000 a 2007 o número de mulheres presas no Estado mais que dobrou. Em 2000, o Estado registrava 4.999 presas. Sete anos depois esse número chega a 10.381 detentas.
São Paulo conta hoje com 142 estabelecimentos penitenciários em todo Estado. Desse total, 133 destinados ao sexo masculino e dez para o sexo feminino. Ao longo deste ano, 27 carceragens já foram desativadas em todo Estado.

Juventude petista promove sua primeira reunião

Assessoria de Imprensa do PT - Botucatu

No sábado, 26 de janeiro, na sede do PT foi realizada a primeira re
união da Juventude Petista de Botucatu, do novo Diretório.
A reunião foi coordenada pela secretária de Juventude Táli Pires de Almeida, que contou também com a presença do secretário Gerald do Partido, João Fernando de Campos e da secretária de Movimentos Populares Selma Regina da Silva.

Além de jovens entre 16 e 29 anos, também participaram da reunião alguns “jovens de espírito”, no sentido de colaborar para es
truturar as atividades da secretaria, considerada como uma das mais importantes para a renovação dos quadros de filiados do PT

Formação do Núcleo de Base da Juventude.
Neste processo de transformação pelo qual o PT vem passando de renovação dos quadros de dirigentes (PED) Processo de Eleições Diretas, surge também a proposta de trazer novamente para o cotidiano do Partido a retomada dos Núcleos de Base, por isso a iniciativa de se formar o Núcleo da Juventude Petista de Botucatu, no qual serão discutidas as propostas que dizem respeito à Juventude para o PT e também para o município.
Os jovens interessados em participar das atividades da Secretaria de Juventude devem entrar em contato com Táli Pires de Almeida, pelo e-mail talipiresdealmeida@yahoo.com.br, ou pelo telefone 11) 8689 0209, ou ainda com a secretaria Geral do PT de Botucatu.

janeiro 26, 2008

Reportagem sobre Blogs



reportagem sobre a blogosfera para a disciplina de expressao dramatica dos alunos da ESAP.

Eadcon-Botucatu torna-se opção acessível no ingresso à faculdade

A Eadcon está com inscrições em 20 cursos de graduação e para quem pretende fazer pós-graduação. As aulas são semipresenciais. Os alunos estudam através de teleconferência, de maneira individual e via internet.
As aulas acontecem uma vez por semana e os alunos têm à sua disposição biblioteca, tutoria, laboratório de informática e supervisão.
As demais atividades acadêmicas como aulas interativas, textos complementares e provas, os alunos realizam nos horários que escolherem, sempre utilizando o Portal Educacional Eadcon, disponível 24 horas por dia na Internet. Todos os cursos são autorizados pelo MEC. Essa rede de ensino está presente em 1.500 municípios, com mais de 1.600 salas de aula em todo o Brasil. No total, a Eadcon conta com 300 professores, entre titulares, assistentes e tutores. São mais de 50 mil alunos, entre formados e matriculados.
Acessível - As parcelas dos cursos de Letras, Matemática ou Pedagogia, já contando com abono de 15% para pagamento efetuado até a data do vencimento é de R$ 174,25. O plano do 1º semestre é de 1 + 5 pagamentos, sendo a primeira parcela referente à solicitação de matrícula. Os cursos oferecidos são ministrados e certificados pelas Instituições de Ensino Superior: Unitins e Fael.
Para quem fez Prouni são oferecidos mais de 1 mil bolsas de 100% no curso de Pedagogia. Também há bolsa de 50%. Uma das novidades é a pós-graduação em direito.
Onde procurar – A Eadcon-Botucatu fica na Rua Siqueira Campos, 103 - 2º andar – Centro. O telefone é (14) 3813-6652. O site é www.eadcon.com.br.
Cursos da Eadcon: Graduação em Administração, Graduação em Ciências Contábeis, Graduação em Complementação de Estudos, Graduação em Comunicação Social, Graduação em Fundamentos Jurídicos, Graduação em Licenciatura em Letras, Graduação em Licenciatura em Matemática, Graduação em Pedagogia, Graduação em Serviço Social e Graduação em Tecnologiaem Análise e Desenvolvimento de Sistema.
Cursos de Especialização: Pós- Direito Contemporâneo, Pós-Graduação em Gestão Escolar, Pós-Graduação em Educação a Distância: Tutoria, Metodologia e Aprendizagem, Pós-Graduação em Educação Infantil e Séries Iniciais, Pós-Graduação em Educação Especial: Práticas Inclusivas na Escola, Pós-Graduação em Metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia, Pós-Graduação em Metodologia do Ensino de História e Geografia, Pós-Graduação em Metodologia do Ensino de Ciências e Matemática, Pós-Graduação em Metodologia do Ensino de Linguagens, Pós-Graduação em Metodologia do Ensino Religioso e Pós-Graduação em Psicopedagogia Institucional.

