novembro 28, 2007

Grupo de dança Vice Versa faz show sábado

Renato Fernandes

Ainda há tempo para a compra antecipada de ingressos para o espetáculo “Dançando em Cena”, desenvolvido pelo grupo de dança de salão, Vice Versa, e que estará em cartaz no sábado, dia 1º de dezembro, no auditório do Colégio La Salle, às 20 horas.

Essa será a segunda apresentação do espetáculo, que estreou no dia 25, domingo, em apresentação exclusiva à funcionários de entidades indicadas pela Prefeitura Municipal de Botucatu.
O espetáculo tem um repertório de coreografias eclético, com ritmos como o samba, bolero, , cha-cha-cha, rock, forró, dentre outros.
Para desenvolver as coreografias o grupo conta com um elenco de 18 dançarinos e participações especiais de malabaristas, dançarinos de jazz e flamenco.
Os organizadores da apresentação estão trabalhando com a venda antecipada de ingressos, e estuda a possibilidade de disponibilizar ingressos na biheteria do evento.
A venda está sendo feita nos seguintes pontos: Transparência, Beto Meias, Darlene Modas, Matriz Eventos e Qualivida, por R$ 10.
Informações pelo telefone: (14) 8142-1222.

Livro apresenta o diário de um jornalista na Revolução de 1932

Renato Fernandes

O professor José Sérgio Turriani Marques, deverá lançar nos próximos dois meses a obra documental, “Ocorrências da Revolução Constitucionalista de 1932 - Relato diário dos três meses da Revolução Constitucionalista de 1932, vista por um jornalista, Major Átila Bonilha e seu filho Pedrinho Marques Bonilha”.

O projeto foi aprovado pelo Pipa - Programa de Incentivo à Produção Artístico-Cultural, da Secretaria de Estado da Cultura, que financiará a impressão do livro, com recursos na ordem de R$ 3 mil.
Marques explica que recebeu o diário de parentes que residem em Itapeva. “O major era meu tio avô e quando recebi todo esse material decidi que iria transformar em algo novo e que pudesse ser lido, também por outras pessoas”, explica.
Uma das curiosidades da obra é a forma como ela está sendo diagramada, o autor está respeitando a fonte manuscrita e as linhas comuns nos cadernos escolares. “Imaginei o major escrevendo o seu diário à mão em um caderno e tive a inspiração de manter essas características. O livro terá 80 páginas grampeadas e será publicado em tamanho A4, imitando um caderno”, disse.
A pretensão do autor é mostrar como foi a movimentação das tropas na região sul do Estado e a falta de notícias quanto aos conflitos. “Era um período de comunicação difícil, as notícias chegavam às estações através de telegramas e muitas acabavam sendo censuradas”, disse.
Marques acrescentou aos textos fotos de época e informações referentes à revolução, como forma de situar o leitor para a época dos confrontos”.
De acordo com o autor, o jornalista e major da Força Nacional, Átila Martins Bonilha, era proprietário do jornal “O tempo”, da cidade de Itapeva. “Antes de aderir à revolução a oficina gráfica de seu jornal chegou a ser invadida pelos militares para a confecção de panfletos”, explica Marques.
Um capítulo que promete chamar a atenção dos estudiosos da Revolução é a respeito da aviação. “Não me prendi apenas ao diário, também utilizei textos adaptados e algumas pesquisas, entre elas o da aviação. Alguns aviadores saíram do Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro com seus aparelhos aderiram às causas constitucionalistas”, explica.
A obra vai muito além de um simples relato sobre a revolução ela mostra a velocidade com que se formou o movimento constitucionalista. “É uma obra que fala da moral e da velocidade de articulação das forças constitucionalistas. Uma capacidade muito rápida de formação de tropas”, comenta.
O livro deverá ser lançado em quatro cidades: Botucatu, Itapeva, Buri e Itararé.

Saresp ajuda no combate à dengue

Renato Fernandes

As Secretarias de Estado da Saúde e da Educação fecharam parceria para que cerca de 2 milhões de estudantes paulistas sejam orientados durante os dois dias do Saresp (ontem e hoje) sobre a importância do combate à dengue. Todos os alunos participantes, nas cerca de 5.300 escolas estaduais, vão receber materiais informativos após as provas.