Retiro religioso serve de opção para quem pretende fugir da agitação carnavalesca

Um boa opção para os dias de Carnaval, além de cair na folia, são os retiros promovidos por diversas igrejas de Botucatu. Um desses retiros é promovido pela Paróquia Nossa Senhora de Fátima, onde mais de 80 jovens, católicos, se reunirão em um haras, próximo a Rubião Júnior, para refletir e confraternizar com os amigos longe das aglomerações das avenidas e dos clubes.
Durante o feriadão de Carnaval, trocar a farra pela comunhão com a natureza e com os amigos, em um evento organizado pela própria juventude garante paz de espírito. Nesses eventos além de provas esportivas e gincana que visa a integração e fortalecimento da amizade, também acontecerão palestras, mensagens espirituais e musicais durante os quatro dias. O retiro acontecerá no Haras Novo Horizonte, nos dias 2,3,4 e 5 de fevereiro.
O retiro é organizado pela Conosfat - Comunidade Nossa Senhora de Fátima, que já conta com mais 60 inscritos. As pessoas que quiserem participar, terão até o início da próxima semana para realizar as inscrições.
O evento deverá receber aproximadamente 70 jovens, de várias localidades da cidade.
O pacote inclui quatro refeições- café da manhã, almoço, café da tarde e janta para os quatro dias, além de poder desfrutar da casa com piscinas e outros atrativos, com o custo de R$ 22 por pessoa.
O principal objetivo do é promover um Carnaval diferente evangelizando e unindo os jovens através de orações, missas e palestras. Por esse motivo é considerado uma excelente opção para quem pretende tirar os quatro dias de festa para refletir e descansar, participando de atividades religiosas.
Divididos em dois alojamentos, rapazes e moças ficam separados da folia de Carnaval para refletir.
”O que muda para nós, jovens que estamos participando do retiro, é que passamos a ter um estilo de vida diferente, mas consciente do que realmente é prazeroso”, explica Larissa Carvalho, uma das organizadoras do evento.

Segurança e diversão devem marcar os bailes populares de Carnaval

Por Renato Fernandes

secretária municipal de Turismo e Lazer, Lúcia Peduti, garante que a segurança e a diversão devem marcar os bailes populares de carnaval, que acontecerão nas quatro noites de folia, com início às 21horas. Em dias de desfiles, a festa terá início após as apresentações dos blocos, sempre na Praça Coronel Moura, em frente ao Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci.
“Teremos seguranças contratados a paisana entre os foliões, além da presença da Guarda Municipal garantindo o bem estar dos presentes”, explica.
Para garantir a integridade da festa, os guardas municipais se posicionarão em áreas altas com câmeras de segurança para identificar autores de possíveis casos de brigas e violência.
“Orientamos a banda para que pare o show sempre que presenciar alguma briga. A banda vai parar e explicar que só retorna o show quando o atrito acabar”, disse.
Outra medida que vai impedir acidentes é a proibição de garrafas e recipientes de vidro entre os foliões. “Já pedimos aos estabelecimentos comerciais ao redor dessa área para que não vendam nada em garrafas. Teremos funcionários que abordarão as pessoas com garrafas para solicitar a troca por recipientes de plástico, que nós forneceremos na hora”, revela.
Outra preocupação da Secretaria de Turismo é com o bem estar dos participantes.
“Vamos fechar o banheiro subterrâneo do Paratodos, onde temos apenas dois vasos e um amplo salão, mas instalaremos 10 banheiros químicos, divididos entre sanitários para homens e mulheres, no piso superior da Praça do Paratodos”, acrescenta.
Para auxiliar no trabalho, a secretaria contratou a empresa AG Fest, que mobilizou a banda “Estúdio A” para animar os foliões.
“A estrutura de palco vai começar a ser montada na sexta-feira, dia 1º, em frente ao ponto de ônibus do Paratodos . Para não tumultuar o trânsito, o DET (Departamento de Engenharia de Tráfego) vai liberar um desvio na rua entre o Teatro Municipal e o ponto de ônibus”, disse o assessor da secretaria, Otoni Luiz Tonin.

Quico: 'O Carnaval é coisa séria'


Por Renato Fernandes

O jornalista e carnavalesco Quico Cuter, 51 anos, já compôs mais de 22 sambas enredos. Temas desenvolvidos em sua maioria por escolas de samba da cidade de Botucatu. Cuter é um dos poucos carnavalesco que continua seu trabalho após a extinção da UESB - União das Escolas de Samba de Botucatu, compondo sambas agora para blocos carnavalescos.
Para ele o carnaval é uma grande festa, mas que precisa de seriedade, competência e profisisonalismo em sua organização.
Afastado do jornalismo por motivos de saúde, Cuter é muito conhecido no meio policial, área que cobriu durante a sua carreira.

Quando você começou a trabalhar com o carnaval?

O carnaval e a imprensa surgiram em minha vida juntos. Em 1982 eu escrevia para o Jornal de Botucatu e fui convidado pelo Elias Carriel, da escola de samba Camisa Preta, para compor o samba enredo. Eu já tocava violão e topei o desafio. Desde então não parei, entre 1982 e 1995, foram 22 sambas enredos, vários deles premiados, como os enredos “Hoje tem Plim Plim na Avenida” (1994), “Meu Carnaval é Sambanejo” (1995), dentre outros?

V
ocê sente que os antigos carnavalescos debandaram com o término das escolas de samba?
Quando acabou a euforia do carnaval de escolas de samba, em 1995, o pessoal desanimou. Na época os grandes batuqueiros eram disputados a tapa, igual acontece no Rio de Janeiro, quem sabia batucar era tratado a pão de ló, como artista mesmo. Quando acabou as escolas esse pessoal desanimou, e atualmente os carnavalescos antigos da Dragões da Vila, Vila Aparecida e da Vila Maria desanimaram do carnaval, que ainda é uma festa muito bonita.
O que tinha antes não tem mais, digamos que 30% das pessoas que participavam das escolas de samba continuam em blocos. Esses carnavalescos precisam de motivação para voltar nesse carnaval de blocos, que considero uma alegria, momento de confraternização e brincadeira. É diferente das escolas de samba que é uma coisa certinha, com divisão de alas, carros alegóricos e que conta a história do samba enredo em cada ala, na avenida.
Carnaval é coisa séria e tem que ser feito por pessoas sérias e profissionais para dar certo, mesmo nos blocos. Uma escola de samba precisa de organização perfeita, é muita coisa, são no mínimo 300 pessoas, já nos blocos não, todos saem como quiser.

Você concorda com a postura da administração de não financiar as escolas de samba?

Cuter: O carnaval viveu sua fase áurea, nos anos 90, com arquibancada nas ruas, concurso de escolas, pontuação e jurados foi criada a Uesb (União das Escolas de Samba de Botucatu) no começo foi feito um bom trabalho, encabeçada pelo secretário de Esportes Fred Pimentel e o prefeito Jamil Cury, a intenção era de se desvincular a prefeitura das escolas, caberia ao poder público apenas dar o suporte e essa entidade ajudaria na organização e custeio, mas ela acabou sendo usada de forma errada.
Na Uesb todas escolas precisavam trabalhar, mas nos eventos apenas uma ou duas participavam e isso deu início a muita discussão, brigas e desentendimento, levando ao fim da entidade.
Acho difícil desvincular a Prefeitura do carnaval, mas a administração não deve financiar escolas, e sim dar o suporte. Fazer exatamente o que a secretaria de Turismo faz hoje, não dar dinheiro para os blocos mas investir na estrutura.
Essa idéia da Lucinha Peduti (secretária de Turismo e Lazer) de lançar os blocos na cidade foi uma idéia muito feliz, e ela conta com um guarda-costas muito competente, que é o Otoni (Luiz Tonin) ele está ajudando no carnaval desde 1982 e sempre viveu o carnaval com a gente.