Na região atendida pela Diretoria Regional de Ensino de Botucatu, a orientação será entregue para aproximadamente 26 mil alunos, divididos em 38 escolas de 15 cidades. Apenas em Botucatu o material será distribuído para 12 mil alunos.
“É uma data de mobilização da comunidade. As escolas estarão promovendo atividades extra curriculares, para os pais e alunos convidados. Esse é mais um caminho para o combate à dengue “, explica o dirigente regional de Ensino Bahige Fadel.
De acordo com ele o material da campanha contra a Dengue já foi enviado para todas as escolas que trabalharão agora na distribuição.
“Quando a Secretaria de Saúde e da Educação deram as mãos nessa campanha foram pensadas uma série de coisas: a mobilização da comunidade, a aproximação do verão e também o poder de propagação que os jovens possuem”, explica.
O Saresp é a avaliação da rede estadual de educação. Participarão todos alunos estaduais de 1ª, 2ª, 4ª, 6ª e 8ª do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio. A idéia das secretarias é que os alunos difundam o conhecimento sobre dengue em casa, passando o aprendizado e distribuindo os folhetos.
Para o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, os jovens vão funcionar como os principais agentes de combate ao mosquito nos próximos meses, quando o número de casos da doença pode crescer. “Os estudantes são importantes para que todas as famílias paulistas fiquem atentas à dengue. Além de orientar os alunos, queremos que propaguem essa idéia para amigos, vizinhos e pais."
“Os estudantes estão reunidos, focados na prova. É um excelente momento para, após o preenchimento das questões, abordar o tema dengue. É a hora dos filhos ensinarem os pais”, afirma a secretária de Estado da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro.

Projeto Coleta Legal promove “desfile de sensibilização”

Cléber novelli
Secretaria de Comunicação de Botucatu


O Projeto Coleta Legal, uma parceria entre Instituto Floravida, Grupo Centroflora e Secretarias Municipais de Educação e do Meio Ambiente, junto a EMEFEI “Luiz Tácito Virgínio dos Santos, realiza nesta sexta-feira, 30 de novembro, o “desfile de sensibilização”, no qual os alunos participantes levarão à população uma mensagem sobre o que aprenderam ao longo do ano a respeito de resíduos, lixo gerado pela sociedade e a importância de separar os materiais recicláveis.
O evento tem início previsto para as 12h45, com saída do portão lateral da escola do Jardim Flamboyant, e os participantes percorrerão algumas ruas do bairro, como a João de Oliveira, Lourenço Castanho, Avenida Universitária e Manoel Antônio Ribeiro.
A expectativa é que aproximadamente 100 pessoas, entre alunos e professores da escola e pessoas ligadas à equipe do projeto, estejam no passeio. “Convidamos a comunidade do Bairro Jardim Flamboyant a prestigiar as crianças, ouvindo a mensagem delas e recebendo o ímã de geladeira que será distribuído, com orientações sobre como separar os materiais recicláveis nas residências”, ressaltou Janaína Michelini, coordenadora de educação ambiental.
O Coleta Legal é um projeto de educação ambiental que trabalha a temática dos resíduos nas escolas municipais de Botucatu desde 2003. “Ao longo do ano, são desenvolvidas diferentes atividades com os alunos das 3ª séries do ensino municipal com o objetivo de promover uma ampla discussão sobre a problemática dos resíduos, considerando a elevada geração de lixo pela sociedade, promovendo a troca de conhecimentos sobre o tema, propondo a reflexão crítica sobre as diferentes formas de publicidade e sobre o consumo, e incentivando a reciclagem”, finalizou Janaína.

Polícia rodoviária apreende um quilo de cocaína em Botucatu

Por volta das 20 horas de ontem, a Polícia Militar Rodoviária apreendeu 1 quilo e 26 gramas de cocaína, com a passageira, Alessandra Alves, 26 anos, em um ônibus que fazia a itinerário São Paulo Araçatuba. A abordagem ao veículo aconteceu na base da Polícia Rodoviária de Botucatu.
De acordo com os policiais que realizaram a prisão a droga é pura, o que aumenta consideralvelmente o seu valor.
Segundo eles a presença de um policial à paisana no interior do ônibus foi fundamental para a apreensão. “Ele estava no ônibus e percebeu uma atitude suspeita”, disse uma dos agentes que preferiu não se identificar.
Em entrevista a acusada disse que levaria a droga para Biriguí e afirmou que a cocaína era para o consumo próprio, alegando ainda que não comprou o produto. “Eu fui buscar, mas não vou entregar ninguém”, disse.