Você acredita no retorno das escolas de samba?
A idéia de muitos blocos é se transformar em escola e essa é também a idéia do Camisa Preta, Estive hoje na Secretaria de Turismo conversando com o Otoni e falei para ele da intenção de desfilar como escola em 2009. Vamos fazer um trabalho de estruturação durante o ano e montar a escola novamente. Vamos contar a história de determinado fato do passado ou personagem e homenagear em nosso samba enredo.
Por enquanto essa é só uma idéia, e quando falo em voltar com o Camisa Preta, falo em mesclar pessoas de outros bairros e não apenas os moradores do Tanquinho, onde fica a sede, a escola nunca foi do Tanquinho, tínhamos foliões da Cohab, Lavapés e da Vila Maria. Sempre fomos popular e a idéia é trazer esse pessoal que faz o carnaval para perto.

Qual é o seu melhor samba enredo?

Eu ainda não fiz. A gente vive a cada ano uma história, quando fiz o samba enredo homenageando o Francisco Marins foi um sucesso tremendo, jamais imaginei que faria outro igual, depois fiz um samba para o Alcides Nogueira que também considerei uma obra prima e imaginei que não faria outro como esse, mas em seguida escrevi um homenageando a dupla João Paulo e Daniel, que também marcou época.
Sempre procurei homenagear pessoas vivas e tive a sorte, e oportunidade, de conseguir trazer esses homenageados para participar em carros alegóricos, foi assim com o Alcides, com o Francisco Marins e com a dupla João Paulo e Daniel.

Você tem mais paixão pela imprensa ou pelo carnaval?

A paixão pela imprensa é bem maior. O samba atinge um pessoal específico e que gosto muito de trabalhar, mexemos com várias classes sociais, mas o jornalismo é diferente é algo muito motivante, você faz a entrevista e vê a repercussão do trabalho no dia seguinte. É algo muito rápido e dinâmico, o carnaval é uma vez por ano a imprensa é todo o dia.

Quais as suas escolas do coração?

No Rio de Janeiro é a Vila Isabel, sou fissurado na figura do Noel Rosa.
Em São Paulo gosto muito da Gaviões da Fiel, isso devido a aquele samba: “Me dê a mão, me abraça...”
Em Botucatu e difícil, nasci no Camisa Preta, fui para o Unidos de Última Hora, depois fui para o Camisa Verde e Branco. É difícil dizer uma.
Mas pelo carinho e por ter ajudado a fundar seria o Camisa Preta, onde fiz todos os sambas e participei desde o início.

janeiro 25, 2008

Bloco da Imprensa e Camisa Preta desfilarão juntos no Carnaval 2008

Secretaria Municipal de Comunicação

Mais uma união confirmada para o desfile dos blocos do Carnaval de Rua 2008, é a junção entre o “Bloco da Imprensa” e o “Camisa Preta”. Os blocos participarão dos dois dias de desfiles populares, embalados por dois sambas enredo, “Ainda sou Camisa Preta” e o “Nosso samba é isso aí”.
Os dois temas são de autoria de Quico Cuter, já conhecido de outros carnavais por seus sambas enredo. “Os enredos dos dois blocos são de minha autoria, e levando em conta o fato do ‘Bloco da Imprensa’ não ter bateria, tive a idéia de fazer a união”, explicou o autor.
O samba será puxado pela cantora Gisele Leite, com auxilio do próprio Quico. “Como são dois enredos durante o desfile, cantaremos de forma revezada”, acrescentou Quico.

Os ensaios da bateria acontecem durante toda a semana, de segunda a sexta-feira, das 20 às 22 horas, no Espaço Cultural Antônio Gabriel Marão. “Quem tiver interesse em participar da festa com a gente é só ir ao ensaio. Contamos com a presença de todos os profissionais da imprensa botucatuense para participar do Carnaval conosco”, finalizou Cuter.


Desfiles -
Os desfiles dos blocos serão realizados em dois locais diferentes, sempre a partir das 20h30 horas. No dia 2, sábado, os blocos descem a Rua Major Matheus, na Vila dos Lavradores. Já na segunda-feira, dia 4, o desfile será na Rua Amando de Barros.

O dia 3, domingo, e o dia 5, terça-feira, foram reservados para que os blocos desfilem em seus próprios bairros.


Bailes -
Os bailes serão realizados na Praça Coronel Moura (Paratodos), nas quatro noites de folia tendo início às 21horas. Em dias de desfiles, a festa terá início após as apresentações dos blocos.
O show principal de cada noite ficará a cargo da banda “Studio A”, sendo que nos dias, 2, 3 e 5 está prevista a participação de grupos de abertura.
No sábado, dia 2, a abertura do baile será feita pelo grupo “Axé Requebradeira”. Já no dia 3, o primeiro show da noite será do grupo “Estilo Leve e Movimento”. No dia 5 será a vez do grupo “Tranzáxe”, abrir a festa popular.

O baile do dia 4 não contará com banda de abertura em virtude do desfile dos blocos carnavalescos que acontecerão na Rua Amando de Barros.

Prefeitura convoca aprovados em concurso público

Secretaria Municipal de Comunicação - Botucatu

A Prefeitura de Botucatu está convocando para comparecer à Seção de Pessoal, no dia 31 de janeiro, os classificados aos empregos de agente de atividades escolares, atendente de creche, auxiliar de escritório, bibliotecário, inspetor de alunos, técnico de imagem e som, técnico de informática e auxiliar de serviços gerais.
Os candidatos convocados devem ficar atentos para o horário que devem comparecer à Seção Pessoal. O não comparecimento será considerado como desistência à vaga a que concorreu através de concurso público.

Agente de atividades escolares
(9 horas)

1º lugar - Valêncio Dias de Oliveira
1º lugar (PNE) - Denivane Alves da Silva
2º lugar - Célio Vieira de Lemos
3º lugar - Davi Luiz da Silva
4º lugar - Márcio Rogério Marcuzzo
5º lugar - Murilo Monteiro da Silva
6º lugar - Nádia Lardo Sanchez
7º lugar - Luis Augusto Martins Pereira
8º lugar - Artur Akira Sato Pereira
9º lugar - Flávia Fernandes Vernini Rodelli

Atendente de creche (9 horas)

1º lugar - Iraci Rodrigues dos Santos
1º lugar - (PNE) – Keuler da Silva Santos
2º lugar - Marisa Maria de Ávila Cardoso
3° lugar - Edilaine Sarzi Bueno
4º lugar - Maria de Lourdes de Oliveira
5º lugar - Marisa Trovarelli Tornero Cardoso
6º lugar - Alessandra Correa de Medeiros
7º lugar - Lílian Antunes de Oliveira
8º lugar - Patrícia Michele Peleteiro Soares
9º lugar - Daniela Ribeiro Massarico
10º lugar - Valter Juliano Ceranto
11º lugar - Juliana Alzira Antonia de Camargo
12º lugar - Milton da Silva Mazzutti
13º lugar - Simome Oliveira de Souza
14º lugar - Meyre Gonçalves Fogaça
15º lugar - Talita Ferreira
16º lugar - Alzira de Moraes da Silva
17º lugar - Soeli Aparecida Chiarelli Gonçalves

Auxiliar de escritório (13h30)

1º lugar - Simone Marchesotti Campos
1º lugar (PNE) - Rogério Orfeu Mariano
2º lugar - Edson Ponick Pedroso
3º lugar - Deivid Júnio Ferreira

Bibliotecário (13h30)

1º lugar - Darcila de Fátima Bozoni

Inspetor de alunos (13h30)

1º lugar - Lisele Paz
1º lugar (PNE) - César Alencar dos Santos
2º lugar - João Ricardo da Silva Marcello
3º lugar - Renato de Lalla
4º lugar - Luiz Enéias Zanetti Cardoso
5º lugar - Jefferson Eduardo de Mattos
6º lugar - David Graça Tómaz

Técnico de imagem e som (13h30)

1º lugar - Alessandro Alcarde

Técnico de informática (13h30)

1º lugar - Murilo Catussi Almeida

Auxiliar de serviços gerais (13h30)

1º lugar - Joel Campos dos Santos
2º lugar - Salete Aparecida Bicudo Sarzi
3º lugar - Ana Rosa de Fátima Spadin
4º lugar - Murilo Borges da Silva
5º lugar - Odivaldo da Rocha Camargo